Há 40 anos, sequestro de empresário iniciava o Outono Alemão

Renate Krieger

O rapto de Hanns Martin Schleyer por integrantes do Exército Vermelho deu início a 44 dias de terror que marcaram o auge da luta entre o Estado alemão e o terrorismo.O início do período que ficou conhecido como Outono Alemão completa 40 anos nesta quarta-feira (05/09). No dia 5 de setembro de 1977, o grupo terrorista de esquerda Fração do Exército Vermelho (RAF) sequestrou o empresário Hanns Martin Schleyer, então presidente da Confederação da Indústria Alemã e da Confederação das Associações de Empregadores Alemães. Em Colônia, o comando Siegfried Hausner, da RAF, atacou a comitiva de carros de Schleyer e o levou como refém. Seus três guarda-costas e o motorista morreram no tiroteio. A imagem que ainda assombra a Alemanha é a de um homem de bochechas caídas, olhar apático, olheiras. Foi segurando uma placa com os dizeres "prisioneiro da RAF" que Schleyer foi retratado pela imprensa do país. O cativeiro durou 44 dias e terminou de forma trágica: no dia 19 de outubro daquele ano, Schleyer foi encontrado com três tiros na cabeça em Mulhouse, na França, perto da fronteira alemã. Moeda de troca Para a RAF, deter um ícone do capitalismo alemão significava grande poder de barganha. Em troca da libertação de Schleyer, o grupo queria soltar 11 prisioneiros. Desde 1972, a geração de fundadores do grupo extremista estava detida na penitenciária de Stuttgart-Stammheim, tida como a mais segura da Alemanha. Mas Andreas Baader, Gudrun Ensslin e Jan-Carl Raspe, presos por terem perpetrado diversos atentados a bomba e incêndios a partir de 1968, continuavam liderando a luta armada da RAF a partir de suas celas. Do lado de fora, formou-se uma segunda geração de extremistas, mais distante dos anseios políticos do movimento original. Em vez da luta contra o capitalismo, a injustiça mundial e a condenação do passado nazista alemão – preceitos derivados do movimento estudantil de 1968 – , a RAF queria agora libertar seus líderes. O objetivo era o "Big Raushole" ("grande retirada") dos dirigentes encarcerados. "Sem chance para o terrorismo" O Outono Alemão foi o ápice da guerra entre os terroristas da RAF e o governo alemão. Além do sequestro de Schleyer, a RAF marcou 1977 com o assassinato de Siegfried Buback, procurador-geral da Alemanha, e de Jürgen Ponto, presidente do Dresdner Bank. Foi o ano mais sangrento da organização. Temendo uma escalada do terror com a libertação dos líderes da RAF em troca da liberdade de Schleyer, o então chanceler alemão Helmut Schmidt não cedeu à pressão do grupo. Quatro horas após o sequestro de Schleyer, Schmidt disse em rede nacional de televisão: "Aos responsáveis que me ouvem: eles podem estar certos do triunfo e do poder que têm em mãos. Mas não se iludam: o terrorismo não tem chance no longo prazo." Em resposta ao sequestro, governo e Departamento Federal de Investigações elaboraram uma lei – prontamente aprovada pelo Parlamento – que proibia completamente o contato entre os prisioneiros da RAF em Stammheim. Todas as conversas dos prisioneiros com os advogados também foram vetadas. O governo desconfiava de que o sequestro de Schleyer havia sido planejado de dentro das celas. O Departamento Federal de Investigações iniciou uma busca sem precedentes na história da Alemanha: milhares de residências foram vasculhadas para localizar o cativeiro. Milhões de folhetos com a foto de Schleyer foram jogadas de aviões. Até mesmo gravações com a voz dos sequestradores foram tornadas públicas. Na ocasião, a opinião pública chegou a debater a possibilidade de reintroduzir a pena de morte no país e mesmo de matar prisioneiros da RAF para colocar os terroristas sob pressão. Mas os sequestradores insistiram nas suas reivindicações, e os investigadores falharam nas suas tentativas de encontrar o cativeiro. Apoio do terrorismo internacional Schleyer ainda estava vivo no dia 13 de outubro de 1977, quando quatro terroristas palestinos que apoiavam a RAF na luta armada internacional sequestraram um Boeing 737 da Lufthansa com 87 pessoas a bordo. Cinco dias depois, o dramático voo da aeronave conhecida como "Landshut" – que hoje se encontra no Brasil – terminou em Mogadíscio, capital da Somália, após escalas em Roma, Chipre, Bahrein e Dubai. Uma unidade especial da Polícia Federal alemã invadiu a aeronave e libertou os reféns. O piloto havia sido executado pelos sequestradores. Três deles morreram baleados e a quarta terrorista palestina – uma mulher – ficou gravemente ferida. Os líderes da RAF presos em Stammheim ouviram a notícia sobre o final do sequestro. Na mesma noite, em 18 de outubro de 1977, Baader e Raspe se mataram em suas celas com armas contrabandeadas para dentro da prisão. Ensslin se enforcou com um cabo elétrico. No dia seguinte, o comando Siegfried Hausner afirmou em comunicado à agência de notícias DPA: "Após 43 dias, acabamos com a existência corrupta e patética de Hanns Martin Schleyer. (…) A luta apenas começou. Liberdade por meio da luta armada anti-imperialista." Em 28 anos de luta armada, os extremistas mataram 34 pessoas. A organização se dissolveu em 1998. O corpo de Schleyer foi encontrado no mesmo dia, 19 de outubro de 1977, no porta-malas de um carro na França. Até hoje, os cúmplices ainda vivos do sequestro mantêm segredo sobre a identidade do assassino.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos