Conflito em Mianmar causa fuga em massa

ONU diz que 250 mil pessoas cruzaram a fronteira de Bangladesh desde outubro, maioria pertence à etnia muçulmana rohingya, perseguida em Mianmar. Escalada de violência deixa mais de 400 mortos em duas semanas.Mais de 250 mil refugiados, a maioria da etnia muçulmana rohingya, entraram em Bangladesh, fugindo do conflito em Mianmar desde outubro do ano passado, afirmou nesta quinta-feira (07/09) a ONU. Com a escala da violência, somente nas últimas duas semanas, cerca de 164 mil rohingya cruzaram a fronteira de Bangladesh. A fuga em massa superlotou acampamentos de refugiados e a situação está à beira de uma crise humanitária. Em Mianmar, a recente onda de violência deixou ao menos 414 mortos no oeste do país. O conflito começou no dia 25 de agosto, quando efetivos armados do Exército de Salvação Rohingya de Arakan (ARSA) atacaram cerca de 20 instalações governamentais no estado de Rakhine (antigo Arakan). O comitê de informação do Escritório da Conselheira de Estado, a Nobel da Paz Aung San Suu Kyi, reportou que desde o ataque morreram 371 rebeldes, 15 efetivos governamentais e 28 civis. Cerca de sete mil casas foram destruídas durante os combates, o que deixou mais de 26,5 mil deslocados internos. Suu Kyi foi duramente criticada pelo silêncio perante a crise humanitária no estado de Rakhine, onde residem 1,1 milhão de rohingya. Em resposta, a Nobel da Paz assegurou que o governo protegerá os direitos de todas as pessoas e garantiu que não permitirá o terrorismo. "Claro que nossos recursos não são completos e adequados como gostaríamos, mas estamos tentando fazer o melhor e garantir a todos a proteção da lei", ressaltou Suu Kyi, sem citar a fuga em massa da minoria muçulmana. Suu Kyi criticou ainda a falsas informações em torno da atual crise e culpou terroristas pelo "iceberg de desinformação". O conflito Desde o início dos confrontos, o ARSA e as Forças Armadas trocaram acusações sobre violações dos direitos humanos. Ao grupo insurgente também é atribuída a autoria do ataque contra três postos de fronteira em 9 de outubro de 2016 que desencadeou uma violenta operação de represália do Exército. As autoridades de Mianmar alegam que os rebeldes rohingya querem criar um estado muçulmano autônomo no país de maioria budista. Os membros desta etnia muçulmana, com raízes centenárias no país, sofrem uma crescente discriminação desde o surto de violência sectária de 2012, que deixou pelo menos 160 mortos e cerca de 120 mil pessoas confinadas em 67 campos de deslocados. As autoridades de Mianmar classificam os rohingya como "bengaleses", ou seja, cidadãos do país vizinho Bangladesh. Apesar de alguns deles viverem há gerações no país, o governo do Estado majoritariamente budista lhes nega a cidadania. Qualquer membro da etnia rohingya que deixar Mianmar é tratado como migrante ilegal, caso queira voltar. CN/efe/rtr/lusa/afp

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos