Quem promete o que na eleição alemã

Christoph Ricking

Veja as propostas de cada legenda em relação aos temas que mais preocupam os eleitores alemães, como segurança, trabalho, impostos e imigração.Mais de 60 milhões de eleitores alemães estão convocados a escolher os novos deputados do país neste domingo (24/10), numa eleição que, ao final, definirá se a chanceler federal Angela Merkel continuará no poder. Para conquistar os eleitores, cada partido definiu suas metas em relação a uma série de assuntos. Veja o que eles estão prometendo em áreas como segurança, trabalho, impostos e imigração, caso cheguem ao poder: Segurança Os principais partidos da Alemanha concordam no quesito segurança: o país precisa de mais policiais. A CDU e o SPD querem 15 mil novos policiais nos níveis nacional e estadual. Também o Partido Verde e o partido A Esquerda defendem o aumento no número de policiais. Os liberais reivindicam um equilíbrio entre segurança e liberdade e exigem o respeito dos direitos fundamentais e do Estado de direito. O partido rejeita o armazenamento de dados e defende uma abordagem "responsável" em relação à vigilância por vídeo. Já o nacionalista de direita AfD dá especial atenção em seu programa eleitoral ao combate da criminalidade praticada por estrangeiros. Mercado de trabalho Pleno emprego até 2025 – essa é a meta da CDU, partido da chanceler federal Angela Merkel, em seu programa eleitoral. O objetivo é reduzir a taxa de desemprego para menos de 3%. Um objetivo difícil, considerando que a média de 2017 é 5,9%. A CDU/CSU defende também a flexibilização da jornada de trabalho e mais apoio aos empreendedores. Também os social-democratas querem a criação de mais postos de trabalho para alcançar o pleno emprego. O SPD quer ajustar o salário dos trabalhadores terceirizados ao dos funcionários contratados. Já os verdes querem melhorar as condições de trabalho com pisos salariais específicos por setor mais altos que o salário mínimo, ou por meio de um horário de trabalho flexível. A Esquerda quer estender o período de concessão do auxílio desemprego e elevar o piso mínimo dos atuais 8,84 euros por hora para 12 euros. Já o Partido Liberal Democrata (FDP) exige melhores condições para empregadores por meio de menos regulações sobre o horário de trabalho. Além disso, o partido quer apoiar empreendedores e start-ups. Imigração A CDU/CSU quer manter baixo o número de refugiados no país. Um limite concreto, no entanto, como pretende a CSU, não aparece no programa eleitoral. Ambos prometem uma lei que permita a entrada no país de trabalhadores qualificados que tenham um contrato para trabalhar na Alemanha. CDU e CSU não querem uma lei de imigração e prometem deportar todos os que tiverem os pedidos de asilo rejeitados. O SPD quer uma lei de imigração nos moldes do sistema de pontuação empregado no Canadá. O Parlamento seria responsável por definir o número de imigrantes. Quem quiser migrar para a Alemanha receberia pontos conforme a qualificação, conhecimentos linguísticos e idade. Quanto mais pontos, melhores suas chances de ficar na Alemanha. Leia a cobertura completa sobre a eleição na Alemanha em 2017 Da mesma forma, os verdes prometem fazer pressão por uma lei de imigração com sistema de pontos. Eles querem que a qualificação profissional de estrangeiros seja mais facilmente reconhecida e reivindicam menos burocracia nesta avaliação. Refugiados deveriam ter a possibilidade de trocar seu status para o de "trabalhadores migrantes" desde que cumpram determinados requisitos. Os verdes também são explicitamente contra deportar refugiados para o Afeganistão. A Esquerda rejeita um sistema de pontuação aos moldes canadenses. Na visão do partido, a Alemanha deveria ser uma "sociedade aberta à imigração", facilitando consideravelmente a naturalização. Já a AfD defende uma cota anual mínima de deportações. Para evitar a chegada de novos refugiados, defende o fechamento das fronteiras e a construção de cercas. Integração A CDU/CSU quer impedir que a dupla cidadania seja transmitida de geração para geração. O programa eleitoral da legenda prevê que migrantes e seus filhos podem ter dois passaportes, mas as próximas gerações devem se decidir por uma nacionalidade. Além disso, o partido defendem que a "cultura guia" seja a alemã. Nesse contexto, define uma série de valores e habilidades, como o idioma, a motivação e a equiparação entre homem e mulher. Os verdes, o SPD e A Esquerda rejeitam o debate sobre a "cultura guia". Os três partidos são a favor da manutenção da dupla cidadania. Política fiscal O programa de CDU e CSU quer eliminar cerca de 15 bilhões de euros em impostos. A taxa de tributação mais alta, de 42%, incidiria sobre uma renda anual a partir de 60 mil euros, em vez dos atuais 54 mil euros, no caso de pessoas solteiras. A taxa de tributação para ricos, de 45%, atingiria rendas anuais a partir de 232 mil euros, em vez dos atuais 251 mil euros, também no caso de solteiros. Além disso, a CDU promete que a chamada "taxa de solidariedade" seja extinta gradualmente entre 2020 e 2030 – recuando 0,5 ponto percentual por ano. Essa contribuição existe desde a década de 1990 principalmente para financiar os custos da reunificação alemã. Também o SPD defende um alívio fiscal de 15 bilhões de euros. Além disso, quer elevar para 60 mil euros o piso para a tributação mais alta. No entanto, os social-democratas querem canalizar novamente uma parte do dinheiro para o governo, criando uma faixa de imposto mais alta ainda, com um percentual de 45% sobre uma renda anual (para solteiros) a partir de 76 mil euros. A tributação para ricos com renda a partir de 250 mil euros subiria de 45 para 48%. Os liberal-democratas planejam amplas reduções de impostos – no total de 30 bilhões de euros no próximo período legislativo. A Esquerda defende uma taxa de 75% para ricos, no caso de renda anual a partir de um milhão de euros. O partido também quer taxas mais altas sobre rendimentos da receita do capital, bem como sobre heranças. Defesa A CDU quer aumentar os gastos com a defesa para 2% do Produto Interno Bruto da Alemanha até 2025 – como reivindicam a Otan e os Estados Unidos. Os liberais também querem aumentar os gastos com a defesa. Já o SPD é contra a meta de 2%. Os verdes e A Esquerda rejeitam aumentar os gastos com a defesa do país. A Esquerda, particularmente, quer até reduzir o orçamento em 30% e retirar as tropas alemãs de todas as missões no exterior. Além disso, o partido quer tirar a Alemanha da Organização do Tratado do Atlântico Norte (Otan).

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos