May propõe período de transição de dois anos após Brexit

Em discurso na Itália, primeira-ministra britânica apresenta propostas a fim de destravar negociações relativas à saída do Reino Unido da União Europeia. Por dois anos, relações comerciais ficariam intactas.A primeira-ministra britânica, Theresa May, apresentou nesta sexta-feira (22/09) uma série de propostas sobre a saída do Reino Unido da União Europeia (UE), incluindo um período de transição de dois anos após o Brexit, em que seria mantida grande parte dos laços com Bruxelas. Segundo as propostas da premiê, apresentadas em um discurso em Florença, na Itália, as relações comerciais entre o país e o bloco econômico permaneceriam intactas nesses dois anos, período necessário para assegurar uma saída "harmoniosa e ordenada" do grupo, afirmou. May também prometeu honrar com os compromissos financeiros do Reino Unido durante o atual plano orçamentário da União Europeia, em vigor até 2020, a fim de evitar criar "incertezas para os outros Estados-membros". Segundo ela, nenhum país deve "pagar mais ou receber menos" nesse período. A premiê não mencionou números, mas estima-se que a contribuição britânica nos dois próximos anos seja de 20 bilhões de euros – um valor muito abaixo do que se acredita que vá custar ao bloco econômico a retirada do país: entre 60 bilhões e 100 bilhões de euros. Sobre os cidadãos da UE interessados em viver no Reino Unido, May afirmou que eles poderão residir e trabalhar no país, mas terão que fazer um registro junto às autoridades locais. Estima-se que cerca de três milhões de cidadãos de nações do bloco vivam atualmente em território britânico. Acerca da questão, a primeira-ministra disse ainda que os tribunais britânicos devem "levar em consideração" as deliberações do Tribunal de Justiça da União Europeia nas suas decisões relativas a direitos de cidadãos europeus após o Brexit. May também propôs um "ambicioso novo acordo de segurança" com Bruxelas, dizendo aos líderes do bloco econômico que seu país "quer ser seu amigo e parceiro mais forte, já que a UE e o Reino Unido prosperam lado a lado". "Embora a saída do Reino Unido da UE seja inevitavelmente um processo difícil, é do interesse de todos nós que as negociações sejam bem-sucedidas", acrescentou May, que espera que seu discurso desbloqueie as negociações com Bruxelas acerca do Brexit. "Estamos atravessando um período crítico", mas "quando nos reunimos, podemos alcançar bons resultados", declarou a líder britânica, afirmando almejar a garantia de um "futuro melhor" para todos os cidadãos europeus. "Espírito construtivo" A União Europeia, por sua vez, saudou o "espírito construtivo" do discurso de May, mas afirmou que não abrirá negociações sobre as futuras relações entre as duas partes até ver "progressos suficientes". "May expressou um espírito construtivo que também é o espírito da UE nessa negociação única", escreveu, em comunicado, o negociadoreuropeu do Brexit, o francês Michel Barnier, acrescentando que as palavras da premiê britânica deixam claro um "desejo de avançar". Barnier ainda disse que Bruxelas está ansiosa para "ouvir dos negociadores britânicos as implicações concretas" do discurso da primeira-ministra. As propostas de May vêm 15 meses depois do referendo realizado no Reino Unido sobre a saída do país da União Europeia. O divórcio deve ocorrer em 29 de março de 2019, dois anos após o início do processo de saída, realizado com a ativação do Artigo 50 do Tratado de Lisboa. EK/afp/rtr/lusa/efe

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Newsletter UOL

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos