Opinião: Hollywood de Harvey Weinstein está em todo lugar

Anne Wizorek (as)

Produtor que agrediu dezenas de mulheres não é caso isolado. Ele é decorrência de uma sociedade sexualizada, na qual sexismo e violência sexual são parte do cotidiano, opina ativista Anne Wizorek.Finalmente veio à tona: Harvey Weinstein, um famoso produtor de Hollywood e titã da indústria cinematográfica, é acusado de, ao longo de décadas, ter sistematicamente chantageado, molestado e agredido sexualmente inúmeras mulheres.

Por fora, Weinstein cultivava uma aparência progressiva, mas, por dentro, montou um sistema que protegia a si mesmo e a seus crimes. Todos os dias aparecem novas denúncias de atrizes. Fala-se de um segredo de fachada em Hollywood. Quem ousasse se defender de Weinstein sentia logo todo o seu poder ameaçador.

O debate agora iniciado mostra que só apareceu a ponta do iceberg. Não só porque outros homens, como Ben Affleck, Matt Damon e Quentin Tarantino aparentemente acobertavam Weinstein, mas também porque surgem indicações de outros criminosos na indústria cinematográfica e televisiva. Cada vez mais homens atingidos também se manifestam, como os atores James van der Beek, Terry Crews e Rob Schneider.

Que Weinstein tenha conseguido permanecer tanto tempo impune não é, nem de longe, um problema específico de Hollywood. O caso dele só deixa claro como funciona o sexismo e como ele não apenas gera crimes de violência sexual como também os apoia. Relações de dependência são usadas para fortalecer a própria posição sexual, por meio de relações sexuais forçadas.

Seja em Hollywood, seja em Hamburgo ou em Hong Kong: o sexismo e a violência sexual são uma epidemia mundial. Nenhuma classe social está livre dela, nem mesmo a dos "ricos e belos".

Só na Alemanha, uma em cada três mulheres já foi vítima de violência sexual ou física. Assédio sexual como uma forma específica de violência sexual já foi realidade para 58,2%. Acontece em espaços públicos, no trabalho ou no local de estudo: não há lugar onde a violência sexual não ocorra. Mulheres jovens, com deficiências, negras e transexuais são especialmente atingidas.

O fato de esse problema social ser tão amplo e significar uma grande perda nas liberdades de meninas e de mulheres torna ainda mais assustador que ele seja tão invisível. Weinstein não é um caso isolado, mas a enésima prova de que "as mulheres já dizem isso há muito tempo".

Para as mulheres, o debate sobre sexismo é como o filme sobre o dia da marmota: todos os dias acordamos nele, só para, mais uma vez, constatar que o conhecimento geral sobre sexismo e suas consequências praticamente não mudou. "Sexismo? Isso ainda existe?" Isso é frustrante e muito distante da comédia de Bill Murray – ainda mais se considerado que ele próprio agrediu a ex-mulher.

Sexismo cotidiano não significa que todo homem é um potencial agressor sexual, mas que o nosso cotidiano é marcado pelo pensamento e por ações sexistas – inclusive o de mulheres e de crianças. Sexismo é como poluição do ar: alguns locais e pessoas são mais atingidos do que outros, mas, no fim das contas, isso atinge a todos nós. A violência sexual nasce de uma sociedade sexualizada, que não acredita nas mulheres, coloca a culpa na vítima e define masculinidade por meio da humilhação de meninas e mulheres.

Se queremos realmente prevenir a violência sexual, temos de compreender essas ações dentro do nosso contexto social e analisar o terreno fértil no qual o sexismo pode ser semeado de maneira tão fácil. Esterótipos sexuais prejudicam a todos nós, mesmo que de maneiras diferentes. Nisso se incluem também os papéis sociais, impostos nas crianças ainda pequenas, que cimentam disparidades e que incutem nas meninas que "garotos são assim, mesmo" – em vez de explicar aos garotos que eles nem mesmo precisam ser assim.

Anne Wizorek é conselheira independente para mídias digitais, autora e ativista feminista. Ela passa seus dias na internet e em Berlim. A hashtag iniciada por ela, #aufschrei, gerou em 2013 um grande debate sobre sexismo cotidiano na Alemanha e foi a primeira hashtag a ser premiada com o Grimme Online Award. No seu livro Weil ein #aufschrei nicht reicht – Für einen Feminismus von heute (Por que um #gritoderevolta não basta - por um feminismo de hoje), ela desenvolve uma agenda feminista moderna.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos