Zeitgeist: A incrível ascensão de Jeremy Corbyn

Alexandre Schossler

Com uma agenda socialista de raiz, veterano de 68 anos consegue empolgar Partido Trabalhista e tem chances reais de chegar ao poder. Mas história da ascensão de Corbyn é também a da divisão dos conservadores.A empolgação era grande durante o congresso anual do Partido Trabalhista britânico em Brighton, no sul da Inglaterra, no fim de setembro. Animada, a massa gritava o nome de seu novo ídolo ao ritmo do refrão de Seven Nation Army, da banda White Stripes.

O que se via em Brighton beirava o culto. E, assim como aconteceu com Bernie Sanders e o Partido Democrata nos Estados Unidos, um socialista da velha guarda, com ideias dos tempos em que o socialismo ainda valia o seu nome, era o centro da festa e atraía sobretudo os jovens.

Esse modelo old school se chama Jeremy Corbyn. Ainda uns tempos atrás, ninguém dava nada por ele. Hoje esse veterano de 68 anos tem chances reais de se tornar o próximo primeiro-ministro do Reino Unido. Nas pesquisas, o Partido Trabalhista tem 43% contra 39% dos conservadores. Na liderança dele, o partido saltou de 400 mil para quase 600 mil filiados.



E Corbyn conseguiu isso com uma agenda política que parece saída de 1968 e causa arrepios entre os liberais e conservadores. Ele quer a estatização de bancos, da água e da luz. Mais impostos para os ricos e o fim das mensalidades nas universidades. Ele odeia os EUA e simpatiza com Chávez e Putin. Já defendeu o Reino Unido fora da Otan e sem armas nucleares. "Nós somos o mainstream político e estamos prontos para o governo", bradou, para o delírio do seu público.

A história da ascensão de Corbyn é também a do declínio de Theresa May. Na mesma dimensão em que o Partido Trabalhista está fechado atrás de seu líder, os torys se digladiam entre si e se afastam de May. Desprezada, ironizada e enfraquecida, ela se tornou uma dead woman walking, como definiu o ex-ministro das Finanças George Osborne.

Colaborou para essa situação a decisão de May, extremamente controversa do partido, de convocar as eleições antecipadas de junho. Para Corbyn, elas foram um presente que caiu do céu. O Partido Trabalhista obteve 30 novos mandatos, os conservadores perderam a maioria. Desde então, nada mais dá certo para May.

E essa situação tem profundas consequências para o Reino Unido. O Brexit é o principal evento político do país em décadas. As negociações em Bruxelas são duras e seriam difíceis até mesmo para um governo forte, o que o de May está muito longe de ser.

Corbyn, aliás, mantém um silêncio estratégico sobre o Brexit. O tema tem grande potencial para dividir os trabalhistas, que se firmaram como a principal força contra a saída do Reino Unido. Porém, para um socialista-raiz como Corbyn, a União Europeia é um clube exclusivo de neoliberais ricos que tem por objetivo manter os neoliberais ricos.

O que Corbyn faz, neste momento, é esperar. Ele navega na onda da simpatia pelas suas ideias e do enfraquecimento do governo May. Se novas eleições acontecerem, e isso não é nada improvável, tem boas chances de ser o próximo primeiro-ministro.

A coluna Zeitgeist oferece informações de fundo com o objetivo de contextualizar temas da atualidade, permitindo ao leitor uma compreensão mais aprofundada das notícias que recebe no dia a dia.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos