O "islã moderado" do príncipe herdeiro saudita

Alexandre Schossler

Mohammed bin Salman nunca foi tão claro sobre o futuro que imagina para a Arábia Saudita, com menor influência dos clérigos ultraconservadores. Em relação ao Irã, porém, nada muda.O príncipe herdeiro da Arábia Saudita, Mohammed bin Salman, afirmou nesta terça-feira (24/10) que seu país começou um processo para retornar "ao que era antes: um país de islã moderado que é aberto a todas às religiões, tradições e pessoas do mundo".

Num discurso para 2.500 investidores – incluindo estrangeiros – reunidos em Riad, o príncipe de apenas 32 anos prometeu acabar com o extremismo religioso no país. "Setenta por cento dos sauditas têm menos de 30 anos. Não vamos perder outros 30 anos lidando com ideias extremistas. Vamos erradicar o que sobrou delas muito em breve. Queremos viver uma vida normal."

Leia mais: Novo príncipe herdeiro, velho estilo na Arábia Saudita

Em entrevista ao jornal britânico The Guardian, o jovem príncipe disse que o ano de 1979 marcou o abandono do islã moderado pela Arábia Saudita. "O que aconteceu nos últimos 30 anos não é a Arábia Saudita. Depois da revolução iraniana, em 1979, as pessoas queriam copiar aquele modelo em vários países, e um deles foi a Arábia Saudita. Não sabíamos como lidar com a situação. Agora é a hora de se livrar dele."

Estas foram as declarações mais enfáticas do príncipe Mohammed sobre o futuro da Arábia Saudita desde que ele deu início a um programa de reforma culturais, sociais e econômicas que inclui o retorno de shows e cinemas e a permissão às mulheres para dirigir. O programa o tornou muito popular entre parte da juventude saudita, num país onde metade da população tem menos de 25 anos.

Mesmo não sendo o rei, o príncipe Mohammed é considerado o arquiteto do programa, que pretende ainda privatizar parte da estatal petrolífera Aramco, elevar os investimentos estrangeiros na Arábia Saudita e diminuir a dependência do petróleo.

Leia mais: Arábia Saudita, wahhabismo e o "Estado Islâmico"

Aliança com o wahhabismo

O reino saudita foi fundado sobre uma aliança entre clérigos ultraconservadores, seguidores de uma interpretação controversa do islã, o wahhabismo, e a família real da Casa de Saud. Na prática, o wahhabismo é a religião de Estado da Arábia Saudita. Críticos afirmam que a disseminação dessa ideologia pelos sauditas abriu caminho para grupos extremistas, como o "Estado Islâmico".

Assim, a afirmação do príncipe Mohammed, de que o país era moderado antes de 1979, é historicamente incorreta, pois os clérigos wahhabistas sempre tiveram uma enorme influência na sociedade saudita. Para o especialista alemão Sebastian Sons, o atual rumo reformista adotado pelo príncipe herdeiro é até mesmo arriscado diante dessa influência.

"Mohammed bin Salman deve tomar cuidado para manter um certo equilíbrio na sua rota, para não insultar os clérigos religiosos. Pois algumas de suas decisões são, com certeza, polêmicas". Sons diz que não consegue imaginar a família real saudita virando as costas para o wahhabismo. "Não devemos esquecer que, do ponto de vista histórico, a família real não teria poder sem o apoio religioso dos wahhabi."

Mas os especialistas também divergem sobre o real equilíbrio de poder dentro do reino. Os religiosos wahhabi, reunidos na uluma saudita, já foram acusados por grupos ainda mais radicais de advogarem uma versão corrompida do wahhabismo, deixando de lado posições originais e focando na obediência à família real – servindo, assim, aos interesses da monarquia.

É um raciocínio semelhante ao do jornalista saudita Jamal Khashoggi, que vive no exílio nos Estados Unidos e, quando ainda estava no reino, era tido como integrante da ala liberal da elite. "Os religiosos obtêm seu poder e força do próprio Estado saudita. Se o Estado puxar o tapete deles, todos vão ficar moderados e apoiar o Estado. Já foi assim no tempo do rei Abdul Aziz, e pode acontecer de novo."

Leia mais: A Arábia Saudita e o financiamento do terrorismo

O inimigo Irã

A referência ao Irã e ao ano de 1979 também chama a atenção no discurso do príncipe Mohammed. Indiretamente, ele colocou no Irã a culpa pelo extremismo saudita. Ao fazer isso, indicou que, ao menos na campo da política externa, não haverá mudanças na Arábia Saudita, que continuará se posicionando como a grande rival da República Islâmica, fomentando a divisão entre sunitas e xiitas.

E, de fato, o príncipe Mohammed tem seguido uma linha externa dura, e não apenas em relação ao Irã, com quem descartou o diálogo. Ele também defendeu o isolamento do vizinho Catar na atual crise que envolve o emirado e conduziu uma guerra que matou milhares de civis no Iêmen – contra os rebeldes houthis, predominantemente xiitas, apoiados pelo Irã.

O especialista alemão Guido Steinberg, disse à agência de notícias DPA que as reformas do príncipe herdeiro "deverão levar a uma Arábia Saudita onde os clérigos conservadores são cada vez mais marginalizados e os setores liberais do país poderão respirar mais livremente e esperar muito mais liberdade". Mas ele lembra que permance incerto se isso significará também o fim da discriminação da minoria xiita no país, de cerca de 2 milhões de pessoas.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Newsletter UOL

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos