Zeitgeist: O Big Brother chinês

Alexandre Schossler

Governo chinês implementa sistema de avaliação de crédito que atribuirá pontuação a cada cidadão, com base no comportamento dele, também na internet. Conseguir um emprego ou fazer negócios dependerá dessa nota.Em 2014, o governo chinês anunciou um sistema de classificação de crédito que, muito mais do que prever se uma pessoa vai pagar suas contas e dívidas com base no comportamento dela no passado, dará a cada cidadão, empresa ou organização uma pontuação que indicará o seu grau de confiabilidade.

O "sistema de crédito social" fará isso coletando milhares de dados na internet e junto a empresas e autoridades, desde o comportamento no trânsito até atividades na internet e em redes sociais. Com base nisso, cada cidadão receberá uma pontuação e, dependendo dela, pode ganhar ou perder direitos.

"Se a confiança for rompida numa área, restrições são impostas em todos os lugares", afirmam os planos do governo. Assim, dependendo da sua pontuação, uma pessoa poderá não estar habilitada a concorrer a um cargo público, a abrir uma empresa ou a trabalhar num determinado setor (por exemplo a indústria alimentícia). A nota também poderá determinar se uma pessoa poderá viajar de primeira classe ou se seu filhos poderão frequentar uma escola privada, por exemplo.

Os planos do governo focam em quatro áreas: "honestidade nas relações com o governo", "integridade comercial", "integridade social" e "credibilidade judicial". Certamente não por acaso, os tópicos evocam escândalos recorrentes na China, como corrupção e alimentos contaminados. Para o governo, trata-se de resolver o problema da falta de confiança no mercado chinês, tanto em relação às empresas como aos consumidores.

Mas o tópico que mais chama a atenção é "integridade social", ou o que quer que o governo chinês entenda por isso. Na prática, ele avalia o comportamento social de um cidadão, o que pode incluir também a postura dele em relação ao regime. Para os críticos, trata-se de um sistema de vigilância de massa, digno de um governo autoritário e orwelliano, em alusão ao escritor de Big Brother. "Com a ajuda das tecnologias de internet mais recentes, o governo quer exercer a vigilância individual", afirmou o especialista Rogier Creemers, da universidade de Oxford, ao jornal holandês De Volkskrant.

Por enquanto, o governo autorizou oito empresas a criarem projetos pilotos, que estão sendo acompanhados de perto. Entre elas estão as gigantes Alibaba e Wechat. Certamente haverá dificuldades práticas, como gerenciar uma enorme quantidade de dados e conseguir combinar todas essas informações, que deverão estar nos mais variados formatos digitais. A intenção do governo é que o sistema esteja implementado até 2020, quando a participação será obrigatória para todas as pessoas e organizações.

A coluna Zeitgeist oferece informações de fundo com o objetivo de contextualizar temas da atualidade, permitindo ao leitor uma compreensão mais aprofundada das notícias que recebe no dia a dia.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos