Milhares exigem libertação de líderes catalães em Barcelona

Protesto intenso na capital da Catalunha reúne 750 mil pessoas, segundo polícia local, contra a prisão de ex-membros do governo regional e líderes separatistas após declaração de independência. Puigdemont envia mensagem.Centenas de milhares de manifestantes foram às ruas de Barcelona neste sábado (11/11) para exigir que o governo em Madri liberte dez líderes da Catalunha que estão detidos por envolvimento com a declaração unilateral de independência realizada por essa região autônoma da Espanha.

A multidão se concentrou principalmente pela extensa rua da Marina, passando por locais emblemáticos, como a basílica Sagrada Família, um dos símbolos da cidade. Cartazes traziam frases como "Liberdade para os presos políticos" e "Somos uma república".

Segundo estimativa da polícia catalã, 750 mil pessoas participaram do protesto, convocado pelas organizações Assembleia Nacional da Catalunha (ANC) e Òmnium – os presidentes desses grupos pró-independência, Jordi Sànchez e Jordi Cuixart, respectivamente, também estão presos.

Durante a manifestação, foi divulgada uma mensagem de Carles Puigdemont, líder separatista catalão que foi destituído do governo regional após a declaração de independência. Alvo de uma ordem de prisão emitida pela Justiça espanhola, ele está em Bruxelas acompanhado de ex-conselheiros do governo catalão e disse que só voltará à Espanha com garantias.

"Queremos ouvir vocês, e certamente nós que estamos em Bruxelas e aqueles que estão na prisão ouviremos seu clamor", afirmou Puigdemont aos manifestantes. "Não nos deixemos ter medo daqueles que querem cortar nossas liberdades e aniquilar e humilhar nossas instituições."

Em mensagem publicada no Twitter durante o protesto, o ex-líder catalão disse ainda que "a luz de vocês [manifestantes] chega até nós em Bruxelas e ilumina o caminho pelo qual devemos continuar seguindo". "Vocês são nossa força", completou.

O governo espanhol prendeu no início do mês oito ex-membros do governo da Catalunha, incluindo o ex-vice-presidente Oriol Junqueras e sete ex-conselheiros. Os ativistas Jordi Sànchez e Jordi Cuixart já estavam detidos.

A prisão, segundo as autoridades espanholas, foi pela participação dos líderes na declaração unilateral de independência anunciada em 27 de outubro. Em resposta, o governo presidido por Mariano Rajoy resolveu dissolver o Parlamento da Catalunha e convocou eleição na região para 21 de dezembro.

Na quinta-feira passada, um tribunal espanhol mandou libertar cinco integrantes do Parlamento dissolvido, entre eles a presidente da Casa, Carme Forcadell. Eles poderão acompanhar em liberdade a investigação sobre o envolvimento na tentativa de independência da Catalunha.

Forcadell deixou a prisão nesta sexta-feira após pagar uma fiança de 150 mil euros, mas decidiu não participar da manifestação deste sábado por orientação de seu advogado.

EK/ap/rtr/afp/lusa/efe/ots

----------------

A Deutsche Welle é a emissora internacional da Alemanha e produz jornalismo independente em 30 idiomas. Siga-nos no Facebook | Twitter | YouTube | WhatsApp | App

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos