Polícia Federal prende ex-governadores Garotinho no Rio

Anthony e Rosinha Matheus são acusados de integrar esquema de arrecadamento ilícito de verbas de campanha. Prisões ocorrem no âmbito da Operação Chequinho, deflagrada pela PF e Ministério Público Estadual.A Polícia Federal (PF) prendeu nesta quarta-feira (22/11) os dois ex-governadores do Rio de Janeiro Anthony Garotinho e Rosinha Matheus Garotinho, no âmbito da Operação Chequinho, que investiga a arrecadação de dinheiro ilícito para financiamento de campanhas eleitorais.

Ambos são acusados de integrarem, com outras seis pessoas, uma organização criminosa que arrecadava de forma ilícita, até mesmo mediante extorsão, recursos financeiros junto a empresários para financiar as campanhas eleitorais deles próprios e de aliados.

Garotinho foi preso em seu apartamento na Praia do Flamengo, na zona sul da cidade, enquanto a ex-governadora foi detida em sua casa em Campos dos Goytacazes, no norte fluminense.

Leia também: "Única mala" não comprova corrupção, diz novo diretor da PF

O esquema, que teria sido utilizado nas eleições municipais de 2016, envolve o programa Cheque Cidadão na cidade de Campos dos Goytacazes. O Ministério Público Estadual (MPE) do Rio de Janeiro afirma que, em troca de votos, a prefeitura oferecia inscrições fraudulentas no programa, que fornece 200 reais por mês aos beneficiários.

A operação da PF foi iniciada em setembro de 2016, após a PF e o MPE verificarem que, em apenas dois meses, o número de inscritos no Cheque Cidadão aumentou de 12 mil para 30 mil. Durante as investigações, vários vereadores e beneficiários do esquema foram presos. Todos os indiciados já foram soltos.

Suledil Bernardio, ex-secretário de governo de Rosinha, também é um dos alvos da operação. Há ainda um mandado de prisão contra o presidente nacional do PR e ex-ministro dos Transportes Antônio Carlos Rodrigues. Ele teria intermediado o repasse do financiamento ilícito à campanha do ex-governador em 2014.

O Tribunal Superior Eleitoral (TSE) derrubou a prisão domiciliar de Garotinho em setembro. Ele havia sido preso no mesmo mês após ser condenado na primeira instância da Justiça Eleitoral a quase dez anos de prisão, além de ser multado em 210.825 reais. A sentença acabaria sendo reduzida para prisão domiciliar.

A assessoria de imprensa de Garotinho negou que ele e os demais acusados tivessem cometido qualquer irregularidade.

RC/abr/ots

----------------

A Deutsche Welle é a emissora internacional da Alemanha e produz jornalismo independente em 30 idiomas. Siga-nos no Facebook | Twitter | YouTube | WhatsApp | App

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Newsletter UOL

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos