Opinião: Sucessor não é diferente de Mugabe

Ludger Schadomsky (av)

Milhares saúdam na capital Harare o novo presidente zimbabuense, Emmerson Mnangagwa. Mas ele não é melhor do que seu antecessor, e está longe de significar mudança, opina o jornalista Ludger Schadomsky.No Zimbábue, os coloridos kitenges – vestimenta semelhante ao sarong, típica do Centro e Oeste da África – sempre refletem um pouco a paisagem política do país. Assim, nos últimos 37 anos, seus estampados geralmente traziam o retrato do presidente Robert Mugabe.

Depois de o idoso autocrata ter sido definitivamente varrido do cargo, porém, últimas semanas de novembro já se vê, aqui e ali, o rosto do novo homem forte em Hirare: o ex-vice-presidente Emmerson Mnangagwa, de 75 anos. No entanto, por mais sedutor que seja o simbolismo, o novo rosto do Zimbábue está longe de ser um emblema de liberação, e muito menos de reconciliação nacional.



Não é acaso o apelido de Mnangagwa ser "o Crocodilo". Fiel a Mugabe, ele sempre se encarregou do trabalho sujo para seu mestre; primeiro como seu guarda-costas, nos anos 70, depois como chefe do serviço secreto, e por último como brutal vice. O assassinato de milhares de oposicionistas e ativistas pesa nas costas da suposta nova esperança zimbabuense – da mesma forma que o massacre de fazendeiros brancos.

Não menos importante é o fato de Mnangagwa ser visto como o mandante da sangrenta repressão ao levante do grupo étnico dos ndebele contra Mugabe e seus seguidores shona, matando milhares na década de 80. É difícil imaginar que os ndebele, no empobrecido sul do país, venham a estender a mão conciliatória ao novo presidente.

Mnangagwa é considerado menos ideologicamente armado do que Mugabe, e otimistas esperam que, com ele, uma nova real-política adentre a State House, arrancando o Zimbábue do isolamento e reposicionando-o na comunidade internacional. O novo presidente acenou nessa direção após seu empossamento, na sexta-feira (24/11).

Até esse ponto, é preciso reconhecer que, nessa agitada época de revolução, Emmerson Mnangagwa seria o homem certo no lugar certo, pois conhece o funcionamento do sistema como nenhum outro. No entanto quando, por estes dias, se escutam os zimbabuenses bradarem "Chinja!" (mudança), eles não podem estar se referindo ao líder setuagenário, com um currículo na política e no serviço secreto tão intimamente ligado ao velho sistema de Mugabe.

O crocodilo é venerado como totem em algumas regiões africanas, em outras é temido. Da mesma forma, os zimbabuenses se veem divididos entre dois polos, nestas horas e dias. O que é certo é que, o mais tardar na eleição de 2018, o caçador de tocaia Mnangagwa deve abdicar, para dar lugar à verdadeira mudança.

----------------

A Deutsche Welle é a emissora internacional da Alemanha e produz jornalismo independente em 30 idiomas. Siga-nos no Facebook | Twitter | YouTube | WhatsApp | App

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Newsletter UOL

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos