HIV também ameaça crianças e adolescentes

Carlos Albuquerque

Em todo o mundo há 2,1 milhões de infectados nessa faixa etária, uma alta de 30% desde 2005. Portadores do HIV com menos de 4 anos correm maior risco de morte relacionada à aids.O Dia Mundial da Luta contra a Aids é lembrado mais uma vez nesta sexta-feira (1°/12), num momento em que, pela primeira vez, mais da metade das pessoas que vivem com o vírus HIV, causador da síndrome da imunodeficiência adquirida, têm acesso a tratamento, segundo dados do Programa Conjunto das Nações Unidas sobre HIV/Aids (Unaids, na sigla em inglês).

O dia foi criado em 1987 pela ONU com vista a alertar a humanidade para uma infecção que, hoje, já matou mais de 35 milhões de pessoas em todo o mundo – 1 milhão somente em 2016. Apesar da cifra elevada, o número de mortes relacionadas à aids caiu pela metade desde 2005.

Leia também:Expectativa de vida com HIV é quase normal, afirma estudo

Campanha visa zerar infecções com HIV na Alemanha até 2020

Segundo dados do Unaids, em 2016, por volta de 36,7 milhões de pessoas eram soropositivas, e dessas 17,8 milhões eram mulheres e 2,1 milhões eram crianças e adolescentes abaixo dos 15 anos.

De acordo com estimativas recentes do programa da ONU, o Brasil é o Estado mais populoso da América Latina e também o que concentra mais casos de novas infecções por HIV na região. O país responde por 49% das novas infecções, e o México, por 13%.

No ano passado, havia 830 mil soropositivos no Brasil. O Unaids estima que ocorreram 48 mil novas infecções no país e que o número de mortes somou 14 mil.

Acesso a tratamento para todos

Divulgado nesta quinta-feira, um relatório da Organização Pan-Americana de Saúde (Opas) e do Unaids apontou que, desde 2010, o número de novos casos do vírus HIV na América Latina e Caribe gira em torno de 120 mil por ano.

A Opas e o Unaids revelam que 64% dos novos casos de HIV na América Latina ocorrem em homens gays, profissionais do sexo e seus clientes, mulheres trans, pessoas que usam drogas injetáveis e nos parceiros dessas populações-chave. Outro fato que chama a atenção é o aumento de infecção entre jovens: um terço das novas infecções ocorre em pessoas de 15 a 24 anos.

Atualmente, quase 21 milhões de pessoas portadoras do HIV estão em tratamento, e o número de novas infecções e mortes relacionadas à aids está em declínio em vários países. No ano passado, o número de novos casos em todo o mundo somou 1,8 milhão.

Segundo dados da Unaids, os países do leste e sul da África, por exemplo, registraram uma diminuição de 29% no número de novas infecções em 2016. Na América Latina e no Caribe, essa redução foi de 5%. Na Europa Ocidental e Central, como também na América do Norte, a retração dos novos casos foi de 9% em relação ao ano de 2010.

Na Europa Oriental e na Ásia Central, no entanto, o número de novas infecções aumentou 60% desde 2010, e as mortes relacionadas à aids cresceram 27%. No ano passado, a Rússia ultrapassou a triste marca de mais de 100 mil novas infecções por HIV. Na Ucrânia, essa cifra somou 17 mil, segundo o Unaids.

Ambos os países respondem por 85% dos novos casos na região. Apesar de não haver declarações oficiais sobre os motivos, as causas desse aumento estariam na negligência das autoridades em relação à doença, afirmou a mídia europeia.

Ameaça para crianças e adolescentes

Em comunicado, o diretor-executivo do Unaids, Michael Sidibé, destacou a importância de garantir o acesso universal à saúde para enfrentar a doença. "Mesmo com todas as conquistas, a Aids ainda não acabou. Mas, se asseguramos que todas as pessoas, em todos os lugares, tenham acesso ao seu direito à saúde, a aids pode acabar", disse.

Desde 2005, no entanto, o número de crianças e adolescentes infectados por HIV aumentou 30%. Segundo o Unaids, no ano passado 160 mil crianças abaixo dos 15 anos foram infectadas e, nessa faixa etária, foram registradas 120 mil mortes.

De acordo com o Fundo das Nações Unidas para a Infância (Unicef), em todo o mundo, 18 crianças foram infectadas por HIV a cada hora, em média – um sinal do pouco progresso em proteger a juventude da infecção mortal, afirmou o Unicef nesta sexta-feira.

O fundo da ONU para a infância afirmou ainda que, nesse passo, haverá 3,5 milhões de novos casos de infecção entre adolescentes por volta de 2030. Comparado com outros grupos, as crianças abaixo dos 4 anos correm o maior risco de morte relacionada à aids, acrescentou o Unicef.

"É inaceitável que continuemos a ver tantas crianças morrendo de aids e tão pouco progresso sendo feito para proteger adolescentes de novas infecções", declarou a médica Chewe Luo, chefe da seção de HIV/Aids no Unicef.

Apelo pelas crianças

Em entrevista à DW, a pediatra Jennifer Neubert, do ambulatório de HIV no Hospital Universitário de Düsseldorf, disse que, sem profilaxia ou terapia, em muitos países de 15% a 40% das crianças de mães portadoras do vírus nascem infectadas. "Mas, se a mulher sabe que ela é positiva e recebe uma terapia eficaz, pode-se reduzir esse risco para menos de 1%. Se a mãe é bem tratada, praticamente não ocorrem novas infecções."

Segundo o Unicef, quase todas as mortes de adolescentes acontecem em países da África Subsaariana. Mundialmente, estão infectadas mais meninas do que meninos.

No Dia Mundial da Luta contra a Aids, o Unicef apelou por uma série de ações, incluindo tratar todas as crianças infectadas, priorizar uma intervenção em prol das meninas adolescentes na África Subsaariana e introduzir o autoteste de HIV e uma melhor coleta de dados.

----------------

A Deutsche Welle é a emissora internacional da Alemanha e produz jornalismo independente em 30 idiomas. Siga-nos no Facebook | Twitter | YouTube | WhatsApp | App

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Newsletter UOL

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos