EUA reconhecem Jerusalém como capital israelense

Em discurso na Casa Branca, Trump anuncia decisão de transferir embaixada americana em Israel de Tel Aviv para Jerusalém, ignorando os alertas de aliados estrangeiros de que medida pode minar processo de paz na região.O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, anunciou nesta quarta-feira (06/12) que decidiu transferir a embaixada americana em Israel de Tel Aviv para Jerusalém, um passo arriscado que pode pôr em risco uma futura solução de paz no Oriente Médio, segundo alertou a comunidade internacional.

A decisão tem um peso importante: com a mudança de endereço, Washington passa a reconhecer Jerusalém – cidade marcada por uma frágil coexistência entre israelenses e palestinos – como a capital de Israel, contrariando o posicionamento de seus aliados árabes e ocidentais.

Leia também: Perguntas e respostas sobre o status de Jerusalém

Trump anunciou a decisão em um discurso aguardado na Casa Branca, e ordenou que o Departamento de Estado americano dê início ao longo processo de transferência, fazendo com que os EUA passem a ser o único país em todo o mundo a reconhecer Jerusalém como sede do governo israelense.

Estima-se que pelo grande número de funcionários da embaixada – cerca de mil – e das dificuldades de se encontrar um lugar para a construção de uma nova sede, levando-se em conta as preocupações com segurança e logística, o processo de mudança deverá levar de três a quatro anos.

Uma lei americana de 1995 já estabelece a transferência da embaixada americana para Jerusalém, mas a medida nunca foi aplicada. Os presidentes Bill Clinton, George W. Bush, Barack Obama e o próprio Trump adiaram sua implementação a cada seis meses, alegando "interesses nacionais".

Em razão do longo tempo necessário para concretizar a transferência, é possível que o presidente americano assine a mesma ordem mais uma vez para prorrogar a aplicação dessa lei.

Mais cedo, antes de seu discurso, Trump afirmou que a decisão de reconhecer Jerusalém como capital israelense "deveria ter sido tomada há muito tempo". "Muitos presidentes disseram que queriam fazer algo, mas não o fizeram, talvez por falta de coragem ou porque mudaram de opinião", declarou o presidente a repórteres durante uma reunião com seu gabinete.

Cidade disputada

Jerusalém é tida como a capital do Estado judeu desde a antiguidade e é atualmente a sede do governo israelense, apesar de nunca ter sido reconhecida internacionalmente como capital.

Israel considera a Cidade Sagrada a sua capital "eterna e indivisível", enquanto os palestinos defendem que a porção leste de Jerusalém deve ser a capital de seu almejado Estado, sendo este um dos maiores desentendimentos entre as duas partes.

As Nações Unidas estabelecem que o status de Jerusalém deve ser definido em negociações entre israelenses e palestinos, razão pela qual os países com representação diplomática em Israel têm suas embaixadas em Tel Aviv e imediações.

A transferência da embaixada americana para a cidade disputada foi antecipada por Trump durante a campanha eleitoral e, nesta terça-feira, ele confirmou sua intenção ao presidente da Autoridades Nacional Palestina (ANP), Mahmoud Abbas, e ao rei da Jordânia, Abdullah 2º, por telefone.

A notícia logo provocou reações consternadas na comunidade internacional. Líderes de diversos países, bem como a União Europeia (UE) e a Liga Árabe, expressaram intensa preocupação de que a medida possa prejudicar a estabilidade da região.

Muitos acreditam que a medida poderá minar por completo o papel dos EUA como mediador da paz no Oriente Médio, além de insuflar as atuais crises em países como a Síria, Iraque, Iêmen e Catar.

Em telefonema com Trump, Abbas alertou o presidente americano para "consequências perigosas" de tal decisão para os esforços de paz no Oriente Médio, bem como para a segurança e estabilidade da região, segundo informou um porta-voz da ANP.

A Liga Árabe alertou que o reconhecimento de Jerusalém como capital é visto como uma "agressão clara à nação árabe, os direitos dos palestinos e de todos os muçulmanos e cristãos", e pode causar uma nova escalada de violência na região.

A União Europeia, por sua vez, destacou que "qualquer ação que possa prejudicar" os esforços para a criação de dois Estados para israelenses e palestinos "deve ser absolutamente evitada".

"Devemos encontrar um caminho por meio do diálogo para resolver a questão de Jerusalém como futura capital dos dois Estados, de forma que se possa fazer cumprir as aspirações de ambas as partes", disse a chefe da diplomacia da UE, Federica Mogherini.

Após o primeiro conflito árabe-israelense (1947-49), a Cisjordânia e Jerusalém Oriental ficaram sob o domínio da Jordânia, e a parte ocidental da cidade ficou sob o domínio de Israel.

Durante a Guerra dos Seis Dias, em 1967, os israelenses reconquistaram Jerusalém Oriental – que, na época, era praticamente toda habitada por palestinos –, uniram-na à parte ocidental da cidade, ocupada por judeus, em 1980 e declararam Jerusalém a capital indivisível de Israel.

EK/dw/ap/rtr/ots

_____________

A Deutsche Welle é a emissora internacional da Alemanha e produz jornalismo independente em 30 idiomas. Siga-nos no Facebook | Twitter | YouTube | WhatsApp | App

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Newsletter UOL

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos