Balança comercial fecha 2017 com superávit recorde

País exportou 67 bilhões de dólares a mais do que importou no ano passado. Esse é o melhor resultado do comércio exterior dos últimos 29 anos, quando teve início a série histórica.A balança comercial brasileira registrou em 2017 o superávit de 67 bilhões de dólares, segundo dados divulgados nesta terça-feira (02/01) pelo Ministério da Indústria, Comércio Exterior e Serviços (MDIC). Esse foi o melhor resultado desde o início da série histórica, em 1989.

Em 2017, as exportações tiveram uma alta de 18,5% em relação ao ano anterior pela média diária, somando 217,7 bilhões de dólares. Já as importações registraram um aumento de 10,5%, chegando a 150,7 bilhões de dólares.

"Em 2016, as exportações tinham caído 3,5% e as importações tinham caído 20%. No ano passado, houve uma diferença brutal, com crescimento das exportações e também das importações. Os economistas leem esses dados como sinal da recuperação da economia brasileira", disse o ministro da Indústria, Comércio Exterior e Serviços, Marcos Pereira.

Apesar do aumento, as exportações no ano passado não alcançaram o recorde registrado em 2011, quando as vendas externas totalizaram 256 bilhões de dólares.

O aumento das exportações em 2017 foi impulsionado pelas vendas de produtos básicos, que cresceram 28,7% no ano passado pelo critério da média diária, além de produtos semimanufaturados, que subiram 13,3%, e de produtos industrializados, com aumento de 9,4%.

O Brasil importou em 2017 mais combustíveis e lubrificantes, com um aumento de 42,8%, bens intermediário (11,2%) e bens de consumos (7,9%). As importações de bens de capital, como máquinas e equipamentos, caíram 11,4% em relação ao ano passado.

O resultado da balança comercial foi impulsionado, principalmente, pela recuperação dos preços internacionais dos bens primários e pela safra recorde. Em 2017, o preço médio das mercadorias exportadas subiu 10,1%, puxado pela valorização das commodities. Os destaques foram minério de ferro, com alta de preços de 40,9%, semimanufaturados de ferro e aço (34,3%) e petróleo bruto (32,2%).

Os maiores compradores do Brasil no ano passado foram a China (50,2 bilhões de dólares), seguida pelos Estados Unidos, (26,9 bilhões de dólares) e Argentina (17,6 bilhões de dólares). Os três países também foram respectivamente os maiores vendedores para o Brasil, seguidos pela Alemanha.

CN/abr/ots

----------------

A Deutsche Welle é a emissora internacional da Alemanha e produz jornalismo independente em 30 idiomas. Siga-nos no Facebook | Twitter | YouTube | WhatsApp | App

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Newsletter UOL

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos