"Estado Islâmico" sobrevive no Afeganistão

Alexandre Schossler

Na Síria e no Iraque, derrota do grupo jihadista já foi anunciada. Mas no Afeganistão ele resiste e parece até estar ampliando terreno, apesar do combate pelos Estados Unidos.Praticamente derrotado na Síria e no Iraque, o grupo terrorista "Estado Islâmico" (EI) segue firme e forte no Afeganistão, onde uma série de atentados ao longo dos últimos 18 meses deixou centenas de mortos.

Autoridades afegãs disseram à emissora Voice of America que o EI teria cerca de 3 mil combatentes estrangeiros no país, a maioria deles vindos do Paquistão e do Uzbequistão. A agência de notícias AP noticiou que seriam 10 mil. Seja qual for, o número pode aumentar à medida em que jihadistas deixarem a Síria e o Iraque.

O Estado Islâmico na Província de Khorasan (EI-K), como se autodenomina a versão local, apareceu na região em 2014, depois que tropas da Otan deixaram o Afeganistão.

Ele foi formado sobretudo por dissidentes do Talibã paquistanês e logo atraiu também antigos membros de outros grupos jihadistas, sobretudo do Paquistão e da Ásia Central. A rivalidade com o Talibã é uma marca registrada.

No início, o grupo era atuante sobretudo nas províncias orientais de Nagarhar e Kunar. Em meados de 2015, a ONU alertou que já estava presente em 25 das 34 províncias. Nas últimas semanas, a nortista Jawzjan virou foco de operações.

Em julho de 2016, o grupo chegou a Cabul. O primeiro ataque na capital afegã foi um dos mais mortais já executados na cidade. Duas explosões atingiram membros do grupo étnico xiita hazara, matando ao menos 85 pessoas e ferindo 400.

Desde então, o EI-K tem atacado, com frequência cada vez maior, forças de segurança e a comunidade xiita. O número de ataques executados ou reivindicados pelo grupo em 2017, em todo o Afeganistão, é de ao menos 15, com no mínimo 188 mortos.

Não está bem claro, porém, se todos esses atentados foram mesmo executados pelo "Estado Islâmico" ou se têm de fato alguma ligação com a liderança do grupo no Oriente Médio. Alguns podem ter sido executados por outros grupos terroristas e apenas reivindicados pelo EI-K.

A relação do EI-K com a liderança do "Estado Islâmico" no Iraque e na Síria nunca foi completamente esclarecida. Alguns analistas dizem que há contato entre os dois grupos. Outros dizem que células sem conexão aparente entre si apenas usam a mesma marca "Estado Islâmico".

Ainda segundo analistas, a ideologia jihadista encontra boa aceitação entre alguns jovens afegãos em Cabul, muitos deles pessoas que levam uma vida cotidiana normal. Eles moram com a família, trabalham e estudam durante o dia e, à noite, se encontram para debater a jihad e planejar atentados, explicou um especialista à agência de notícias AFP.

Os Estados Unidos têm reagido à presença do "Estado Islâmico" no Afeganistão. Em abril de 2017, militares americanos lançaram a chamada Mãe de Todas as Bombas sobre um complexo de túneis do grupo em Nangarhar, matando mais de 90 combatentes. Em julho, um ataque em Kunar matou boa parte da liderança local, incluindo o líder Abu Sayed.

A coluna Zeitgeist oferece informações de fundo com o objetivo de contextualizar temas da atualidade, permitindo ao leitor uma compreensão mais aprofundada das notícias que recebe no dia a dia.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

UOL Newsletter

Para começar e terminar o dia bem informado.

Quero Receber

UOL Cursos Online

Todos os cursos