"Cocoliztli": uma bactéria e um povo dizimado

José Ospina-Valencia (ca)

Embora mencionada nas crônicas espanholas e descrita por curandeiros indígenas, a causa da epidemia que matou milhões de astecas permaneceu um enigma por séculos. Agora, pesquisadores ajudam a recontar a história.Em meados do século 16, o México, então vice-reino da Nova Espanha, foi atingido por uma doença rara que matou entre 60% e 80% dos quatro milhões de astecas restantes. Na época, a maioria dos 30 milhões de membros da etnia já havia sucumbido a enfermidades exportadas pelos europeus.

Enquanto muitos indígenas acreditavam que os "novos" males eram provenientes de planetas ou cometas, não foram poucos os espanhóis que culparam os nativos pela doença, por seu suposto politeísmo ou, simplesmente, pela "falta de alma".

A epidemia se iniciou na Cidade do México e, a partir de 1545, começou a se espalhar para outras cidades, como Culhuacán e Tecamachalco, chegando ao estado de Sonora, no norte do México, e ao sul, cruzando a atual fronteira com a Guatemala.

"Entre 1545 e 1550, ocorreu um dos seis episódios mais fatais dessa febre hemorrágica que matou milhões de pessoas, não só no México, mas também na Guatemala", diz à DW Ashild Vagene, arqueóloga norueguesa especializada em genética e membro da equipe de pesquisadores do Instituto Max Planck para a História da Humanidade, com sede em Jena (Alemanha).

Uma epidemia letal que, por ser desconhecida, os nativos chamavam de "cocoliztli", "peste" na língua nahuatl. Um mal que se tornou um símbolo da morte em terras americanas. Embora mencionada nas crônicas espanholas e descrita por curandeiros indígenas, a causa desses surtos epidêmicos permaneceu um enigma por mais de quatro séculos.

Uma bactéria que ainda existe

Uma equipe internacional do Instituto Max Planck para a História da Humanidade, liderada por Alexander Herbig, chefe do Departamento de Bioinformática Biopatogênica, passou a investigar o enigma.

"Nós procuramos bactérias ou vírus que desempenharam um papel decisivo na história da humanidade e como esses agentes patogênicos mudaram ao longo da evolução", afirma Herbig à DW.

Mas qual foi esse mal estranho e devastador que matou milhões de indígenas? Foi levado pelos espanhóis? "Vamos por partes", observa Vagene. "Embora existam registros da história da doença e de suas consequências, até agora não havia sido possível estabelecer o agente patogênico". Para isso, a equipe do Instituto Max Planck escavou túmulos num antigo cemitério de Teposcolula-Yucundaa, no estado mexicano de Oaxaca.

"Em provas de DNA encontradas nos dentes dos restos humanos examinados, podemos identificar claramente que o que matou milhões de astecas entre 1545 e 1550 e que chamavam de 'cocoliztli' foi uma bactéria: a salmonella enterica", explica a arqueóloga norueguesa.

"A cepa de salmonella enterica encontrada nas vítimas examinadas no México é um dos quatro tipos mortais das mais de 2 mil conhecidas", aponta Herbig, observando que essa bactéria é dividida em sorotipos tifoides e não tifoides.

Sua transmissão ocorre através de refeições contaminadas ou por um simples aperto de mãos, que logo se levam à boca. É por isso que os médicos dizem que existem três maneiras de evitar: "Higiene, higiene e higiene". Mas a má nutrição e o entorno em que a doença se desenvolve são fatores decisivos.

Combinação de fatores

As mudanças radicais no modo de vida e a chegada de agentes biológicos para os quais os indígenas não tinham imunidade teriam sido outros dois fatores que pesaram contra os povos nativos.

"A varíola, o sarampo, a caxumba, o tifo, a coqueluche, a fome, a desnutrição, a escravidão, a exploração física e moral, o alcoolismo, entre outros males, aconteceram depois de 1521, rivalizando-se em seus estragos", dizem os autores Eisa Malvido e Carlos Viesca em seu livro A epidemia de cocoliztli de 1576, publicado em 1985.

Ainda não se pode dizer com certeza se foram os espanhóis que levaram a salmonella enterica para a América. "A verdade é que não encontramos a sua presença antes de 1545 no continente americano, enquanto há evidências achadas no corpo de uma mulher norueguesa que viveu por volta do ano 1200 na Europa", conclui Ashild Vagene.

Como apontaram Malvido e Viesca, embora alguns conquistadores também tenham sofrido com a "cocoliztli", eles apresentaram apenas sintomas leves. Fato é que, quando espanhóis e portugueses começaram a chegar, os indígenas começaram a morrer – em massa.

----------------

A Deutsche Welle é a emissora internacional da Alemanha e produz jornalismo independente em 30 idiomas. Siga-nos no Facebook | Twitter | YouTube | WhatsApp | App

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

UOL Newsletter

Para começar e terminar o dia bem informado.

Quero Receber

UOL Cursos Online

Todos os cursos