Topo

Opinião: Demissão de Tillerson isola ainda mais os EUA

Alexandra von Nahmen (as)

13/03/2018 16h03

Trump afasta secretário de quem divergia e coloca linha-dura no Departamento de Estado. Decisão afasta ainda mais seu governo dos europeus e demais aliados, afirma chefe da sucursal em Washington, Alexandra von Nahmen.Uma demissão pelo Twitter! A forma como o presidente dos Estados Unidos demitiu seu ministro do Exterioré um tapa na cara desse antigo empresário de ponta. Foi desrespeitoso e humilhante. Há meses que se especulava quando Rex Tillerson partiria. Que tenha sido justamente agora vai prejudicar os Estados Unidos.

Como diplomata, Tillerson era inexperiente e não tinha muitos amigos dentro do próprio Departamento de Estado, mas ele conquistou respeito internacional. Suas posições moderadas e suas declarações contrárias às do presidente – por exemplo sobre a Coreia do Norte ou o Irã – costumavam irritar Trump.

Volta e meia o presidente deixa entrever que, com um "gênio" como ele na Casa Branca, os Estados Unidos nem mesmo precisam de um governo. Só as posições dele é que contam. Megalomania e ingenuidade andam de mãos dadas com esse presidente!

Com Mike Pompeo, Trump coloca um linha-dura no Departamento de Estado, alguém que é visto como agente do presidente e sua política America First. Tillerson era contra abandonar o Acordo do Clima de Paris, já Pompeo nem mesmo acredita nas mudanças climáticas. Assim como Trump.

Tillerson argumentava que era do interesse dos Estados Unidos não renunciar completamente ao acordo nuclear com o Irã. Já Pompeo preferiria romper hoje mesmo com o esse "acordo desastroso", como ele diz. Assim como Trump.

E isso pode ocorrer em breve. Recentemente o presidente reclamou que as negociações para uma revisão do acordo não avançam. Ele disse que poderá usar o próximo deadline, em maio, para transformar suas ameaças em ações. As consequências seriam devastadoras para o Oriente Médio - e também para os Estados Unidos e a Europa.

Se isso ocorrer, como a comunidade internacional pretenderá frear o programa nuclear iraniano? E que argumentos poderão ser utilizados para levar o regime norte-coreano a negociações sérias? Com a possibilidade de um acordo que, mesmo se cumprido, poderá ser cancelado a bel prazer pelo presidente americano que estiver no cargo?

Trump e o ditador norte-coreano, Kim Jong-un, querem se encontrar já em maio. Justamente por isso teria sido aconselhável apostar em continuidade no Departamento de Estado. Tillerson foi, desde o início, uma voz sensata na crise coreana, uma voz que se pronunciou a favor da diplomacia e contra as ameaças de guerra de Trump.

Só que Trump não é um estrategista. Ele xinga e se enfurece quando se sente encurralado por questões de política interna. E gera danos na política externa. Sua agenda isola cada vez mais os Estados Unidos e faz com que europeus e outros aliados não vejam mais os americanos como parceiros confiáveis. A demissão de Tillerson só piora isso.

----------------

A Deutsche Welle é a emissora internacional da Alemanha e produz jornalismo independente em 30 idiomas. Siga-nos no Facebook | Twitter | YouTube | WhatsApp | App