PUBLICIDADE
Topo

França homenageia policial morto em ataque

28/03/2018 15h27

Centenas de pessoas participam de cerimônia em Paris em homenagem a Arnaud Beltrame, celebrado como herói após trocar de lugar com refém em Trèbes. "É um dos filhos que a França se orgulha de ter", diz Macron.A França prestou uma homenagem nesta quarta-feira (28/03) ao policial Arnaud Beltrame, que morreu após ter trocado de lugar com uma refém durante o ataque terrorista de sexta-feira passada em um supermercado em Trèbes, no sul do país. O oficial foi celebrado como herói na França.

O presidente francês, Emmanuel Macron, declarou durante a cerimônia que a atitude de Beltrame é símbolo do "espírito francês de resistência", visto naqueles que decidiram que valia a pena dar sua vida pela sobrevivência da liberdade e da fraternidade.

"Ele é um desses filhos que a França se orgulha de ter. O nome de seu agressor será esquecido, mas o nome de Arnaud Beltrame continuará vivo. Seu exemplo permanecerá nos corações franceses", disse o presidente, garantindo que fará de tudo para que o policial "não tenha morrido em vão".

Macron falou a centenas de pessoas que acompanharam a cerimônia no Palácio dos Inválidos, um museu de guerra no centro de Paris. Além da viúva, Marielle, e outros familiares de Beltrame e das vítimas do ataque, estiveram presentes vários membros do governo francês e representantes políticos e militares, além dos ex-presidentes François Hollande e Nicolas Sarkozy.

O corpo de Beltrame, em um caixão de madeira coberto com a bandeira da França, foi levado ao Palácio dos Inválidos em um cortejo fúnebre que partiu do Panteão de Paris. Milhares de pessoas foram às ruas da capital francesa para acompanhar a passagem do cortejo.

Antes disso, às 10h (horário local), vários órgãos e instituições do governo francês, incluindo o Palácio do Eliseu, sede da presidência, e o Ministério do Interior, fizeram um minuto de silêncio em homenagem ao policial morto.

Beltrame, de 44 anos, era membro da Gendarmarie, a força policial militar francesa, e morreu no sábado passado, após ser esfaqueado na garganta ao fim de quatro horas de impasse num supermercado em Trèbes, onde o marroquino Redouane L. havia se entrincheirado depois de ter matado três pessoas.

O policial se voluntariou para tomar o lugar de uma funcionária que o agressor usava como escudo humano dentro do estabelecimento. Beltrame disse ter esperança de conseguir negociar com o sequestrador, mas acabou ferido e morreu no hospital na manhã seguinte. Redouane L. foi morto por policiais ao fim do impasse.

Ao comparar as mortes do policial e de seu assassino, Macron afirmou que o marroquino teve "uma morte covarde obtida pelo assassinato de inocentes". Após o maior atentado na França desde que chegou ao poder, em maio passado, o presidente pediu maior vigilância contra extremistas islâmicos.

"Não estamos lutando apenas contra grupos terroristas, contra exércitos do 'Estado Islâmico' e contra imãs que pregam o ódio e a morte", afirmou Macron. Segundo ele, a França também enfrenta uma forma de "islamismo clandestino" que "corrompe todos os dias" – "um inimigo insidioso que exige vigilância renovada e consciência cívica de todos os cidadãos."

O ataque

O ataque começou na manhã da sexta-feira passada na cidade medieval de Carcassonne, quando o atirador roubou um carro e executou o motorista com um tiro na cabeça. Ali, ele também abriu fogo contra um grupo de policiais que jogavam futebol, deixando vários feridos, e depois dirigiu para Trèbes, onde se escondeu no supermercado e fez reféns.

O cerco policial, iniciado por volta das 11h da manhã, só terminou às 15h da tarde, com a decisão de invadir o local. O sequestrador foi abatido pela polícia. No total, 15 pessoas ficaram feridas no ataque, uma em estado grave. Dois morreram dentro do supermercado, sendo um funcionário e um cliente.

Nascido no Marrocos, Redouane L. era conhecido das autoridades como um pequeno criminoso, mas estava sob vigilância dos serviços de segurança em 2016 e 2017 por supostas conexões com o movimento salafista radical.

No supermercado, o atirador teria gritado em árabe "Deus é grande" e dito ser um soldado do "Estado Islâmico" (EI). Ele também teria pedido a libertação de Salah Abdeslam, único terrorista sobrevivente dos ataques terroristas de novembro de 2015 em Paris.

O EI assumiu a autoria o ataque. Desde 2015, mais de 240 pessoas foram mortas na França em atentados perpetrados por radicais ligados ao grupo terrorista ou inspirados por ele.

EK/afp/ap/dpa/efe

_______________

A Deutsche Welle é a emissora internacional da Alemanha e produz jornalismo independente em 30 idiomas. Siga-nos no Facebook | Twitter | YouTube | WhatsApp | App