Rússia diz que caso Skripal é vantajoso para o Reino Unido

Ministro russo do Exterior sugere que Londres pode ter ordenado o envenenamento de ex-espião russo para desviar a atenção dos problemas em torno do Brexit. Lavrov acusa Ocidente de "mentir abertamente" sobre o caso.O ministro russo do Exterior, Sergei Lavrov, sugeriu nesta segunda-feira (02/04) que o governo britânico pode ter ordenado o envenenamento do ex-espião russo Sergei Skripal para desviar a atenção da opinião pública sobre a iminente saída do Reino Unido da União Europeia.

Em coletiva de imprensa em Moscou, Lavrov declarou que o ataque a Skripal na Inglaterra poderia ser interessante para o governo em Londres, que "se encontra em situação desconfortável pela incapacidade de cumprir as promessas feitas aos eleitores sobre as condições do Brexit".

Leia também: Opinião: A catástrofe diplomática de Vladimir Putin

O ministro ainda afirmou que o envenenamento também seria "de interesse dos serviços especiais britânicos, que são conhecidos pela capacidade de agir com permissão para matar".

Segundo ele, a Rússia não tinha nenhum motivo – às vésperas das eleições presidenciais de 18 de março e a poucos meses da Copa do Mundo de futebol – para atacar o ex-espião russo, que foi condenado na Rússia por traição, mas foi incluído em 2010 em uma troca de prisioneiros.

Lavrov acusou o Reino Unido, os Estados Unidos e outros países que "os seguem cegamente" de terem "perdido toda a decência", de "mentirem abertamente" sobre o caso Skripal e de estarem fazendo "jogos infantis". Londres e alguns aliados acusam diretamente o governo russo de responsabilidade pelo ataque.

"A Rússia não tem nada a ver com o envenenamento e estamos muito interessados – acredito que mais do que qualquer outro país – em que a verdade seja estabelecida", disse o chanceler.

O ministro também criticou a decisão de vários países ocidentais de expulsar diplomatas russos em represália ao ataque contra Skripal. Segundo ele, trata-se de uma "vingança" contra os funcionários do país "num momento em que ainda não há provas" do envolvimento de Moscou.

Crise diplomática

A crise em torno do envenenamento do ex-espião russo e de sua filha Yulia, em 4 de março passado, já acarretou a expulsão de centenas de diplomatas em todo o mundo.

Na semana passada, os EUA ordenaram a retirada de 60 funcionários russos e o fechamento do consulado do país em Seattle, em resposta ao ataque. A atitude foi seguida por mais de 20 países, entre muitos europeus, que desde então já expulsaram mais de 150 diplomatas russos. A Organização do Tratado do Atlântico Norte (Otan) também expulsou representantes do país.

Dias depois, Moscou decidiu expulsar o mesmo número de diplomatas americanos, bem como fechar o consulado dos EUA em São Petersburgo, em resposta às medidas de Washington. Mais tarde, endureceu as sanções diplomáticas anunciadas anteriormente contra o Reino Unido e ordenou a expulsão de mais de 50 funcionários da embaixada britânica em Moscou.

Skripal, de 66 anos, e sua filha Yulia, de 33, permanecem internados desde que foram encontrados inconscientes, em 4 de março passado, num banco próximo a um parque na cidade de Salisbury, localizada a 120 quilômetros de Londres.

Na quinta-feira passada, os médicos comunicaram que Yulia "tem respondido bem ao tratamento" e seu estado de saúde deixou de ser crítico. A situação do pai segue crítica, mas estável.

Investigação sobre o agente nervoso

Especialistas britânicos que trabalham no caso identificaram o agente nervoso que os envenenou como pertencente a um grupo de substâncias tóxicas conhecido como Novichok, fabricado pela União Soviética nos anos 1970 e 1980 – Londres baseia nisso suas acusações.

Desde então, a Organização para a Proibição de Armas Químicas (Opaq) já recebeu e analisou duas amostras da substância enviadas pelo Reino Unido, informou o representante russo no órgão, Alexander Shulgin. O resultado da investigação deve ser divulgado nas próximas semanas.

Nesta segunda-feira, Shulgin alertou que a Rússia só aceitará a conclusão do inquérito se o trabalho de pesquisa contar com a participação de especialistas do país – o que ele denuncia não estar acontecendo. Quando o Kremlin pediu à Opaq acesso ao teste realizado no Reino Unido, a organização respondeu que precisa de aprovação do governo britânico.

"Tendo em vista a postura do Reino Unido de rejeitar qualquer cooperação conosco, não podemos esperar uma resposta positiva", disse Shulgin. "Defendemos uma investigação multilateral, aberta e imparcial, que conte com nossos especialistas."

EK/afp/ap/rtr/efe/lusa

_________________

A Deutsche Welle é a emissora internacional da Alemanha e produz jornalismo independente em 30 idiomas. Siga-nos no Facebook | Twitter | YouTube | WhatsApp | App

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Newsletter UOL

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos