Facebook admite vazamento de dados de 87 milhões de usuários

Número é maior dos que os 50 milhões divulgados inicialmente. Dados foram acessados por consultoria britânica Cambridge Analytica e teriam sido usados para eleger Trump.O Facebook admitiu nesta quarta-feira (04/04) que dados de 87 milhões de usuários da rede social foram acessados indevidamente pela consultoria britânica Cambridge Analytica. O número é muito maior do que os 50 milhões divulgados inicialmente.

"No total, acreditamos que informações de até 87 milhões de pessoas, a maioria dos Estados Unidos, podem ter sido compartilhadas inapropriadamente com a Cambridge Analytica", afirmou o diretor de tecnologia do Facebook, Mike Schroepfer.

Leia também: Exclua sua conta do Facebook

O diretor afirmou que o Facebook informará, a partir de 9 de abril, os usuários cujos dados tenham sido compartilhados com a Cambridge Analytica. Schroepfer detalhou ainda mudanças que a rede social adotará para restringir as informações acessadas por aplicativos na rede social. Os planos foram antecipados há duas semanas pelo fundador da empresa, Mark Zuckerberg.

O "feed de notícias" da rede social ganhará um link para mostrar os aplicativos que estão sendo utilizados e que tipo de informação eles têm acesso. Schroepfer afirmou que a plataforma restringirá os dados que podem ser acessados por aplicativos. As mudanças também afetarão o Instagram, comprado pelo Facebook em 2012.

A rede social desativou ainda a opção de buscar um usuário a partir do número de telefone ou do e-mail, um recurso utilizado de forma abusiva por "atores maliciosos", segundo a empresa. Os registros de ligações e textos do Facebook Messenger e do Lite também serão apagados se superarem um ano.

Informações divulgadas pelas imprensas americana e britânica em março revelaram que a Cambridge Analytica tinha acessado dados de 50 milhões de usuários do Facebook no desenvolvimento de técnicas para beneficiar a campanha eleitoral do presidente Donald Trump em 2016.

O escândalo transformou o Facebook em alvo de investigações de autoridades reguladoras e promotores públicos dos Estados Unidos. Políticos da Europa e dos EUA convocaram ainda Zuckerberg a se explicar.

Esclarecimentos ao Congresso americano

Dias depois, Zuckerberg admitiu que erros foram cometidos, anunciando uma revisão das práticas de proteção dos dados dos usuários e medidas para evitar que a situação se repita no futuro. O criador da rede social irá ao Congresso dos Estados Unidos no próximo dia 11 de abril para responder às perguntas dos legisladores sobre o uso e proteção dos dados dos usuários do Facebook.

Ele responderá às perguntas dos membros do Comitê de Energia e Comércio da Câmara dos Representantes sobre o "uso e a proteção dos dados dos usuários da companhia", indicou o comitê em comunicado.

Neste momento, a rede social enfrenta pelo menos quatro processos coletivos de usuários e acionistas nos Estados Unidos por causa do vazamento de dados, bem como uma investigação da Comissão Federal de Comércio que pode render multas milionárias.

CN/efe/lusa

----------------

A Deutsche Welle é a emissora internacional da Alemanha e produz jornalismo independente em 30 idiomas. Siga-nos no Facebook | Twitter | YouTube | WhatsApp | App

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Newsletter UOL

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos