EUA impõem novas sanções á Rússia

Departamento do Tesouro americano retalia sete oligarcas e 17 altos funcionários russos por envolvimento "em ações perversas no mundo todo$escape.getQuote().O governo dos Estados Unidos impôs nesta sexta-feira (06/04) novas sanções econômicas à Rússia, tendo com alvo sete oligarcas e 17 altos funcionários russos, entre eles um genro do presidente Vladimir Putin. A justificativa é a participação "em ações perversas no mundo todo", incluindo a "tentativa de minar as democracias ocidentais".

"Os oligarcas e as elites russas que se aproveitam deste sistema corrupto já não estão mais livres das consequências das atividades desestabilizadoras de seu governo", afirmou o secretário do Tesouro dos Estados Unidos, Steven Mnuchin, em comunicado.

"O governo russo está envolvido em ações perversas no mundo todo, incluindo a contínua ocupação da Crimeia e a instigação de violência no leste da Ucrânia", ressaltou Mnuchin.

Leia também: ??????A conflituosa política externa da Rússia

O secretário afirmou que Moscou fornece "ao regime sírio de Bashar al-Assad material e armas para bombardear seus próprios civis", além de tentar "minar as democracias ocidentais" e estar por trás de "atividades cibernéticas maléficas".

Entre os sancionados estão um suposto genro de Putin, Kirill Shamalov, um dos principais acionistas da empresa energética Sibur. Ele é casado com Katerina Tikhonova, que jamais foi reconhecida pelo presidente ou pelo Kremlin como sendo de fato sua filha.

Também consta na lista o multimilionário Oleg Deripaska, fundador da empresa elétrica En+ Group, além de outras empresas controladas por oligarcas russos.

Entre os altos funcionários do governo russo incluídos nas sanções estão o secretário do Conselho de Segurança da Rússia, Nikolai Patrushev, e o presidente adjunto do Banco Central da Rússia, Alexander Torshin.

O Departamento do Tesouro americano informou que desde o início do governo do presidente Donald Trump, 189 pessoas e entidades relacionais à Rússia foram punidas com sanções.

Trump evita fazer críticas diretas à Putin, e chegou até a convidar o líder russo para visitar o país. Seu governo, porém, adotou uma série de medidas econômicas e diplomáticas para aumentar a pressão sobre Moscou. "Ninguém foi mais duro com a Rússia do que eu", afirmou Trump à imprensa no início da semana.

No mês passado, os EUA puniram com sanções 19 indivíduos e cinco entidades russas. O governo americano expulsou dezenas de diplomatas e fechou dois consulados russos em apoio a medidas semelhantes adotadas pelo Reino Unido, após o envenenamento com o agente químico Novichok do ex-espião russo Sergei Skripal na cidade britânica de Salisbury, atribuído á Rússia.

RC/ap/efe

----------------

A Deutsche Welle é a emissora internacional da Alemanha e produz jornalismo independente em 30 idiomas. Siga-nos no Facebook | Twitter | YouTube | WhatsApp | App

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Newsletter UOL

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos