PUBLICIDADE
Topo

Opinião: Liberdade de imprensa deve ser defendida com determinação

Peter Limbourg

03/05/2018 03h51

O diretor-geral da DW, Peter Limbourg, reafirma compromisso da emissora internacional alemã com esse direito fundamental e lembra que a liberdade de imprensa exige o engajamento diário de todos.O 3 de maio é o Dia da Liberdade de Imprensa. Que bom que há este dia. Assim, pelo menos uma vez ao ano, celebra-se solenemente esse direito humano. Mas a liberdade de imprensa é um tema perfeito para declarações da boca para fora. Nos demais 364 dias, o mundo se ocupa bem menos do tema. A seguir, apenas alguns exemplos.

Políticos democráticos da Europa se atropelam na tentativa de cortejar a China. O fato de a liberdade de imprensa não existir nesse país e de as ofertas da Deutsche Welle e de outras emissoras internacionais serem totalmente bloqueadas merece pouco mais do que uma nota de pé de página.

Também os representantes do setor econômico pensam, quando o assunto é China, mais em bons negócios do que em direitos humanos. Desse modo, entregam-se à arbitrariedade e sede de poder de Pequim. Pois ninguém vai protestar no país quando investidores são tutelados. Na mídia chinesa não se vão encontrar críticas a respeito.



Um número espantosamente alto de políticos alemães e de outros países europeus apela para que se compreenda corretamente o presidente russo, Vladimir Putin, para que finalmente se levem a sério seus temores perante a Otan e a União Europeia. Os medos dos jornalistas na Rússia, em contrapartida, só atrapalham e são ignorados: seu medo de intimidação, de lesões corporais e até mesmo de assassinato. Ainda bem que o novo ministro alemão do Interior, Heiko Maas, tem uma posição diferente.

Também o Irã bloqueia as ofertas da DW e de outras emissoras internacionais e intimida sistematicamente seus colaboradores. Praticamente ninguém fala mais dos 23 jornalistas aprisionados nos cárceres de tortura das Guarda Revolucionária. E, no entanto, há políticos que sonham com uma aproximação – com um regime que quer aniquilar Israel, desestabilizar o Oriente Médio inteiro e exporta terrorismo.

O príncipe herdeiro da Arábia Saudita, Mohammed bin Salman, é louvado por deixar as mulheres dirigirem automóveis e por inaugurar cinemas. Ao mesmo tempo, porém, o blogueiro Raif Badawi continua confinado numa prisão saudita só por ter praticado o direito fundamental à liberdade de opinião.

Autocratas africanos exigem – e obtêm – mais ajuda humanitária, mas silenciam e sufocam os jornalistas jovens e dinâmicos que tentam praticar seu ofício de maneira honesta, sobretudo nas emissoras privadas.

Em Bangladesh e no Paquistão, blogueiros arriscam a própria vida ao noticiar sobre o crescente fundamentalismo islâmico em seu país. Apesar dos esforços de diversos diplomatas, apoio do exterior é, antes, artigo raro.

Em 2018 o México é país-parceiro da Feira de Hannover. No entanto em nenhuma outra nação o jornalismo é tão perigoso como lá, pois o governo não consegue controlar os cartéis do narcotráfico. Em 2017 foram mortos no México 11 jornalistas – só na Síria o balanço é mais trágico. Seria o caso de os Estados ocidentais assumirem a própria responsabilidade, uma vez que a maioria dos consumidores vive neles.

A lista poderia se estender indefinidamente. Logo chegaria também a vez da Turquia, parceira da Otan, e dos membros da União Europeia Polônia e Hungria.

É uma triste lista. Ela exige mais do que declarações da boca para fora em datas comemorativas.

Deveríamos julgar nossos governos e nossos políticos também por aquilo que fazem efetivamente para protestar contra os escandalosos atentados à liberdade de imprensa.

Eles mostram aos ditadores, de forma clara e inequívoca, quais são os nossos valores? Estão prontos a renunciar a negócios, quando esses valores são violados de forma gritante? Eles subordinam a disposição de conceder ajuda para o desenvolvimento à situação dos direitos humanos e da liberdade de imprensa nos países receptores?

Por todo o mundo, a democracia está ameaçada por ditadores, autocratas e populistas. Ela só sobreviverá se os democratas batalharem em prol dela com determinação.

Hoje, 3 de maio, a Deutsche Welle faz aniversário: há 65 anos informamos gente do mundo inteiro, de forma livre e independente. Vamos continuar nos empenhando pela liberdade de imprensa. Vamos mostrar as coisas como elas são. Esse é o nosso compromisso.

______________

A Deutsche Welle é a emissora internacional da Alemanha e produz jornalismo independente em 30 idiomas. Siga-nos no Facebook | Twitter | YouTube | WhatsApp | App | Instagram