Roteiro de três dias em Stuttgart

Carlos Albuquerque

Embora seja mais conhecida por seu potencial econômico que por suas atrações turísticas, cidade da região da Suábia é rica em museus, prédios históricos e fontes com água mineral. Confira nossas sugestões de passeios.O que começou como uma estrebaria no século 10 é hoje um dos maiores centros econômicos da Alemanha e da Europa. O nome Stuttgart remonta a Stutengarten (literalmente jardim das éguas). Além de abrigar a sede mundial de empresas como Damiler, Porsche e Bosch, a capital do estado de Baden-Württemberg é um centro artístico e cultural.

Seu famoso Staatstheater oferece espetáculos de ópera, balé e teatro. A cidade também possui importantes museus e monumentos históricos, como o Neues Schloss e Altes Schloss (Palácio Novo e Palácio Velho), o museu Staatsgalerie, sem falar do Museu da Mercedes-Benz, o mais visitado da cidade, e o Museu da Porsche.

Leia também:

Dicas de turismo em Stuttgart

Pitadas: Maultaschen, a massa recheada da Alemanha

Sua paisagem natural é marcada por colinas que proporcionam uma vista espetacular sobre a região dos Alpes e da Floresta Negra. E uma visita à arquitetura única do Jardim Zoológico Wilhelma agrada tanto a crianças quanto a adultos. Confira nossas dicas para três dias de passeios na cidade da região da Suábia.

1° Dia: Passeio pelo centro

Reserve o primeiro dia em Stuttgart para conhecer o centro da cidade. Comece o passeio na Estação Central (Hauptbahnhof). Esse prédio modernista coroado pela estrela da Mercedes ganhou fama na Alemanha devido ao controverso projeto de ampliação Stuttgart 21. A estação terminal está sendo transformada em estação de passagem por meio de uma ampliação subterrânea.

Por meio de uma escada rolante, você vai chegar à rua Königstrasse (Rua do Rei), uma das mais longas zonas de pedestres da Europa. Ladeada por prédios históricos e bons exemplos da arquitetura contemporânea, ela leva à praça Schlossplatz (Praça do Palácio), o coração de Stuttgart.

De um lado, você vai ver o Neues Schloss (Palácio Novo), construído na segunda metade do século 18 como residência dos duques e reis de Württemberg e atualmente utilizado pela administração do estado de Baden-Württemberg. Do outro lado da praça, o Königsbau, com suas colunas gregas, foi erguido no século 19 como espaço de negócios, o que continua a ser até hoje.

No centro da Schlossplatz está a Coluna do Jubileu (Jubiläumssäule) com a estátua de Concórdia, a deusa da união na mitologia grega, ladeada por duas fontes. Você vai observar que fontes são o que não falta nas praças de Stuttgart, pois a cidade possui enormes mananciais de água mineral, ou seja, geralmente a água dessas fontes é potável.

Por trás do Neues Schloss, encontram-se os jardins do palácio com o lago Eckensee e o Staatstheater Stuttgart (Teatro de Stuttgart) com o edifício da ópera (Operhaus), um dos poucos prédios representativos da cidade que não foram destruídos na Segunda Guerra. E, seguindo no jardim na direção da Estação Central, o Carl-Zeiss-Planetarium nas proximidades da ópera é uma boa pedida para quem gosta de astronomia.

Voltando à Schlossplatz, o cubo de vidro de 27 metros de altura vizinho ao Königsbau é o Kunstmuseum Stuttgart (Museu de Arte de Stuttgart), que abriga a coleção de arte municipal com obras modernistas e contemporâneas. Na cobertura do museu há um restaurante onde você pode fazer uma pausa e ter uma vista única sobre o centro da cidade.



Pela Königsstrasse siga então para a praça Schillerplatz, logo ali ao lado. Ladeada por prédios históricos, é uma das praças mais pitorescas da cidade, ali se encontram o Altes Schloss (Palácio Velho), a igreja Stiftskirche e, no centro, vê-se a estátua do poeta alemão Friedrich Schiller.

O Palácio Velho abriga hoje o museu estadual Landesmuseum Württemberg, cujo acervo ilustra a história do reino de Württemberg até o século 19. O prédio foi construído no século 10 como uma fortificação para proteger o haras (Stutengarten) que deu nome à cidade. Ele foi ampliado como residência real no século 16, o que se pode ver na arcada do pátio, um dos exemplos mais belos de arquitetura renascentista na Alemanha. No século 18, o Palácio Novo foi construído segundo os moldes de Versalhes, já que o Altes Schloss não correspondia mais às exigências da época,

Com suas duas torres irregulares, a igreja Stiftskirche é a maior e mais antiga da cidade. Ampliada e reconstruída várias vezes desde o século 10, ela já é igreja protestante desde 1534.

O seu passeio continua na Marktplat (Praça do Mercado), onde se encontra a prefeitura da cidade. Todas as terças, quintas e sábados de manhã, é realizada ali uma feira de produtos locais. A praça também abriga o Mercado de Natal e o tradicional festival do vinho Weindorf, que dura 12 dias a partir da última quarta-feira de agosto. A poucos metros dali, termine o seu dia no mercado público Markthalle. Além de impressionar por sua arquitetura típica do início do século 20, nele se podem comprar produtos locais e de todo o mundo.

2° Dia: Stuttgart, cidade dos museus

Além de sede de grandes empresas, Stuttgart escreve Cultura com C maiúsculo. Assim sendo, reserve o seu segundo dia para visitar museus que você só vai encontrar na capital de Baden-Württemberg. Mas talvez seu tempo seja curto e você tenha que optar entre uma ou outra atração. Algumas opções são a Staatsgalerie, o Museu da Mercedes-Benz e o Museu da Porsche – também pela arquitetura deles.

No centro da cidade, o acervo da Staatsgalerie abrange sete séculos de produção artística. O museu é dividido em Alte e Neue Staatsgalerie (Velha e Nova Galeria Estatal). Inaugurado em 1984, o prédio da Neue Staatsgalerie, assinado pelo arquiteto britânico James Stirling, se transformou num ícone da arquitetura pós-moderna. Ali estão obras dos velhos mestres, enquanto a Alte Staatsgalerie abriga coleções do século 20 e 21.

Descendo pela Urbanstrasse, você chega à Casa da História (Haus der Geschichte Baden-Württenberg), cujo acervo abrange a formação do estado de Baden-Württenberg desde o século 19 até nossos dias, e o recém-inaugurado StadtPalais Museum für Stuttgart (Museu da Cidade de Stuttgart).

Inaugurado em 2006, o Museu da Mercedes-Benz é, de longe, o mais frequentado de Stuttgart. Nove milhões de pessoas já visitaram o prédio localizado junto à fábrica da montadora no bairro de Untertürkheim. Ali, o visitante é conduzido por um elevador até o nono andar e começa um passeio, de cima para baixo, pela história dos automóveis através de rampas que formam uma hélice dupla que lembra o DNA humano.

Localizado junto aos demais prédios da montadora no bairro de Zuffenhausen, o Museu da Porsche é um prédio incomum que repousa sobre um pavimento livre e parece levitar sobre o solo como um corpo monolítico. Nele, o visitante também é conduzido através de rampas pela história da exclusiva marca de Stuttgart.

3° Dia: Opções de passeio

Aproveite a manhã de seu terceiro dia para visitar, a 12 quilômetros de Stuttgart, o Residenzschloss Ludwigsburg (Palácio de Ludwigsburg), um dos maiores palácios barrocos da Alemanha é uma boa opção para quem quer fazer um passeio tranquilo fora da cidade.

Construído no início do século 18 pelo duque de Württemberg, ele apresenta elementos do barroco, do rococó e do classicismo, distribuídos em centenas de aposentos. Mais tarde, ele se tornou residência de verão do primeiro rei de Württemberg. Além de visitas guiadas pelos aposentos, o visitante pode conhecer o teatro do palácio com a maquinaria de cena original de 1758, um museu da moda, um museu da cerâmica e a capela.

A 13 quilômetros dali se encontra o Schloss Solitude (Palácio da Solidão), ligado ao Palácio de Ludwigsburg pela Solitude Allee (Avenida da Solidão). Esse palácio foi construído pelo duque Carl Eugen de Württenberg como Lustschloss (palácio de recreio), para ficar longe "do barulho e das decepções do mundo". É bom lembrar que o Museu da Porsche se localiza entre esses dois palácios.

Aproveite a tarde para visitar outra opção de passeio, e elas são muitas. Para quem viaja com crianças, uma visita ao Zoo Wilhelma e Jardim Botânico é uma boa pedida, por sua mescla única de flora, fauna e arquitetura. Ele foi construído em meados do século 19 no estilo mourisco, o que lhe garante o nome de "Alhambra no Neckar", em alusão à Alhambra de Granada e ao rio que banha Stuttgart.

Para os amantes da arquitetura, Stuttgart abriga o conjunto habitacional Weissenhofsiedlung, um dos principais exemplos da arquitetura da Bauhaus. Nessa mostra de arquitetura de 1927, renomados arquitetos de diversos países desenvolveram 21 prédios, como exemplo de morada para o homem moderno. O conjunto habitacional foi restaurado nos anos de 1980 e recebe, anualmente, milhares de turistas.

Outra ótima pedida é uma visita à torre de televisão Fernsehturm. Inaugurada em 1956, ela foi uma das primeiras do mundo e se tornou símbolo da capital de Baden-Württemberg. A plataforma de observação a 150 metros de altura permite uma vista incrível sobre a cidade, os Alpes e a Floresta Negra.

No norte da cidade, o parque Höhenpark Killesberg é um oásis verde com cafés, jardins, zoológico, piscina, trenzinho e a torre de observação Killesbergturm, que proporciona uma vista fantástica sobre Stuttgart e arredores. Talvez você tenha que escolher entre uma ou outra opção, já que seu tempo pode ser curto.

----------------

A Deutsche Welle é a emissora internacional da Alemanha e produz jornalismo independente em 30 idiomas. Siga-nos no Facebook | Twitter | YouTube | WhatsApp | App | Instagram

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

UOL Newsletter

Para começar e terminar o dia bem informado.

Quero Receber

UOL Cursos Online

Todos os cursos