Steinmeier condena relativização do nazismo

Segundo presidente alemão, "minimizar e relativizar" crimes é "um insulto". No sábado, dirigente do partido populista AfD disse que o nazismo não passa de um "cocô de pássaro" na longa história do país.O presidente da Alemanha, Frank-Walter Steinmeier, condenou neste domingo (03/06) qualquer relativização do nazismo. Fou uma resposta às declarações do líder do aprtido Alternativa para a Alemanha (AfD), Alexander Gauland, que afirmou no sábado que o regime de Adolf Hitler não passa de um "cocô de pássaro" no contexto da longa história do país.

"Negar, minimizar ou relativizar essa ruptura sem precedentes com a civilização não é só um insulto a milhões de vítimas, mas busca conscientemente reabrir feridas e semear de novo o ódio", disse Steinmeier durante um ato em memória aos homossexuais vítimas do nazismo.

As declarações de Gauland, proferidas durante o congresso da juventude do partido populista de direita AfD, foi amplamente condenada por diversos políticos ao longo do fim de semana.

"Hitler e os nacional-socialistas não foram mais do que um cocô de pássaro em mil anos de uma história alemã de sucesso", afirmou na ocasião o político, que também lidera a bancada do AfD no Bundestag (Parlamento alemão).

Repercussão

"Reconhecemos a nossa responsabilidade por esses 12 anos", disse ele, em referência à duração da ditadura nazista, "mas nós temos uma história gloriosa, e ela, meus amigos, é bem mais longa que esses malditos 12 anos".

As críticas vieram de partidos da aliança de governo, como a União Democrata-Cristã (CDU), da chanceler federal Angela Merkel, e do Partido Social-Democrata (SPD), e de legendas da oposição.

"Cinquenta milhões de mortos, Holocausto e guerra total são para a AfD de Gauland apenas um cocô de pássaro", criticou Annegret Kramp-Karrenbauer, secretária-geral da (CDU).

"Pessoas como essa não deveriam estar no parlamento", indicou o vice-presidente do SPD, Ralf Stegner.

Já o deputado do Partido Liberal Democrático (FDP, na sigla em alemão) Marco Bushmann disse à cadeia de jornais do grupo Funke que "qualquer político que deliberadamente tenta minimizar a ditadura nazista e o Holocausto dá uma indicação de quão sinistra é sua visão para a Alemanha".

Polêmicas

Esta não foi a primeira vez que Gauland, um político de 77 anos que já foi filiado à CDU e que passou para a AfD, fez comentários controversos que causaram indignação no meio político. Em setembro, durante a campanha eleitoral, ele disse que os alemães deveriam ter orgulho dos soldados que lutaram nas duas guerras mundiais.

"Se os franceses, e com razão, têm orgulho de seus imperadores, e os britânicos, do (almirante) Nelson e Churchill, então nós temos o direito de ter orgulho do desempenho de nossos soldados nas duas guerras mundiais", disse.

Em 2016, ele também provocou indignação ao atacar o zagueiro da seleção alemã Jérôme Boateng, que é de origem africana. Ele declarou que "as pessoas o acham um bom jogador de futebol, mas não querem um Boateng como vizinho".

JPS/efe/ots

_______________

A Deutsche Welle é a emissora internacional da Alemanha e produz jornalismo independente em 30 idiomas. Siga-nos no Facebook | Twitter | YouTube | WhatsApp | App | Instagram

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

UOL Newsletter

Para começar e terminar o dia bem informado.

Quero Receber

UOL Cursos Online

Todos os cursos