PUBLICIDADE
Topo

China pode ficar para trás na Coreia do Norte

Martin Fritz (Tóquio/rk)

21/06/2018 13h35

Muitos ignoram que, como consequência do encontro entre Trump e Kim Jong-un, a margem de manobra de Pequim na verdade encolheu. A questão norte-coreana ameaça deixar de ser moeda política para os chineses.No dia 12 de junho, o ditador norte-coreano, Kim Jong-un, e o presidente americano, Donald Trump, assinaram, em Cingapura, um entendimento histórico para melhorar as relações bilaterais.

Enquanto os jornalistas que cobriam o encontro no local só tiveram acesso ao conteúdo da declaração conjunta bem mais tarde, uma tradução perfeita para o chinês já estava em circulação no país governado por Xi Jinping poucos minutos após a assinatura.

Pouco depois, o porta-voz do ministério chinês do Exterior, Geng Shuang, anunciava que a iniciativa chinesa "suspensão contra suspensão" já estava em andamento. Ele se referia à proposta de distensão feita pela China no ano passado: Pyongyang abriria mão de testes nucleares, enquanto os EUA abandonariam os exercícios militares conjuntos com os sul-coreanos na península.

Porém, no momento em que esse sucesso foi proclamado pelo porta-voz diplomático da China, Trump ainda nem havia anunciado que EUA e Coreia do Sul encerrariam as manobras militares, que são entendidas como provocação pela Coreia do Norte.

Segundo o jornal japonês Nikkei, a cronologia dos acontecimentos em Cingapura e Pequim indica que a China foi informada a todo momento – também durante o histórico encontro – sobre o conteúdo da declaração por escrito e sobre os compromissos estabelecidos.

Na avaliação do diário, as informações exclusivas foram uma espécie de agradecimento pelo fato de Kim Jong-un ter ido a Cingapura a bordo de um jato da Air China. O Nikkei especula ainda que a China também teria arcado com os custos do voo.

Uma semana depois, a estreita cooperação entre Coreia do Norte e China parece continuar. Na terça-feira (19/06), Kim e Xi se encontraram na China pela terceira vez em três meses

Órgãos de imprensa ocidentais que cobriram a visita de dois a Pequim publicaram que Kim teria informado Xi sobre o encontro com Trum, o que faz pouco sentido. Na realidade, essa visita pode ter sido a próxima jogada do xadrez diplomático de Kim.

A China é tida como a verdadeira vencedora da cúpula de Cingapura, porque a Coreia do Norte e os EUA cumpriram a exigência mais importante de Pequim: um compromisso com a desnuclearização da Península Coreana e o encerramento de manobras militares americanas e sul-coreanas.

A imprensa ocidental avaliou que o encontro enfraqueceu a posição dos Estados Unidos no Leste Asiático. Mas essa interpretação ignora que, como consequência do encontro, a margem de manobra da China na verdade encolheu.

É que, até agora, a China pôde fazer valer, diante dos EUA, sua influência sobre a Coreia do Norte – de certa maneira, podendo esperar uma boa conduta de Washington em troca.

Mas, desde a cúpula, EUA e Coreia do Norte – e, consequentemente, também Trump e Kim – passaram a ter uma possibilidade direta de comunicação. Com isso, dependem muito menos da China do que antes.

Os dois líderes agora se conhecem pessoalmente. Trump deu seu número de telefone direto a Kim para que os dois chefes de Estado possam conversar sobre problemas sem a mediação da China. Isso restringe a margem de manobra de Pequim em relação a Washington e Pyongyang.

O resultado do encontro em Cingapura é um complexo triângulo entre Kim, Trump e Xi, segundo comentou Bilahari Kausikan, especialista em Coreia do Norte e ex-vice-ministro do Exterior de Cingapura, em declarações ao diário americano The New York Times.

De Xi, Kim espera um afrouxamento das sanções. Em contrapartida, o presidente chinês poderia pedir que a Coreia do Norte diminua suas negociações nucleares com os EUA. Dessa forma, Washington dependeria mais do apoio chinês no trato com Pyongyang. E Trump teria que moderar a imposição de tarifas à China, segundo o possível cálculo de Pequim.

Mas a relação direta de Kim com Trump restringe o potencial ameaçador de Xi em relação ao líder norte-coreano. O jovem ditador também pode conseguir um alívio das medidas punitivas com negociações diretas com os Estados Unidos.

Na última quarta-feira (13/06), já houve apoio para esse diálogo, vindo da Coreia do Sul. O presidente Moon Jae-in exortou a Coreia do Norte a apresentar passos concretos para o encerramento de seu programa nuclear. Ao mesmo tempo, segundo Seul, os EUA precisam explicar, na forma de amplas medidas, qual será a sua contrapartida para Pyongyang.

Por isso, a manutenção de todas as sanções até o fim da desnuclearização parece pouco provável, conforme reforçou o secretário de Estado norte-americano, Mike Pompeo, na semana passada em Seul.

Um ponto possível de influência da China sobre a Coreia do Norte continua sendo o acordo de paz que nunca foi assinado entre Pyongyang e Seul, oficialmente em guerra desde o cessar-fogo de 1953, que interrompeu a Guerra da Coreia (1950 – 1953) e continua em vigor até hoje.

Kim precisa desse compromisso porque, assim, os EUA, que lutaram na guerra ao lado da Coreia do Sul, não podem mais atacar o seu país tão facilmente. Mas a China também fez parte do conflito ao lado do Norte e, por isso, teria que participar das negociações do acordo. E, também nesse ponto, Kim não precisa do auxílio da China, ao menos por enquanto – já que, antes de mais nada, Coreia do Norte e EUA teriam de dialogar sobre um encerramento formal do seu estado de guerra.

----------------

A Deutsche Welle é a emissora internacional da Alemanha e produz jornalismo independente em 30 idiomas. Siga-nos no Facebook | Twitter | YouTube | WhatsApp | App | Instagram