PUBLICIDADE
Topo

Opinião: A Alemanha virou um time caótico

Jonathan Harding (de Sóchi)

25/06/2018 06h32

Antes uma máquina bem organizada e estruturada, a seleção alemã virou um time descontrolado, que ganha aos trancos e barrancos: um carro desgovernado de uma era que, achava-se, já havia passado.Após o que se viu na noite de sábado em Sóchi, não se pode mais negar: a Alemanha se tornou um time descontrolado, dependente da qualidade individual de seus jogadores, na esperança de que lampejos de brilhantismo deles possam ser a salvação.

A vitória no último minuto contra a Suécia não pode ofuscar a transformação drástica pela qual a seleção alemã está passando.

Antes uma máquina bem organizada e estruturada, com base no passe e na movimentação constante, a Alemanha se tornou um time que ganha aos trancos e barrancos, um carro desgovernado de uma era que, achava-se, já havia passado.

Joachim Löw, o técnico campeão do mundo, é um espelho de seu time. Escalações teimosas, substituições descontroladas e tardias, e um entendimento tático questionável jogam uma luz pouco comum ao mais tranquilo dos treinadores.

Duas vezes nesta Copa, a seleção alemã jogou mais pelas circunstâncias do que pelo jogo. Mesmo antes do torneio, o time já havia dados sinais de que estava se tornando nervoso, desligado e, às vezes, perigoso. Na Rússia, os alemães não fizeram nada, senão confirmar isso.

Contra a Suécia, foram salvos, mas não poupados. Tudo em relação à Alemanha parece desconjuntado. Nem mesmo uma vitória espetacular esconde o fato de que Toni Kroos é uma bomba-relógio no meio-campo. Seus passes foram, muitas vezes, incomumente ruins. Defensivamente, a Alemanha ainda parece não conseguir se posicionar, e as finalizações continuam um ponto sério de preocupação.



Talvez seja assim que a Alemanha jogue agora. Como um boxeador bêbado, gingando descontroladamente no escuro, esperando dar um golpe certeiro antes de ser atingido demais na cabeça. É empolgante, emocionante, pode-se dizer. Mas não é esse o time que a Alemanha quer ser.

A busca pelo bicampeonato vai acabar rapidamente se essa desordem continuar. Mas, se terminar, o próximo jogo, contra a Coreia do Sul, pode representar uma guinada. Ganhar feio é parte de uma campanha de título – quem não se lembra da Argélia, em 2014? Está nas mãos de Löw fazer sua mágica novamente, mas num cenário bem diferente em relação a quatro anos atrás.

*Jonathan Harding é repórter da Editoria de Esportes da DW e acompanha a seleção alemã na Rússia

_______________

A Deutsche Welle é a emissora internacional da Alemanha e produz jornalismo independente em 30 idiomas. Siga-nos no Facebook | Twitter | YouTube | WhatsApp | App | Instagram