PUBLICIDADE
Topo

Temer diz que pode mandar buscar crianças retidas nos EUA

26/06/2018 19h47

Em reunião com vice de Trump, presidente discute solução para os menores brasileiros que foram separados de seus pais e alocados em abrigos no país. Sobre a Venezuela, Pence pede a Temer para agir com mais firmeza.Ao lado do vice-presidente americano, Mike Pence, o presidente Michel Temer afirmou nesta terça-feira (26/06) que seu governo está disposto a mandar buscar as crianças brasileiras que foram separadas de seus familiares após tentarem entrar de forma ilegal nos Estados Unidos.

A declaração foi feita em coletiva de imprensa após uma reunião entre os dois em Brasília, onde o tema foi abordado. Temer informou a Pence sua disposição em colaborar com o retorno dos menores, caso as famílias assim desejem e dentro dos limites da legislação americana sobre imigração.

"Levantei com o vice-presidente a questão dos menores brasileiros que se encontram separados de seus pais nos Estados Unidos. Disse que se trata de uma questão extremamente sensível para a sociedade e o governo brasileiro", disse o presidente a repórteres.

"Assinalei que nosso governo está pronto para colaborar no transporte dos menores brasileiros de volta ao Brasil, se esse for o desejo das famílias. As autoridades dos dois países continuarão em contato sobre esse tema", garantiu.

Temer afirmou ainda que, durante a reunião, pediu ao vice-presidente americano sua "especial atenção para assegurar a rápida reunião das famílias". "Agradeço ao vice-presidente a disposição que me indicou para trabalharmos juntos em busca de uma solução."

Em seu discurso, Pence assegurou que Washington trabalhará para reunir os pais e filhos separados, incluindo os brasileiros. Segundo ele, manter as famílias unidas é um desejo do presidente Donald Trump, que almeja, ao mesmo tempo, agir para seguir a legislação americana.

"Estamos trabalhando para reunir as famílias, inclusive famílias brasileiras que estão neste meio. Vamos fazer acontecer", afirmou o vice republicano.

Ao lado de Temer, Pence aproveitou para mandar um recado às pessoas que pensam em entrar nos Estados Unidos de forma ilegal, dirigindo-se especialmente aos imigrantes de países centro-americanos.

"Eu tenho uma mensagem para as pessoas da América Central: não arrisquem a própria vida ou a vida de seus filhos tentando chegar aos EUA com traficantes de pessoas. Se vocês não têm condições de entrar legalmente, não venham. Construam suas vidas nas suas pátrias", enfatizou.

Mais de 50 crianças brasileiras em abrigos

O governo brasileiro tem a confirmação de que 51 crianças brasileiras estão separadas de seus familiares em abrigos americanos. O número, porém, pode ser até maior, segundo o embaixador brasileiro nos EUA, Sérgio Amaral, que também esteve em Brasília para receber Pence.

O diplomata informou que, durante a reunião, Pence agradeceu a possibilidade de colaboração oferecida por Temer, mas não deu uma resposta definitiva sobre a possibilidade de o Brasil enviar um avião da Força Aérea Brasileira para retornar as crianças retidas no país.

A política migratória de tolerância zero de Trump – que prevê processar criminalmente todas as pessoas que tentarem entrar ilegalmente no país – chegou a separar mais de 2 mil menores de idade de seus familiares na fronteira com o México, gerando indignação dentro e fora do país.

Sob pressão, o presidente americano assinou na semana passada uma ordem executiva que impede novas separações de famílias, bem como interrompe a prática de processar os imigrantes acompanhados de menores após sua entrada ilegal nos Estados Unidos.

"Mais firmeza" com a Venezuela

A situação na vizinha Venezuela foi outro tema discutido na reunião em Brasília. Ao lado de Temer, o vice americano afirmou que "é hora de pressionar" e de "atuar com mais firmeza" para "restaurar a democracia" no país liderado pelo presidente Nicolás Maduro.

"Os EUA pedem ao Brasil que adote atitudes firmes contra o regime de Maduro", afirmou Pence, acrescentando que o governo chavista "destruiu a democracia e construiu uma ditadura brutal, que acabou tornando a Venezuela um país pobre".

Segundo o vice de Trump, Washington não será um espectador do "colapso de um de seus vizinhos", que "já foi um dos países mais ricos e atualmente está quebrado" e sofre uma crise humanitária que tem repercussões em toda a região.

Pence avaliou o papel do Brasil na luta pela redemocratização da Venezuela tanto no campo diplomático como no humanitário, destacando a assistência que o governo Temer tem prestado aos cerca de 50 mil venezuelanos que chegaram ao Brasil fugindo da grave crise política, econômica e social que assola o país.

Segundo o político republicano, seu governo prevê aumentar o apoio financeiro aos refugiados venezuelanos, destinando ao menos 10 milhões de dólares à causa. Desse total, um milhão será repassado para ajudar aqueles que estão em território brasileiro, afirmou.

Temer, por sua vez, disse que "o Brasil e os Estados Unidos convergem quanto à urgência de restabelecer a plena normalidade democrática" na Venezuela.

Após a reunião em Brasília, Pence deve viajar nesta quarta-feira a Manaus, onde visitará um abrigo instalado pelas autoridades brasileiras para receber os venezuelanos que cruzam a fronteira. Depois segue para o Equador, segunda escala de sua turnê latino-americana, que terminará na Guatemala.

EK/abr/efe/lusa/rtr/ots

_____________

A Deutsche Welle é a emissora internacional da Alemanha e produz jornalismo independente em 30 idiomas. Siga-nos noFacebook | Twitter | YouTube | WhatsApp | App | Instagram