PUBLICIDADE
Topo

Para os alemães, um desastre anunciado

27/06/2018 14h41

Mesmo abatidos, jogadores e comissão técnica fazem análise sóbria: os problemas estavam lá, todos viram, mas não se conseguiu resolvê-los. O que se viu na Rússia não foi nem sombra do time campeão do mundo no Brasil.A eliminação da Copa do Mundo de 2018 é histórica e pode ser considerada o maior vexame da história da seleção alemã. Nunca antes a Nationalelf havia caído numa fase de grupos. Mesmo abatidos, jogadores e comissão técnica fizeram, em geral, uma análise sóbria: os problemas estavam lá, todos viram, mas não conseguiu-se resolvê-los.

"É uma enorme decepção para nós. Parabéns aos nossos adversários, aos suecos e aos mexicanos. Hoje não podemos crucificar a equipe por falta de combate, mas não conseguimos marcar um gol. E isso tem se esticado por todo o torneio", disse o técnico Joachim Löw, em entrevista à emissora pública ZDF. "Fomos eliminados da Copa de forma justa. Tivemos muitas chances de gol, mas não conseguimos marcar."

Embora tenha renovado seu contrato com a Federação Alemã de Futebol (DFB) até 2022, Löw deixou em aberto seu futuro como comandante da seleção alemã. "É muito cedo para eu responder a essa pergunta. Estou ainda muito decepcionado. Estava otimista. Preciso de algumas horas", disse. "Sou o primeiro a me questionar. O que deu errado? A eliminação é minha responsabilidade. Acredito que todo o futebol alemão perdeu hoje. Só nos resta pedir por desculpas."

O diretor esportivo da seleção alemã, o ex-jogador Oliver Bierhoff, também passou pelos microfones da emissora ZDF. "Todos estão praticamente em silêncio, a frustração é enorme. Nós tentamos, mas no fim tivemos que abrir a defesa. Há muita frustração e uma grande decepção. Todas as equipes têm dificuldades nesta Copa do Mundo. Certamente também é questão de mentalidade. Eu vi as estatísticas, nós tivemos muitas chances para marcar", disse.

Sobre a permanência do técnico, afirmou: "Löw assinou um contrato recentemente. Agora não é a hora de questionar tudo. Parto firmemente da premissa que Löw seguirá no comando da seleção".

Os jogadores também trataram a eliminação com naturalidade, sem esbravejadas ou reações emotivas. O tom foi quase sempre o mesmo: os próprios jogadores são os culpados pelo fracasso e que o desempenho parecia já previamente anunciado. Eles admitiram que havia problemas e que não conseguiram encontrar soluções.

"Na Copa do Mundo não tem sido fácil para nenhuma equipe, exceto para Inglaterra ou Bélgica", disse o zagueiro Mats Hummels. "Nós nos colocamos nesta situação no jogo contra o México. Temos alguns pontos que precisam ser abordados, mas não irei mais citá-los em público. A última partida que fizemos de forma convincente foi no fim de 2017."

O zagueiro do Bayern de Munique já havia criticado o desempenho da equipe depois da derrota na estreia para o México ao afirmar que ele e Jérôme Boateng estavam muito expostos na defesa central. Os jogadores então realizaram uma reunião emergencial e dialogaram sobre questões táticas e de atitude. A vitória heroica contra a Suécia mostrou pequenos resultados, mas, de fato, apenas encobriu as principais fragilidades.

"Agora é um dos momentos mais difíceis para a equipe e também para mim pessoalmente", disse Sami Khedira. "Dissemos antes do torneio que os campeões mundiais deveriam liderar a equipe. Isso não é fácil, mas aceitamos a tarefa. Pessoalmente, sou a primeira pessoa a assumir responsabilidades. Temos que lidar com as consequências agora. Os últimos dez anos foram sensacionais."

O capitão Manuel Neuer também não fugiu dos microfones. Admitiu que o clima no vestiário era de decepção e fez uma crítica à forma que o time se apresentou no torneio.

"Acho que não havia entre nós empenho suficiente para mostrar que queríamos algo nesse torneio. Em nenhum jogo convencemos, em nenhum jogo podemos dizer que ali estava 'a' seleção alemã. É amargo e lamentável", afirmou o goleiro.

PV/sid/ots

_______________

A Deutsche Welle é a emissora internacional da Alemanha e produz jornalismo independente em 30 idiomas. Siga-nos no Facebook | Twitter | YouTube | WhatsApp | App | Instagram