PUBLICIDADE
Topo

Dicas de turismo na Rota Romântica

Carlos Albuquerque

06/07/2018 10h41

Principal trajeto turístico da Alemanha interliga 29 cidades idílicas e pitorescas no sul do país. Trajeto de 460 quilômetros oferece aos visitantes a fascinação de vilarejos medievais e castelos de contos de fadas.A Rota Romântica é um dos principais destinos turísticos para os brasileiros que visitam a Alemanha. E isso não é por menos, pois os 460 quilômetros de estrada ao longo das regiões da Francônia e Suábia, entre os estados da Baviera e Baden-Württemberg, proporcionam paisagens deslumbrantes entre cidades e vilarejos idílicos e pitorescos.

A fama desse caminho entre cidades medievais e castelos de contos de fadas como principal estrada turística alemã é centenária. O nome Rota Romântica, no entanto, foi cunhado em 1950, como forma de voltar a impulsionar o turismo na Alemanha após a Segunda Guerra.

Os primeiros turistas foram os soldados das forças de ocupação americanas e seus familiares. Ao longo dos anos, a Rota Romântica se consolidou como destino turístico e, somente em 2017, foram registrados 6,3 milhões de pernoites, como informa o Grupo de Trabalho de Turismo da Rota Romântica, sediado em Dinkelsbühl e responsável pela criação do trajeto e de seu nome.

Para os visitantes estrangeiros, o percurso proporciona um mergulho em tempos passados, em cidades e paisagens que, para muitos, representam a própria imagem da Alemanha. De norte a sul, o trajeto leva desde os vinhedos e o esplendor barroco de Würzburg até Füssen, situada ao pé dos Alpes e muito próxima do famoso Castelo de Neuschwanstein, que serviu de inspiração para o símbolo dos estúdios Disney.



A rota é romântica, pois leva a sonhar, mas ela também mostra ao turista a riqueza cultural, artística e paisagística dessa região no sul da Alemanha. Entre vales, florestas, campos e montanhas, encontram-se cidades com construções majestosas como o Palácio Real de Würzburg (Würzburger Residenz), o Castelo de Weikersheim com seus famosos jardins, ou o centro histórico de Rothenburg ob der Tauber, que catapulta o visitante direto para a Idade Média.

Além de suas torres góticas e casas em enxaimel, em Dinkelsbühl você também pode visitar remanescentes do Limes, conjunto de fortificações que marcavam a fronteira do Império Romano.

Construída sobre uma cratera provocada por um asteroide de um quilômetro de extensão, que atingiu a Terra há mais de 14 milhões de anos, as muralhas de Nördlingen guardam um tesouro: toneladas de microdiamantes que fazem reluzir as pedras com que a cidade de 19 mil habitantes foi construída.

Um pouco mais ao sul, às margens do rio Danúbio, a idílica Donauwörth é um exemplo de reconstrução após a Segunda Guerra Mundial. A igreja do Mosteiro da Santa Cruz (Kloster Heilig Kreuz) guarda um pedaço da cruz em que Cristo foi crucificado. Não se sabe se a relíquia é verdadeira, mas, como um milagre, a construção barroca foi uma das poucas a escapar dos bombardeios que destruíram 75% da cidade.

Um pouco mais adiante, Augsburg é a maior cidade da Rota Romântica, com cerca de 290 mil habitantes. Além de vestígios românicos, góticos, renascentistas e barrocos, a Fuggerei é uma atração à parte.



O mais antigo projeto de habitação social do mundo foi um presente do banqueiro Jakob Fugger, "o Rico". A fortuna que deixou financia ainda hoje moradia para 150 cidadãos necessitados da cidade.

Nesse trecho ao longo do vale do rio Lech, um afluente do Danúbio, a rota passa por cidades como Landsberg am Lech, com as cascatas da barragem Lechwehr, a pitoresca torre medieval Bayertor, de onde se tem uma vista incrível da cidade, e a Mutterturm, torre construída no final do século 19 como um castelo normando.

A viagem em direção ao sul faz da paisagem um dos principais atrativos. Com o rio sempre por perto, florestas, terras agrícolas, prados e planícies alagáveis antecipam a alegria da visão dos Alpes. A região pré-alpina de Allgäu marca a etapa final da viagem. Mas as atrações da rota ainda estão longe de terminar. Perto do vilarejo de Steingaden, a igreja Wieskirche é um dos principais testemunhos mundiais da arquitetura barroca-rococó.

Ao lado do Limes e do Palácio Real de Würzburg, a igreja Wieskirche é um dos três Patrimônios Mundiais da Humanidade situados na Rota Romântica.

Através de intermináveis prados e pastagens, lentamente o visitante se aproxima do grande final – ou grande começo – da viagem pela Rota Romântica: o vilarejo de Schwangau, com o lago Alpsee e os castelos reais Hohenschwangau e Neuschwanstein, construído no século 19 pelo rei dos contos de fadas Ludwig 2°da Baviera, e a idílica cidade medieval de Füssen, às margens do Lech e ao pé dos Alpes.





Melhor época para visitar

A melhor época para visitar a Rota Romântica são os meses mais quentes, de maio a outubro. Naturalmente, cada estação tem o seu charme. Em dezembro, as feirinhas de Natal nas cidades medievais são simplesmente um sonho, assim como o tapete branco dos campos cobertos de neve durante os meses de inverno.

No entanto, durante o inverno europeu, algumas atrações fecham ao longo da famosa estrada turística, vindo a abrir somente em março. Janeiro e fevereiro são os meses mais frios. Julho e agosto, os mais quentes, os mais procurados e também os mais caros. Mas vale a pena fazer reservas mesmo nas demais épocas.

Setembro, por exemplo, é um mês bastante procurado por aqueles que querem terminar seu passeio curtindo a Oktoberfest em Munique. Para quem quer economizar, uma dica é começar a viagem pela festa bávara, ficar alguns dias na cidade e seguir então para a Rota Romântica. Logo depois da Oktoberfest, tudo fica mais vazio e mais barato, sem falar do colorido do outono.

Os meses de verão são também os mais chuvosos, assim é bom sempre levar um guarda-chuva. E, como diz um ditado alemão, "abril faz o que quer", pode ser quente ou frio, pode chover ou nevar. De qualquer forma, sempre fique atento à previsão do tempo. Em 2018, por exemplo, o inverno teve cara de primavera até meados de janeiro, estendendo-se, no entanto, até fins de abril.

Como chegar e onde se hospedar

A Rota Romântica pode ser percorrida de norte a sul, ou seja, de Würzburg a Füssen. Esse é o trajeto normalmente feito por que chega pelo Aeroporto de Frankfurt e tem a vantagem de reservar o final do passeio para a bela visão dos Alpes. O retorno então pode ser feito pelo Aeroporto de Munique.

Para os que entram por Munique, é lógico que o trajeto se inicie em Füssen e termine em Würzburg, com partida de Frankfurt. Não esqueça que castelos reais, como o Neuschwanstein, fazem parte da Rota Romântica, não precisando visitá-los necessariamente durante a estada na capital bávara.

Devido aos diferentes percursos, atrações e cidades, a forma mais prática e mais confortável de percorrer a Rota Romântica é de carro. Basta seguir as placas metálicas marrons com o nome Romantische Strasse posicionadas ao longo da estrada que liga as diversas localidades.

Aos que optarem pelo trem, é possível fazer uma combinação com ônibus intermunicipais a partir de cidades maiores, geralmente interligadas à rede ferroviária alemã. Würzburg, Donauwörth e Augsburg também possuem ligação com a rede de trens de alta velocidade ICE.

Uma dica para economizar é comprar o Bayernticket, que vale por um dia e permite levar até cinco pessoas em todos os trens regionais e linhas de ônibus da Baviera – mas o Bayernticket não vale para o ICE.

Além dos ônibus de excursão, também se pode optar pelos ônibus do tipo hop-on, hop off. Há uma linha que funciona de abril a outubro, saindo de Frankfurt, Füssen ou Munique. Como o tíquete é válido por seis meses, é possível quebrar o trajeto em vários dias. O ônibus também permite levar bicicleta, mas é preciso avisar previamente.

Para quem quer pedalar, uma ciclovia de 460 quilômetros de extensão interliga todas as cidades do trajeto, basta seguir as placas verdes com o nome Romantische Strasse. Já os que pretendem fazer caminhadas devem acompanhar as placas azuis que marcam os 500 quilômetros da trilha romântica.

Como na Rota Romântica o destino é o próprio percurso, procure se hospedar em cidades de maior interesse e com melhor infraestrutura de restaurantes, bares e clubes, caso queira sair à noite.

Würzburg, Rothenburg ob der Tauber, Dinkelsbühl ou Nördlingen, Augsburg ou Landsberg am Lech e Füssen oferecem boas opções de pernoite.

----------------

A Deutsche Welle é a emissora internacional da Alemanha e produz jornalismo independente em 30 idiomas. Siga-nos no Facebook | Twitter | YouTube | WhatsApp | App | Instagram