PUBLICIDADE
Topo

Guaidó apela a Alemanha e UE que sancionem Maduro

30/01/2019 07h24

Líder da oposição venezuelana diz a jornal alemão que europeus deveriam seguir o exemplo dos EUA. Maduro declara a agência russa que aceita negociar e sugere eleições parlamentares.O líder da oposição e presidente da Assembleia Nacional da Venezuela, Juan Guaidó, pediu que a Alemanha e a União Europeia (UE) apliquem sanções concretas a Nicolás Maduro. "Precisamos de sanções como as impostas pelos Estados Unidos", disse Guaidó ao jornal alemão Bild, em entrevista publicada nesta quarta-feira (30/01).

"Temos uma ditadura e deve ser feita pressão. Cada vez mais pessoas são assassinadas. Além disso, está claro que o regime de Maduro é absolutamente corrupto", disse Guaidó ao Bild.

Guaidó se referia a sanções anunciadas pelos EUA contra a estatal Petróleos de Venezuela (PDVSA) na segunda-feira. Elas têm o objetivo de limitar as exportações de petróleo do país e pressionar pela renúncia de Maduro.

França, Alemanha, Reino Unido e Espanha estão pressionando Maduro a deixar seu posto e anunciar eleições. No último sábado, esses países ameaçaram reconhecer Guaidó como o presidente da Venezuela caso um novo pleito não seja planejado. A legitimidade das eleições em que Maduro foi eleito para um segundo mandato, em maio do ano passado, é amplamente contestada. Maduro rejeitou o ultimato dos países europeus.

Guaidó insistiu que a UE mantenha o ultimato e que "implemente as consequências".

O líder oposicionista se proclamou presidente interino do país e prometeu instalar um governo de transição, além de convocar novas eleições. Em meio a uma disputa com Maduro pelo apoio das Forças Armadas, Guaidó foi proibido pela Justiça da Venezuela de deixar o país e teve seus bens bloqueados.

"Se eu pensasse o tempo todo no medo, não poderia estar aqui", confessou ao Bild. "Todos aqui vivemos sempre na iminência de sermos presos e até mesmo assassinados. Mas isso não nos impede de assumir nossa responsabilidade", afirmou, recordando o número de vítimas dos protestos recentes no país.

A ONU estimou que ao menos 40 pessoas foram mortas e mais de 850 presas entre 21 e 26 de janeiro na Venezuela, em meio a manifestações contra e a favor de Maduro, que geraram uma série de confrontos.

Maduro se diz disposto a negociar

Depois de mais de uma semana de embate acirrado com a oposição, Maduro disse nesta quarta-feira que está disposto a negociar. "Estou disposto a sentar para conversar com a oposição para que possamos discutir em prol da paz e do futuro da Venezuela", disse em entrevista à agência de notícias estatal russa RIA Novosti.

O presidente venezuelano sugeriu que as negociações sejam mediadas por outros países, como México, Uruguai, Bolívia, Vaticano e Rússia. "Seria muito bom realizar eleições parlamentares antes do planejado. Seria uma boa forma de discussão política", disse Maduro, de acordo com a agência russa.

Ao mesmo tempo, ele negou a possibilidade de realizar um novo pleito presidencial. "As eleições presidenciais ocorreram, e se imperialistas querem novas eleições, deixe-os esperar até 2025", disse.

Uma manifestação em massa na Venezuela, convocada por Guaidó, está prevista para esta quarta-feira. O líder da oposição pediu que venezuelanos saiam de suas casas e locais de trabalho por duas horas, na primeira grande mobilização desde os protestos da semana passada.

PJ/ap/afp/ots

_____________

A Deutsche Welle é a emissora internacional da Alemanha e produz jornalismo independente em 30 idiomas. Siga-nos no Facebook | Twitter | YouTube
| WhatsApp | App | Instagram | Newsletter