Topo

"Milícias" de extrema direita manipulam temores dos alemães

Austin Davis (fc)

19/11/2019 10h57

Grupos de justiceiros vêm "patrulhando" áreas de cidades alemãs que supostamente não contam com presença regular da polícia. Mas analistas apontam que os motivos dos participantes da iniciativa são mais tenebrosos.Um grito rompe o silêncio de uma tarde de terça-feira em frente à Catedral de Berlim, no centro da cidade. "Ei, você!", grita Oliver Niedrich, um patrulheiro de uma milícia local, antes de perseguir duas mulheres que pediam esmolas. Ele acredita que elas são batedoras de carteiras, mas não fornece provas.

As mulheres fogem antes que Niedrich as apanhe. Mas a perseguição é suficiente para atrair a atenção de espectadores nervosos – e policiais que patrulham a área.

"Às vezes, encontramos pessoas que não gostam particularmente muito de nós", afirma Niedrich, depois de a polícia checar sua identificação e mandá-lo embora. "A polícia vem por nossa causa, mas nós não nos importamos – pelo menos eles vêm para a área."

Ele sabe que suas ações – incluindo a utilização de coletes vermelhos que dão um ar oficial – são tecnicamente legais, desde que não resultem na detenção de alguém ou envolvam violência.

Niedrich é um dos cerca de 20 milicianos em Berlim que fazem parte da iniciativa "patrulha cidadã". Em grupos de dois ou três, os homens vestidos com coletes vermelhos patrulham bairros na capital alemã onde pequenos delitos são frequentes.

A iniciativa se chama "Estabelecendo zonas de proteção" (Schafft Schutzzone, em alemão). É abreviada por "SS", o que na Alemanha traz imediatamente à mente as famosas "SS" da era nazista – organização paramilitar "Esquadrão de Proteção" (Schutzstaffel, em alemão) que perseguiu milhões de pessoas e foi diretamente responsável por genocídios. Niedrich rejeita qualquer ligação.

Iniciativa de extrema direita

A iniciativa "Estabelecendo zonas de proteção" foi lançada pelo Partido Nacional-Democrático (NPD), uma legenda de extrema direita da Alemanha que abriga vários neonazistas. A organização diz que as áreas patrulhadas são muitas vezes regiões turísticas populares, bem como aquelas que tiveram um aumento do número de imigrantes.

"Muita coisa mudou com o fluxo de estrangeiros", afirma Sebastian Schmidtke, vice-presidente do NPD em Berlim, que organiza a milícia. "Essa é, infelizmente, a realidade. E você não pode fechar os olhos para a realidade."

Schmidtke tem várias condenações penais por "incitação ao povo", um crime de ódio frequentemente aplicado em casos de negação do Holocausto e insultos raciais, religiosos ou étnicos.

Porém, sua declaração esbarra com os fatos: na realidade, de acordo com dados oficiais, a criminalidade está caindo de forma generalizada tanto em Berlim como em toda a Alemanha.

Juntamente com o fato de que a presença da polícia aumentou, os formuladores de políticas públicas e analistas estão preocupados que o número crescente de milícias em toda a Alemanha tenha objetivos mais tenebrosos do que eles deixam transparecer: intimidar os estrangeiros e manipular o medo dos alemães para obter ganhos políticos.

As milícias cidadãs não são um fenômeno novo na Alemanha. Após a Reunificação da Alemanha, em 1990, os governos regionais, especialmente dos novos estados rurais do leste do país, aplaudiram as iniciativas dos cidadãos para manter a paz em suas cidades.

Mas o fluxo de refugiados e requerentes de asilo em 2015 trouxe uma nova dinâmica à prática, afirma Berndt Wagner, criminólogo e diretor da Exit Deutschland, uma organização sem fins lucrativos que auxilia as pessoas a saírem de grupos neonazistas.

"As pessoas ficam inflamadas devido à perspectiva de criminalidade nas mãos de estrangeiros e um declínio das circunstâncias – apesar do fato de que a criminalidade parece ter se estabilizado", sublinha Wagner.

Em 2018, a criminalidade em todo o país caiu 3,5%, especialmente em relação a abusos sexuais, roubos e fraudes, de acordo com estatísticas nacionais. Só em Berlim, os casos de batidas de carteiras caíram 26,2% em 2018.

O número de perpetradores não alemães em Berlim mal se mexeu ao contabilizar pequenas violações da lei de imigração, e as estatísticas federais indicam que o número de policiais empregados atingiu um pico de duas décadas em 2017.

Dados esses números, não é a criminalidade que os alemães temem, mas sim uma sociedade diversificada, afirma Wagner. É por isso que esses grupos de milícias – que podem se reunir legalmente, mas não podem prender suspeitos se não forem atacados – atraem ideólogos de extrema direita. Alguns os veem como "equipes de limpeza" da sociedade.

"O NPD está entrando no espírito público para seguir suas políticas", conta Wagner.

"Eu realmente não me importo"

O primeiro subtítulo da plataforma partidária do NPD em Berlim é "o problema gerado pelos estrangeiros" e estabelece formas de fechar as fronteiras da Alemanha, impedir os imigrantes de receber empregos e benefícios sociais e preservar a identidade nacional alemã.

O site do partido também exibe imagens de suas patrulhas, sobrepostas com slogans como "proteja os alemães!" e "alemães ajudando alemães!". Múltiplas tentativas de dissolver ou banir o partido completamente falharam nos tribunais.

Mas a seção berlinense do Departamento Federal de Proteção da Constituição (BfV) – a agência de segurança interna da Alemanha – tem observado de perto as milícias do partido desde que elas começaram a se formar em 2018, confirmou um porta-voz. No início deste mês, o governo declarou que essas milícias tinham "potencial para o terrorismo de direita".

"É ingênuo nos comparar com terroristas", afirma Schmidtke, enquanto espera que seus colegas regressem de uma perseguição a duas mulheres de pele escura. "Estamos fazendo uma patrulha, dando uma olhada ao redor [para garantir] que a área está segura", frisa.

As pessoas reagem positivamente às suas patrulhas, insiste Schmidtke. De fato, pouco antes da chegada da polícia, um funcionário de um estabelecimento veio agradecer-lhes.

Cerca de 300 membros do partido realizam “patrulhas” em quase todos os estados alemães, afirma Schmidtke. Em Berlim, eles receberam até pedidos de pais para levar seus filhos à escola.

"Pessoalmente, eu não me importo como eles nos chamam", frisa Schmidtke. "Nós estamos fazendo por convicção e vemos isso como uma coisa razoável para se feita. Se isso é 'extremismo de direita', eu realmente não me importo."

Mas uma aposentada de 65 anos de Berlim, que viu a cena em frente à Catedral da cidade, diz que sim. "Claro que há pessoas em todos os lugares que te querem roubar", conta Gabrielle, que se recusou a dar seu sobrenome por questões de privacidade. "Mas proteção extra para isso? Não, obrigado."

Mas nem todos se sentem tão seguros quanto Gabrielle. Um estudo sobre os maiores medos da sociedade alemã divulgado no início deste ano pelo Centro de Ciências Sociais de Berlim mostrou que um em cada três entrevistados temia "infiltração estrangeira" por causa do grande número de imigrantes. Mais da metade temia a criminalidade.

As patrulhas do grupo estão obviamente "polarizando", afirma Oliver Niedrich, um pouco sem fôlego após a sua recente perseguição. "Mas sabemos exatamente quem somos."

______________

A Deutsche Welle é a emissora internacional da Alemanha e produz jornalismo independente em 30 idiomas. Siga-nos no Facebook | Twitter | YouTube
| App | Instagram | Newsletter


Autor: Austin Davis (fc)

Notícias