PUBLICIDADE
Topo

Bolsonaro indica pastor e diretora de festival cristão para Ancine

21/02/2020 17h26

Bolsonaro indica pastor e diretora de festival cristão para Ancine - Ambos ligados à igreja evangélica, Edilásio Barra, o pastor Tutuca, e Veronica Brendler serão sabatinados pelo Senado. Se aprovados, ocuparão dois dos quatro assentos na diretoria da Agência Nacional do Cinema.O presidente Jair Bolsonaro indicou nesta sexta-feira (21/02) dois nomes ligados à igreja evangélica para a direção da Agência Nacional do Cinema (Ancine): o pastor Edilásio Barra, conhecido como Tutuca, e a produtora Veronica Brendler, diretora de um festival de cinema cristão.

As indicações foram publicadas no Diário Oficial da União e encaminhadas ao Senado. Tutuca e Brendler serão sabatinados pelos parlamentares e, se forem aprovados pela Casa, ocuparão dois dos quatro assentos na direção do órgão.

A Ancine é uma agência reguladora que tem como funções o fomento, a regulação e a fiscalização do mercado audiovisual no Brasil. No passado, a agência esteve sob a alçada do Ministério da Cultura, até a extinção da pasta por parte de Bolsonaro, e agora responde ao Ministério do Turismo.

Tutuca é formado em jornalismo, mas sua carreira acumula vários trabalhos na televisão, como ator, apresentador e diretor. Ele atuou em novelas, entre elas Roque Santeiro, da TV Globo, e apresentou o programa Vip, na RedeTV!, com foco em coluna social. Também dirigiu outros programas na mesma emissora e na Record. Na década de 1980, ele gravou discos como cantor.

Em 2011, Tutuca foi um dos fundadores da Igreja Continental do Amor de Jesus, no Rio de Janeiro, da qual é pastor. Foi quando se aproximou de grupos conservadores.

Em 2012, ele foi candidato a vereador do Rio de Janeiro pelo PSD, mas não se elegeu. Seu primo delegado Éder Mauro é deputado federal pelo Pará pelo mesmo partido desde 2015, e integra a base aliada de Bolsonaro.

O pastor está na Ancine desde o ano passado, quando assumiu o cargo de superintendente de Desenvolvimento Econômico, responsável pelo Fundo Setorial do Audiovisual (FSA). O fundo é o principal instrumento de fomento direto à indústria audiovisual no país, e em 2018 investiu cerca de 800 milhões de reais no mercado brasileiro.

No início de fevereiro, Tutuca foi indicado para o posto de diretor substituto da Ancine, cargo para o qual busca ser efetivado agora, se for aprovado pelo Senado.

Veronica Brendler, por sua vez, não ocupa nenhum cargo na Ancine. Ela se apresenta nas redes sociais como cineasta e gestora cultural e é diretora do Festival Internacional de Cinema Cristão (FICC), que "promove filmes que fomentam os valores da família, responsabilidade social, cidadania, acessibilidade, inclusão social e digital, sustentabilidade", segundo a descrição do evento.

O currículo de Brendler diz que ela teve 80 projetos aprovados na Lei Rouanet, legislação criada em 1991 que permite a captação de recursos para projetos e ações culturais em troca de incentivos fiscais a cidadãos e empresas que tenham interesse em patrociná-los. Ela diz ser palestrante sobre o programa – que inclusive é alvo de críticas de Bolsonaro.

Brendler é ainda roteirista do curta-metragem O reencontro do amor, sobre um casal que está prestes a se divorciar porque o marido tem uma amante, mas que acaba se reencontrando através da "busca por Deus".

Em rede social, Brendler agradeceu a Bolsonaro pela indicação e afirmou que seus "27 anos de atuação no setor artístico" podem "somar muito para o cinema brasileiro".

A diretoria colegiada da Ancine é formada por quatro integrantes, incluindo o diretor-presidente, cargo ocupado interinamente pelo advogado Alex Braga. Além de Braga e Tutuca, que atua como diretor substituto, Vinicius Clay Araújo Gomes e Luana Rufino são os demais diretores, também provisoriamente.

Indústria cinematográfica sob fogo

Desde que Bolsonaro assumiu o cargo, a Ancine tem sido alvo constante de ataques do governo. No ano passado, o Planalto já havia adiantado sua intenção de colocar nomes com um perfil mais conservador, "tal como o atual governo", à frente do órgão.

Em agosto de 2019, Bolsonaro disse que queria um nome "terrivelmente evangélico" para comandar a agência. Em tom de ironia, afirmou ainda que o indicado precisava saber "recitar 200 versículos, ter uma Bíblia embaixo do braço e o joelho ralado de ajoelhar no milho".

Em julho, ele também afirmou que pretende limitar a produção cinematográfica de filmes como Bruna Surfistinha, um longa-metragem de 2011 que retrata a vida de uma prostituta. O presidente deixou claro que é favorável à implementação de "filtros" para impedir o financiamento desse tipo de filme; caso contrário, poderia extinguir a Ancine.

"Vai ter um filtro, sim. Já que é um órgão federal, se não puder ter filtros, nós iremos extinguir a Ancine. Privatizaremos [...] ou extinguiremos", ameaçou. A atitude repercutiu mal entre cineastas, que classificaram os planos do presidente como uma tentativa de impor uma censura na agência.

Ainda em julho, Bolsonaro assinou a transferência do Conselho Superior de Cinema (CSC), responsável pela política nacional de audiovisual, do Ministério da Cidadania para a pasta da Casa Civil com o objetivo de que a Presidência tenha mais influência sobre o colegiado.

Em 2016, o setor audiovisual superou a contribuição da indústria farmacêutica ao PIB brasileiro, com uma fatia de 0,46% correspondente a uma cifra de 25 bilhões de reais. O setor emprega mais de 330 mil pessoas e movimenta impostos diretos e indiretos. A participação na economia supera também as indústrias têxtil e de eletrônicos.

EK/ots

___________

A Deutsche Welle é a emissora internacional da Alemanha e produz jornalismo independente em 30 idiomas. Siga-nos no Facebook | Twitter | YouTube
| App | Instagram | Newsletter

Notícias