PUBLICIDADE
Topo

"Há confusão sobre o que é femininismo", diz Luiza Trajano

Larissa Linder

21/02/2020 17h47

"Há confusão sobre o que é femininismo", diz Luiza Trajano - Eleita Personalidade do Ano pela Câmara de Comércio Brasil-EUA, ex-CEO do Magazine Luiza diz ser possível lutar por igualdade de gênero no mundo empresarial e na política sem ser contra os homens.Quem transita pelos eventos do mercado financeiro e do meio empresarial brasileiros sabe que, quando há alguma mulher, quase invariavelmente ela é Luiza Helena Trajano. Ex-CEO do Magazine Luiza, a empresária se tornou célebre por transformar uma rede de lojas familiar do interior paulista em uma gigante do varejo nacional, com o sexto maior faturamento do setor no ano passado e 900 unidades. Em 2019, Trajano passou a integrar a lista de bilionários da revista Forbes.

Há alguns anos, ela ficou conhecida também por seu discurso pró-mulheres. "Até hoje sou a única presidente mulher do varejo, imagina como era isso há 40 anos", disse, em uma conversa com a DW Brasil em Düsseldorf, onde foi inaugurado um núcleo do grupo Mulheres do Brasil, presidido por Luiza. "Desde pequena sou muito ligada em injustiça: quando vejo que para a mulher está ruim, que para o negro está ruim, eu não gosto."

Feminismo, diz, é igualdade entre homens e mulheres. "Não somos contra os homens" é uma frase que aparece também entre os valores do grupo liderado por ela. Criado em 2013, o Mulheres do Brasil conta hoje com 37 mil mulheres em 15 países e tem o intuito de reduzir a desigualdade de gênero e melhorar outros aspectos do país.

Entre os valores estão democracia, liberdade de imprensa, "agir com leveza" e apartidarismo. Tanto em nome do grupo como no discurso pessoal da empresária, há um esforço constante para não ser associada a direita ou esquerda.

Aos 68 anos, Trajano se divide entre a presidência do conselho de administração do Magazine Luiza e a liderança do grupo Mulheres do Brasil. Ela se mostra escandalizada com a violência contra as mulheres, e costuma lembrar de quando perdeu uma funcionária em um caso de feminicídio.

Depois da morte da funcionária, foi criada uma linha interna no Magazine Luiza para denúncias, e o aplicativo da rede de lojas conta com um botão para denunciar violência doméstica. "Uma mulher morre a cada duas horas no Brasil, isso é inaceitável", diz.

DW Brasil: Como surgiu o grupo Mulheres do Brasil?

Luiza Helena Trajano: Uma vez fui convidada para me juntar com outras empresárias em Brasília, e para não ficar só duas ou três empresárias, a gente usou na época a Endeavor, o Sebrae, para poder indicar mulheres para estar com gente nesse evento, e apareceram mais de 40 mulheres de todos os segmentos, de todos os estados, algumas presidentes de empresas. Eu levei comigo líderes de comunidades, que chamam de favelas no Brasil, porque eu acredito muito num grupo que seja diverso, inclusive financeiramente. Eu não acredito em um grupo só de empresárias.

Foi tão importante aquela reunião, que todo mundo queria montar um grupo. Começou com 50 pessoas, hoje temos mais 37 mil mulheres, em mais de 15 países, em 50 cidades do Brasil. E temos algumas premissas importantes: somos a favor da democracia, da diversidade, da livre imprensa, somos a favor da mulher, mas não somos contra os homens. E temos algumas [premissas] inegociáveis: é um grupo totalmente apartidário mesmo. Nosso partido é o Brasil. Não importa se uma pessoa da esquerda fez coisa boa, se uma pessoa da direita está fazendo coisa boa. E ao mesmo tempo a gente tem apoiado, cobrado e orientado o nosso Congresso para ter coisas que facilitem a vida das mulheres e dos brasileiros.

Como vocês fazem essa ponte com o Congresso?

A gente vai para lá, temos celulares de todos. E eles hoje respeitam, porque sabem que é um grupo grande, que não está lá para meter o pau neles, mas que está lá para levar propostas consistentes, e não deixar passar alguma coisa que a gente acha que não é legal.

E são de partidos distintos?

A gente nem sabe de que partido são. Lógico que a porta de entrada é sempre alguém que acredita na gente.

Alguém que chama vocês?

Não, nós vamos lá. Agora, por exemplo, iam tirar as cotas para mulheres na política. A gente tá em cima para não deixar tirar. Estamos lá para tentar aprovar cotas em mulheres em conselhos. Eu sou totalmente a favor de cotas, cota é um processo transitório para acertar uma desigualdade.

O Brasil tem um problema muito sério de violência contra a mulher…

Não só o Brasil, é no mundo todo. No Brasil agora está aparecendo mais, até porque o Mulheres do Brasil trouxe à tona isso. A cada duas horas uma mulher é morta [no Brasil], e isso é inaceitável. Eu perdi uma funcionária há dois anos [em um caso de feminicídio] e desde esse período temos na empresa uma linha direta só para funcionários. Isso [violência doméstica] acontece muito. Nós temos um comitê no Mulheres do Brasil, estamos com a Maria da Penha, estamos no Congresso. Mas as políticas públicas no Brasil são muito melhores que em vários lugares do mundo.

O governo Jair Bolsonaro zerou repasses ao programa de combate à violência contra a mulher, como mostrou uma reportagem do jornal O Estado de S. Paulo recentemente. Como vocês do grupo veem isso?

A gente vê isso como uma coisa muito ruim. A gente quer que melhore, não vamos aceitar. Tudo que não é democrático, que está diminuindo [direitos] sociais, a gente é totalmente contra. Não quer dizer que somos contra o governo. A gente precisa melhorar os programas.

Recentemente, o presidente Jair Bolsonaro proferiu ofensas de cunho sexual contra a jornalista Patrícia Campos Mello, da Folha de S.Paulo. Como você viu esse episódio?

Temos um comitê de crise, e é uma crise isso. Hoje, se você abrir o site do grupo Mulheres do Brasil, a gente não fala mal do presidente, mas a gente escreve uma carta aberta a ela, à Patrícia, apoiando e dizendo que a gente não aceita qualquer tipo de discriminação.

Que tipo de machismo você mesma já sofreu?

Primeiro, eu gostaria de explicar o que é feminismo. Ser feminista é defender igualdade entre homens e mulheres. A gente vê como uma coisa um pouco diferente. Agora, claro que pra chegar mais perto, teve mulheres que tiveram que ir para a praça para queimar sutiã, e a minha neta já vai achar que não é necessário isso tudo aqui. Gozado… eu sou filha única, eu tenho uma autoestima boa. Até hoje sou a única presidente mulher do varejo, imagina como era isso há 40 anos. O que eu faço que acho que me ajudou muito, é que eu sou feminina. Então, o homem não se sente muito ameaçado. Eu chorava se fosse preciso, eu não usei ombreira, eu nunca usei calça comprida. Eu queria ser feminina mesmo.

Isso foi um esforço consciente, para deixar o fato de ser mulher evidente?

Sim, porque eu não queria perder minha essência. Eu sou do interior, eu venho de uma família que, eu já não fui tão simples, mas foi uma família simples, e eu sou mulher. E eu não queria perder tudo isso por poder e por dinheiro. Até hoje não uso calça comprida para trabalhar, não que eu seja contra. Então, respondendo à pergunta do machismo, isso me ajudou, porque quando eu chego perto do homem, eu chego muito feminina para administrar. Vai me ver falando firme, vai me ver não aceitando, mas muito feminina, e com muito respeito ao masculino dele. E também quando não dava certo, eu falava: "Tá bom, agora mesmo ele vai ver como eu tenho valor." Eu tenho muita autoestima, e é isso o que falta para o Brasil, a, autoestima.

Eu vejo uma preocupação do grupo de deixar claro que não são contra os homens. Você acha que as pessoas no geral ainda fazem confusão sobre o que é o feminismo?

Eu acho que fazem confusão sim. Somos um movimento de mulheres, mas os maridos estão cada vez estão mais entrosados. E estamos montando agora o Jovens do Brasil, que vai ter meninos e meninas, e quem vai coordenar é um homem, um menor aprendiz que trabalhou comigo por um ano. Poder ter um coordenador homem é legal. Todos sabem que a nossa luta é pelo Brasil.

Você já falou que equidade nas empresas tem que ser algo que parte de cima pra baixo. Como assim?

Se o presidente da empresa não comprar a diversidade, ela não vai embora. Ele pode ter os projetos e consultorias que quiser. Se o presidente não se envolver nisso e não quiser essa causa, ela dura pouco. Eu sou uma pessoa que sempre busquei isso, sou muito preocupada com a desigualdade. Na nossa empresa, tem 50% de mulheres, e tem 40% no conselho. Isso é tão natural lá.

Para mulher era muito difícil, porque ela tinha que ficar seis meses estagiando fora de casa [em outra cidade]. A gente percebia que tinha pouca mulher. A gente foi ver a causa: ela não queria ficar seis meses fora. e ela tinha que sustentar a casa. Aí, o que fizemos: há mais de 15 anos temos um "cheque-mãe" – toda mulher com filho até 11 anos de idade, recebe um cheque, porque às vezes não tem escola à disposição, ou para pagar a vizinha, ou para pagar a mãe –, e então a gente dobrou o cheque, para ela poder ter um sossego, e ela fica a até 100 quilômetros de casa. Os homens vão mais longe. Com pequenas "perolazinhas", que não custam nada pra empresa, como o "cheque-mãe", você ajuda a ter mais mulher, que hoje faz tanta falta no poder de decisão.

Neste ano, temos eleições municipais. Em 2016, o Mulheres do Brasil lançou uma plataforma digital para divulgar as candidaturas das vereadoras em São Paulo, e em 2018 teve um aplicativo que mapeava e divulgava candidaturas de mulheres. Neste ano farão algo parecido?

A gente está aperfeiçoando tudo isso.

Vocês pretendem preparar candidatas mulheres ou algo assim?

A gente tá trabalhando para votar em mulher. Mas a gente não inventa a roda. tem muitos movimentos preparando pessoas para serem políticos, os quais a gente dá força. Mas por enquanto a gente quer que o nosso grupo seja bem isento para poder ter força política, e chegar em Brasília e dialogar para o que é bom para o Brasil e ser ouvida.

Como que você vê as mulheres que foram eleitas recentemente?

A gente percebe que tem um movimento de mulheres que sabem que estão lá também para ter um papel de defesa da mulher. A gente acredita que o Brasil vai dar uma grande virada a partir do feminino. As pessoas antigas [não faziam isso] não era por mal, era por crenças limitantes, elas não tinham consciência do que elas poderiam representar para as mulheres e abrir portas.

Você é amplamente reconhecida como uma empresária de sucesso. Como você avalia economicamente o primeiro ano da gestão Jair Bolsonaro?

Acho que ano teve o outro jeito de fazer a reforma da Previdência, pode não ter sido a melhor, mas foi o que saiu. Sou a favor de muita privatização, menos saúde, educação e segurança. O Brasil é muito grande para o governo administrar tanta coisa. E eu acho que nesse aspecto o ministro da Economia tem feito um movimento muito a favor disso. Mas ainda não tá tudo dentro do que foi prometido, porque o país é democrático, depende do Congresso, exige muita discussão, mas nesse aspecto acho que eles têm trabalhado bastante. E eu sou totalmente contra a reeleição, sou a favor de ter cinco ou seis anos de governo, mas contra a reeleição, porque acho que a gente começa a trabalhar para a reeleição muito cedo, todos os partidos, não existe nenhum que não fez isso.

Você ganhou recentemente o prêmio Personalidade do Ano, da Câmara de Comércio Brasil-Estados Unidos, e concorreu com nomes como Fernando Henrique Cardoso...

Gozado que esse prêmio se chamava até pouco tempo atrás Homem do Ano, e elegia um brasileiro e um americano para serem homenageados. Eu estava em Lisboa, porque tenho uma filha lá, e quando me ligaram eu achei até que era meu filho que ia receber, e fiquei muito orgulhosa. Acho que passou um filme naquele momento, a menina do interior, que não mudou sua essência, que fala poRta, poRtão, não me formei em Harvard, não que eu esteja menosprezando, pelo contrário, e comecei a trabalhar muito cedo. Fiquei muito grata. Fiquei feliz de estar abrindo a porta para mulheres brasileiras. Esse negócio de falar que mulher não é amiga de mulher não é verdade.

Essa sua preocupação com as mulheres vem de onde?

Desde pequena eu sou muito ligada a injustiça. Quando vejo que para mulher estava tão ruim, quanto eu vi que para o negro estava tão ruim, quando eu vejo que não tem mulher e negro em diretoria, eu não gosto. A minha mãe falava: "por favor, não vai discutir com freiras do colégio". Porque eu fazia muito confronto quando eu via alguma coisa que não era legal.

______________

A Deutsche Welle é a emissora internacional da Alemanha e produz jornalismo independente em 30 idiomas. Siga-nos no Facebook | Twitter | YouTube
| App | Instagram | Newsletter


Autor: Larissa Linder

Notícias