PUBLICIDADE
Topo

O que se sabe sobre as vítimas dos atentados em Hanau

21/02/2020 21h07

O que se sabe sobre as vítimas dos atentados em Hanau - Os nove mortos eram de origem estrangeira e tinham entre 21 e 44 anos. Segundo o Departamento de Polícia Criminal, eles eram três alemães, dois turcos, um búlgaro, um romeno, um bósnio-herzegovino e um teuto-afegão.As nove pessoas mortas em dois atentados na cidade de Hanau, no oeste da Alemanha, eram de origem estrangeira, algumas delas com cidadania alemã, afirmou o procurador-geral alemão, Peter Frank, nesta sexta-feira (21/02).

De acordo com o Departamento Federal de Polícia Criminal, entre as vítimas havia três alemães, dois turcos, um búlgaro, um romeno, um bósnio-herzegovino e um cidadão alemão e afegão. Entre os feridos estão duas pessoas com nacionalidades alemã e turca e uma com passaporte alemão e afegão.

Por volta das 22h de quarta-feira, um alemão de 43 anos abriu fogo num bar de narguilé. Depois, atirou contra outro bar e um quiosque. Além dos nove mortos, que tinham entre 21 e 44 anos, outras seis pessoas ficaram feridas.

Após o massacre, o terrorista voltou para casa, onde matou a mãe, de 72 anos, e cometeu suicídio. Numa carta de confissão e em vídeos, o autor do crime expõe pensamentos racistas, defendendo ideologias de extrema direita.

Primeiro ataque

Quatro pessoas morreram no primeiro local, o Midnight Bar, no centro de Hanau. O dono do estabelecimento, o imigrante turco Sedat Gürbüz, de 30 anos, foi uma das primeiras pessoas a morrer. Segundo a revista alemã Stern, ele era da cidade turca de Hatai e abriu o bar de narguilé há dois anos.

De acordo com o jornal Hassenschau, outra vítima é Ferhat Ünvar, de 22 anos, que costumava se reunir com amigos no bar. De origem curda, ele nasceu na Alemanha e nunca esteve na Turquia. O pai dele disse à emissora alemã RTL que o filho tinha acabado de terminar os estudos e estava empolgado com o futuro.

Hamza Kurtovi?, 22 anos, cuja família fugiu da Bósnia-Herzegovina para a Alemanha durante a guerra nos anos 1990, também foi morto no primeiro ataque. Ele, assim como os três irmãos, nasceram na Alemanha.

Segundo ataque

O segundo tiroteio ocorreu no Arena Bar & Cafe, no bairro de Kesselstadt, a poucos quilômetros do centro da cidade. Gökhan Gültekin, de 37 anos, de família curda, foi morto no local. Ele havia estudado para ser pedreiro e também trabalhava como garçom.

Mercedes Kierpacz, de 35 anos, cidadã alemã com descendência cigana, trabalhava no bar na noite do crime e também foi morta. Ela deixa dois filhos.

Muhammed Beyazkindir, que foi baleado no massacre e está em recuperação, afirmou à mídia turca que o atacante "atirou em tudo o que viu".

As outras vítimas são Bilal Gökçe, o búlgaro Kalojan W, de 33 anos, que vivia na Alemanha há dois anos, e Vili Viorel P?un, de 23 anos, que se mudou da Romênia para a Alemanha aos 16 anos. Segundo a mídia romena, a mãe dele estava doente e buscava tratamento.

Na Alemanha, bares de narguilé pertencem frequentemente a imigrantes de origem turca ou curda e são bastante frequentados por pessoas de origem estrangeira.

Na noite de quinta-feira, milhares de pessoas se reuniram em várias cidades da Alemanha para prestar homenagem às vítimas, em meio a reivindicações para que as autoridades do país aumentem os esforços para combater o extremismo de direita.

Nesta sexta-feira, o governo da Alemanha anunciou que vai elevar a vigilância em "locais sensíveis", o que inclui sobretudo mesquitas, aeroportos, estações de trem e áreas de fronteira.

LE/ots

______________

A Deutsche Welle é a emissora internacional da Alemanha e produz jornalismo independente em 30 idiomas. Siga-nos no Facebook | Twitter | YouTube
| App | Instagram | Newsletter

Notícias