PUBLICIDADE
Topo

As principais notícias sobre a pandemia de coronavírus (10/04)

10/04/2020 06h02

As principais notícias sobre a pandemia de coronavírus (10/04) - Latam cancela todos os voos internacionais. Total de mortos no mundo ultrapassa 100 mil. Itália prolonga quarentena por três semanas. Garoto de 15 anos é primeiro ianomâmi a morrer por covid-19.Resumo desta sexta-feira (10/04):


Latam suspende todos os voos internacionais 30 de abril
tália prolonga quarentena rigorosa até 3 de maio
Mundo tem mais de 1,6 milhão de casos e 100 mil mortes
Brasil tem 17.857 casos confirmados e 941 mortes, segundo Ministério da Saúde
Garoto de 15 anos é primeiro ianomâmi a morrer por covid-19
EUA registram 32 mil casos e 1,7 mil mortes em 24 horas, menos que no dia anterior


Transmissão encerrada. As atualizações estão no horário de Brasília:

18:00 –Latam suspende voos internacionais

A maior companhia aérea da América Latina, Latam, decidiu suspender todos os seus voos internacionais até maio, em reação à crise global do coronavírus. "Devido às restrições sanitárias impostas por vários países, assim como à contínua queda de demanda causada pela pandemia de covid-19, as operações regulares de passageiros internacionais estarão suspensas de 13 a 30 de abril", anunciou o grupo brasileiro-chileno em comunicado.

A Latam conecta normalmente 145 destinos em 26 países, com cerca de 1.400 voos por dia. Ela anunciou que manterá os voos domésticos no Brasil e Chile "na medida em que haja demanda".

17:30 –Turquia adota toque de recolher

O governo da Turquia decretou toque de recolher em 31 cidades até a meia-noite da segunda-feira (13/04). Entre as afetadas está a maior metrópole do país, Istambul e a capital Ancara, assim como Izmir e Antalya. O país registra até o momento 47 mil contágios e 1.006 mortes.

16:30 – Itália prorroga quarentena

Diante do aumento de novos casos, o primeiro-ministro da Itália, Giuseppe Conte, anunciou a prorrogação da quarentena rigorosa por mais três semanas, até 3 de maio, numa "difícil" decisão. Desde 10 de março, os italianos só podem deixar a casa para ir ao trabalho, ao médico ou fazer compras.

15:30 – Total de mortos ultrapassa 100 mil

Segundo especialistas dos Estados Unidos, de um total de mais de 1,65 milhão de contágios, até a tarde da sexta-feira 100.376 haviam morrido em decorrência da pandemia de coronavírus, em todo o mundo. Os dados são da Universidade Johns Hopkins, que atualiza suas estatísticas com maior frequência do que a Organização Mundial de Saúde (OMS). A maioria das mortes – 18.849 – ocorreu na Itália, e cerca de 368.700 pacientes se recuperaram.

Pela primeira vez, o Reino Unido ultrapassou os italianos no número de novos óbitos por dia, totalizando 980, segundo o ministro britânico da Saúde, Matt Hancock. O pior dia para a Itália, até o momento, foi 27 de março, com 969 mortes.

13:00 – Na Sexta-feira Santa, centenas de cristãos vão a culto na Alemanha

Centenas puderam assistir a um culto em celebração à Sexta-feira Santa na cidade alemã de Düsseldorf, apesar da pandemia de coronavírus, graças a um cinema drive-in.

Cerca de 400 carros compareceram ao local, e o serviço ecumênico pôde ser ouvido pelos fiéis através dos rádios de seus veículos. O culto foi ministrado em conjunto por um padre católico e um pastor protestante, que ficaram lado a lado num palco.

Os ingressos foram disponibilizados gratuitamente pela internet e, na entrada do evento, foram conferidos pelas janelas dos carros para reduzir o risco de infecção.



12:30 – Viajantes chegando à Alemanha do exterior obrigados a ficar em quarentena

A partir desta sexta-feira, viajantes que chegam à Alemanha do exterior precisam ficar em quarentena por duas semanas, sob as novas regras para impedir a disseminação do coronavírus no país. No aeroporto de Frankfurt, maior centro de transportes da Alemanha, milhares de pessoas foram afetadas pela medida.

A polícia esteve presente no aeroporto para informar os viajantes sobre as regras, o que também significa que eles devem se reportar à autoridade de saúde local ao voltar para casa.

Existem isenções para caminhoneiros, passageiros transfronteiriços e pessoas que passaram menos de 24 horas fora do país, com a regulamentação em vigor até pelo menos 19 de abril.

11:40 – EUA expulsam milhares de migrantes para o México sob medida anticoronavírus

Os Estados Unidos já expulsaram quase 10 mil migrantes mexicanos e centro-americanos sem documentos na fronteira do país com o México, usando poderes de emergência decretados para conter a propagação do novo coronavírus, afirmaram autoridades.

A medida de 21 de março permite que sejam anulados os efeitos de leis migratórias americanas, agilizando assim processos de remoção de estrangeiros. Críticos afirmam que a ordem de emergência em saúde pública está sendo usada como extensão das políticas rígidas anti-imigração.

A medida, emitida pelos Centros e Controle e Prevenção de Doenças (CDC) dos EUA e inicialmente em vigor por 30 dias, proíbe a entrada de estrangeiros considerados como "um sério perigo" para a propagação de doenças transmissíveis.

11:00 – UE firma acordo de 500 bilhões de euros contra crise do coronavírus

Após horas de debates e desentendimentos, os ministros das Finanças da União Europeia (UE) chegaram a um acordo na quinta-feira sobre um pacote de medidas econômicas de 500 bilhões de euros para apoiar países, empresas e trabalhadores durante a pandemia de coronavírus.

O comissário de Economia da UE, o italiano Paolo Gentiloni, descreveu o acordo como "um pacote de tamanho sem precedente para apoiar sistemas de saúde, fundos de desemprego, liquidez para empresas e o fundo para um plano de recuperação".

"Hoje é um grande dia para a solidariedade europeia", disse, por sua vez, o ministro das Finanças alemão, Olaf Scholz. "Trata-se da saúde dos cidadãos, trata-se de garantir empregos, e trata-se de muitas empresas sobrevivendo a essa crise."

Leia a notícia completa

10:20 – Pandemia pode levar até 580 milhões de pessoas de volta à pobreza

A pandemia de coronavírus pode levar de 420 milhões a 580 milhões de pessoas de volta à pobreza, no pior cenário possível, desfazendo cerca de dez anos de trabalhos no combate ao problema, afirmam pesquisadores da Universidade das Nações Unidas em Tóquio, no Japão.

O estudo acredita que Oriente Médio, Norte da África, África Subsaariana e Sul da Ásia serão as regiões mais atingidas nesse sentido.

"O potencial impacto da covid-19 representa um verdadeiro desafio ao Objetivo de Desenvolvimento Sustentável [ODS] da ONU de acabar com a pobreza até 2030, porque aumentos na dimensão relativa e absoluta do número de pobres podem representar uma reversão de aproximadamente uma década de progresso na redução da pobreza", dizem os pesquisadores.

09:15 – Ministro alemão diz que Trump demorou muito para agir contra coronavírus

O ministro do Exterior alemão, Heiko Maas, criticou a demora do presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, em reagir à pandemia de coronavírus. "A China adotou medidas muito autoritárias, enquanto nos EUA o vírus foi minimizado por muito tempo", afirmou ele à revista Der Spiegel. "São dois extremos, nenhum dos quais pode ser modelo para a Europa."

Maas ainda disse esperar que Washington repense suas relações internacionais em meio à crise de covid-19, acrescentando que políticas comerciais agressivas podem prejudicar a capacidade de países adquirirem equipamentos de proteção.

Os EUA são o país com o maior número de casos confirmados de coronavírus, com mais de 460 mil ocorrências, o que corresponde a mais de um quarto de todas as infecções mundiais. Mais de 16 mil pacientes morreram devido à doença.

08:30 – Garoto de 15 anos é primeiro ianomâmi a morrer por covid-19

Um jovem ianomâmi de 15 anos morreu na noite desta quinta-feira num hospital em Boa Vista, em Roraima. Ele é o primeiro ianomâmi a morrer após contrair o novo coronavírus. O adolescente recebia cuidados em um leito de UTI desde 3 de abril.

Segundo o Distrito Sanitário Especial Indígena (Dsei) que atende a região, ele era natural da aldeia Rehebe, nos domínios da Terra Indígena Ianomâmi, mas passou a morar no município de Alto Alegre, a 87 quilômetros da capital de Roraima. O motivo da mudança para a Terra Indígena Boqueirão foi dar continuidade aos estudos do ensino fundamental. Ainda segundo o Dsei, o adolescente morava com uma liderança indígena.

Entidades de defesa da causa indígena, como o Instituto Socioambiental (ISA) e o Conselho Indigenista Missionário (Cimi), têm denunciado a subnotificação de casos de covid-19 entre indígenas e demonstrado preocupação com o risco para as comunidades.

Ambas alertam que ao menos outros dois indígenas contaminados pelo novo coronavírus já morreram e que o governo federal não registrou as ocorrências no balanço. As vítimas seriam uma mulher da etnia borari, de 87 anos, que morreu em Alter do Chão, no município de Santarém (PA), e um homem de 55 anos, do povo mura, morto em Manaus.

07:30 – Espanha tem menor aumento diário de mortes em 17 dias

A Espanha registrou mais 605 mortes por covid-19 nesta sexta-feira – o número diário mais baixo em 17 dias. Dados do Ministério da Saúde espanhol estimam o número de total de vítimas em 15.843. Além disso, o país confirmou 4.576 novos casos da doença, elevando o total de infecções para 157.022. A Espanha já é o país com o maior número de pacientes infectados na Europa.



06:40 – Itália deve estender restrições até maio

A Itália estenderá a maior parte de suas medidas restritivas até 3 de maio para evitar uma segunda onda de contágio, afirmou a imprensa local. O primeiro-ministro Giuseppe Conte deverá emitir um decreto ainda nesta sexta-feira ou no sábado proibindo cidadãos de passear em parques, por exemplo.

Segundo o jornal Corriere della Sera, o chefe de governo permitirá que um pequeno número de empresas, como papelarias e fabricantes de máquinas agrícolas, reabra quando as medidas vigentes expirarem em 13 de abril, em meio à crescente pressão para o retorno da normalidade.

A maioria dos italianos está proibida de deixar suas casas desde 12 de março. "Se os cientistas confirmarem, podemos começar a relaxar algumas medidas até o final deste mês", afirmou Conte à emissora britânica BBC na quinta-feira.

A Itália é o país com maior número de mortes por covid-19 no mundo, somando mais de 18 mil vítimas. Em número de casos, fica atrás dos Estados Unidos e da Espanha, com o registro de mais de 143 mil infecções até o momento.

06:10 – Coronavírus ameaça a segurança internacional, diz chefe da ONU

O Conselho de Segurança das Nações Unidas se reuniu pela primeira vez para discutir a pandemia de coronavírus. A reunião virtual foi organizada pela Alemanha e ocorreu após nove dos dez membros não permanentes pedirem para debater a situação.

O órgão, que tem se mantido em silêncio desde o início do surto em dezembro, é encarregado de manter a paz e a segurança internacionais, mas seus Estados-membros discordam sobre de que forma isso deve ser feito quando se trata da crise da covid-19.

O secretário-geral da ONU, António Guterres, pediu para que os membros se unam no combate ao vírus, afirmando que esse compromisso será "crítico para mitigar as consequências da pandemia de covid-19 na paz e na segurança".

"A pandemia também representa uma ameaça significativa para a manutenção da paz e segurança internacionais, potencialmente levando a um aumento da agitação social e da violência que prejudicaria muito nossa capacidade de combater a doença", disse ele durante a reunião.

Segundo Guterres, a ONU passa por seu teste mais grave desde que foi fundada, há 75 anos. "Esta é a luta de uma geração e a razão de ser das próprias Nações Unidas."

Contudo, tanto os Estados Unidos quanto a China têm relutado em envolver o Conselho de Segurança no combate à pandemia. O presidente americano, Donald Trump, vem insistindo repetidamente em se referir à origem chinesa do vírus, irritando Pequim.

Enquanto a Alemanha descreveu a pandemia como uma "questão internacional de paz e segurança", vários outros países, como China, Rússia e África do Sul, defenderam que questões de saúde não fazem parte do escopo do Conselho de Segurança.

Leia a notícia completa

05:30 – EUA têm 32 mil casos e 1,7 mil mortes em 24 horas

Os Estados Unidos registraram 32.385 novos casos confirmados de coronavírus e mais de 1.700 mortes na quinta-feira. Embora ainda alto, o número de óbitos em 24 horas foi menor do que o reportado no dia anterior, quando o país bateu um recorde diário de mortos (1.973).

Até o balanço oficial de quinta-feira, o número total de infecções nos EUA ultrapassava 460 mil, o mais alto em todo o mundo, e o de mortes superava 16 mil, ficando atrás apenas da Itália.

00:00 – Resumo dos principais acontecimentos de quinta-feira (09/04):


Brasil tem 17.857 casos confirmados e 941 óbitos, segundo Ministério da Saúde
Boris Johnson deixa UTI, mas continua internado
2,5 milhões de brasileiros receberam auxílio emergencial de 600 reais
Mortes na Alemanha ultrapassam 2.100
Itália volta a registrar alta no número de mortos
Número de casos e de mortes na Espanha cai após dois dias de alta


_____________

A Deutsche Welle é a emissora internacional da Alemanha e produz jornalismo independente em 30 idiomas. Siga-nos no Facebook | Twitter | YouTube
| App | Instagram | Newsletter

Notícias