UOL Notícias Notícias
 

04/03/2006 - 01h43

Arias, Prêmio Nobel da Paz e novamente presidente da Costa Rica

Douglas Marín M.

San José, 3 mar (EFE).- Oscar Arias Sánchez, prêmio Nobel da Paz em 1987, voltará a assumir o poder na Costa Rica após uma acirrada disputa nas eleições contra o centrista Ottón Solís, com o desafio de estabelecer o diálogo com seus adversários políticos para "encaminhar" seu país rumo ao desenvolvimento.

Arias, do Partido Libertação Nacional (PLN, social-democrata), se proclamou hoje "presidente de todos os costarriquenhos" com a promessa de cumprir com o estabelecido em seu plano de Governo, que prevê a condução da Costa Rica ao desenvolvimento pleno em 2021.

O prêmio Nobel da Paz volta a ser presidente após ter ficado 20 anos afastado da política, desde que terminou seu primeiro mandato (1986-1990) à frente da Chefia de Estado.

De acordo com cálculos da Associação de Imprensa Estrangeira da Costa Rica (APEX) baseados nas atas oficiais divulgadas pelo tribunal eleitoral, Arias obteve 664.556 votos e o economista Ottón Solís 646.391, tendo vantagem de 18.165 sufrágios (1,1% do total).

Desta forma, Arias será o primeiro governante reeleito desde 1970, quando governou pela terceira vez o caudilho José Figueres Ferrer, fundador do PLN na década de 40.

Conhecido internacionalmente por ser o "arquiteto" do Plano de Paz que pôs fim às guerras das décadas de 70 e 80 na América Central, Arias deu nova vida ao PLN com seu retorno à vida pública.

O PLN viu nas últimas duas eleições seu tradicional rival, o Partido Unidade Social Cristã (PUSC), eleger seus candidatos para presidente do país. A presença de Arias injetou novo ânimo na legenda para a disputa do pleito, realizado em 5 de fevereiro.

Entre os principais desafios a serem enfrentados pelo ex-governante estão a pobreza, que em 2005 afetou 21,2% da população do país, e uma inflação de 14,07%. Também terá de fomentar o crescimento da economia da Costa Rica, que em 2005 foi de 4,1%.

Nascido em uma família rica, Arias se formou doutor em ciências políticas na Universidade de Essex (Inglaterra). Possui também os diplomas de advogado e economista.

O vencedor das últimas eleições dedicou sua vida às atividades acadêmicas ao lado de seu irmão Rodrigo, principal conselheiro e responsável pelos inúmeros negócios da família ligados à produção de café, cana-de-açúcar e a diversos setores da economia.

Aos 65 anos, Arias possui uma mente "moderna, flexível e aberta a mudanças", segundo gosta de definir. O dirigente aposta no livre comércio, na abertura das telecomunicações e dos seguros, atualmente nas mãos de empresas estatais, no fortalecimento da educação e em um sistema tributário mais justo na Costa Rica.

Seus oponentes o classificam como "neoliberal", "obsoleto", "cansado", "egocêntrico" e até "medroso".

Arias foi ministro do Planejamento no Governo de Daniel Oduber (1974-1978), deputado de 1978 a 1982 e presidente de 1986 a 1990.

Como chefe de Estado, trabalhou pela paz na América Central. Em seu país a obra mais lembrada é a luta contra a pobreza, pois distribuiu casas a 80 mil famílias pobres.

Arias, pai de dois filhos, Silvia Eugenia e Oscar Felipe, volta ao poder sem uma primeira-dama, pois é divorciado.

Siga UOL Notícias

Tempo

No Brasil
No exterior

Trânsito

Cotações

  • Dólar comercial

    16h59

    -1,22
    3,142
    Outras moedas
  • Bovespa

    17h21

    0,67
    70.477,63
    Outras bolsas
  • Hospedagem: UOL Host