UOL Notícias Notícias
 

08/03/2006 - 21h21

Morales acusa EUA de agressão e diz que não devolverá armamento

La Paz, 8 mar (EFE).- O presidente boliviano, Evo Morales, acusou hoje os Estados Unidos de "agressão" e anunciou que não devolverá o armamento doado pelos americanos a uma unidade antiterrorista das Forças Armadas bolivianas como parte de uma ajuda militar suspensa na sexta-feira passada.

"Estou recebendo muita agressão, muita provocação da embaixada dos Estados Unidos; portanto, do Governo dos Estados Unidos", disse Morales em entrevista coletiva com jornalistas estrangeiros no Palácio Quemado de La Paz, sede presidencial.

Sob um retrato do líder guerrilheiro Ernesto Che Guevara, Morales pediu "transparência, sinceridade e responsabilidade" ao embaixador americano, David Greenlee, com quem iria se reunir hoje mesmo.

A assistência militar americana à Força Contra o Terrorismo Conjunta (FCTC) está avaliada em US$ 380 mil, dos quais US$ 70 mil correspondem a equipamentos e armas já entregues à unidade, e a Embaixada dos EUA anunciou que pretende cobrá-los esta semana.

"Há uma instrução do capitão geral das Forças Armadas (Morales) ao Alto Comando Militar de não devolver nenhum armamento", disse o governante boliviano a respeito, embora tenha dito que, se houver uma solicitação diplomática, vai analisar.

Morales também advertiu que não "vai permitir a intromissão permanente da embaixada dos Estados Unidos usando alguns militares".

Através de uma carta, o chefe da Missão Militar dos Estados Unidos na Bolívia, Daniel Barreto, comunicou a Morales na sexta-feira passada a decisão de Washington de retirar a assistência à FCTC e de pegar nessa sexta-feira o equipamento logístico e militar doado.

"Em vez de pedir a devolução do armamento, os EUA deveriam nos devolver os mísseis, e não desativá-los", disse.

Morales fazia referência ao transporte e destruição do arsenal terra-ar do Exército boliviano, numa operação secreta feita durante o Governo do ex-presidente Eduardo Rodríguez.

Morales também criticou Greenlee por cancelar recentemente o visto de Leonilda Zurita, senadora de seu partido, o Movimento ao Socialismo (MAS), e dirigente sindical dos camponeses cultivadores de folha de coca.

"Quando era dirigente, tinha visto. Agora que é senadora, tiram seu visto e a acusam de terrorista", disse ao anunciar que pedirá provas ao diplomata da acusação que motivou a retirada do direito de Zurita.

Ele considerou também que, graças ao MAS, não há rebeliões armadas na Bolívia, como o peruano Sendero Luminoso, no Peru, e as Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (Farc).

Sobre sua reunião com Greenlee, ele anunciou que será debatida a agenda de uma reunião com a secretária de Estado americana, Condoleezza Rice, no Chile, durante a posse da presidente socialista Michelle Bachelet.

Siga UOL Notícias

Tempo

No Brasil
No exterior

Trânsito

Cotações

  • Dólar comercial

    16h59

    0,13
    3,270
    Outras moedas
  • Bovespa

    17h21

    -0,51
    63.760,94
    Outras bolsas
  • Hospedagem: UOL Host