UOL Notícias Notícias
 

02/04/2006 - 21h22

Morales aproveitará relação com Lula para negociar preço de gás

La Paz, 2 abr (EFE).- O presidente da Bolívia, Evo Morales, afirmou hoje que aproveitará a relação com o presidente brasileiro, Luiz Inácio Lula da Silva, para negociar o aumento dos envios e o preço do gás que exporta para o Brasil na 47ª Assembléia Anual do BID, que começa nesta segunda-feira.

Em entrevista coletiva antes de viajar para Belo Horizonte, sede da reunião do Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID), Morales anunciou que vai se reunir com representantes do Governo Lula para conversar sobre a situação da Petrobras na Bolívia, uma das multinacionais afetadas por sua intenção de aumentar os benefícios do negócio para os bolivianos.

Morales se reunirá na segunda-feira com o assessor especial da Presidência do Brasil para assuntos internacionais, Marco Aurélio Garcia, segundo fontes governamentais.

"Uma coisa é a Petrobras, seus representantes, e outra coisa é o Governo, o presidente, com o qual temos nossa afinidade, nossa amizade", disse hoje o governante boliviano sobre a viagem.

Evo declarou que "há muita irmandade" com o Brasil, país ao qual considerou "um irmão maior", por isso "há uma maior flexibilidade nas relações", sustentou.

Ele esclareceu que as negociações entre o Governo de La Paz e a empresa petrolífera brasileira "não estão encerradas", apesar das declarações da semana passada entre seu ministro de Hidrocarbonetos, Andrés Soliz, e executivos da companhia.

O presidente da Petrobras, José Sérgio Gabrielli, pediu hoje a Morales em Belo Horizonte retomar o diálogo sobre suas atividades na Bolívia e advertiu que um problema de abastecimento de gás do país andino afetaria todo o Brasil.

"Neste momento nós estamos acreditando na reabertura do diálogo, estamos querendo uma reabertura do diálogo e continuaremos insistindo em uma solução negociada", disse à imprensa.

Morales anunciou que tem "muito interesse em que haja um maior investimento, mas fundamentalmente em como aumentar os volumes de exportação e o preço", as razões da controvérsia.

Disse, além disso, que "é totalmente falso" que a Venezuela pretenda vender o hidrocarboneto mais barato ao Brasil mediante a construção de um gigantesco gasoduto que atravessaria a América do Sul, em um projeto no qual a Argentina também está interessada.

Evo Morales explicou que a tarefa "fundamental" em Belo Horizonte será "persuadir a comunidade internacional a perdoar a dívida que a Bolívia tem", como com o BID, que ultrapassa US$ 1,5 bilhão.

Siga UOL Notícias

Tempo

No Brasil
No exterior

Trânsito

Cotações

  • Dólar comercial

    17h00

    0,40
    3,279
    Outras moedas
  • Bovespa

    17h20

    0,95
    63.257,36
    Outras bolsas
  • Hospedagem: UOL Host