UOL Notícias Notícias
 

26/04/2006 - 14h27

Argentina: conflito por fábricas de celulose não afetou Mercosul

Buenos Aires, 26 abr (EFE).- O Governo da Argentina considerou hoje que o conflito que mantém com o Uruguai por causa da instalação de duas fábricas de celulose não afetou institucionalmente o Mercosul, bloco formado pelos dois países mais Brasil e Paraguai.

O secretário argentino de Integração Econômica, Eduardo Sigal, disse que apesar de ser necessário "ajustar" alguns mecanismos do bloco regional o Mercosul não é construído "no abstrato, e sim com a intervenção dos quatro países que o formam".

Na semana passada, o presidente do Uruguai, Tabaré Vázquez, assegurou em Assunção que o Mercosul "não serve" às aspirações de seu país e afirmou que é necessário melhorar o funcionamento do bloco.

"Queremos um Mercosul que realmente favoreça nossos povos e atualmente estamos encontrando severos problemas e grandes dificuldades", declarou Vázquez, referindo-se ao conflito pelas fábricas de celulose e a supostas desigualdades comerciais dentro do bloco.

Em entrevista a rádios de Buenos Aires, Sigal sustentou hoje que todas as nações integrantes (do Mercosul) promoveram nos anos 90 "o paradigma do livre-comércio e do neoliberalismo".

"E agora estamos vivendo as conseqüências", afirmou, antes de reiterar que a polêmica criada pelas fábricas de celulose que estão sendo construídas na cidade uruguaia de Frei Bentos "do ponto de vista institucional não afetou em nada" o bloco sul-americano.

A polêmica causada pela construção das fábricas da espanhola Ence e da finlandesa Botnia nas margens do rio Uruguai, fronteira natural entre os dois países, se arrasta há um ano.

A Argentina assegurou que recorrerá à Corte Internacional de Justiça de Haia para solucionar um conflito que, segundo sua opinião, é de absoluto caráter bilateral, e se negou, como presidente temporária do Mercosul, a convocar uma reunião do máximo organismo do bloco, como o Uruguai pediu.

O Governo de Vázquez pretende mostrar ao Conselho do Mercosul as conseqüências econômicas geradas pelos impedimentos ao livre trânsito na fronteira entre Argentina e Uruguai devido aos bloqueios realizados por cidadãos argentinos que não querem as fábricas de celulose por causa de seu suposto impacto no meio ambiente.

Os analistas políticos consideram que o Mercosul passa pelo pior momento desde sua criação, há 15 anos, nas vésperas da cúpula União Européia-América Latina, prevista para 13 de maio em Viena.

Siga UOL Notícias

Tempo

No Brasil
No exterior

Trânsito

Cotações

  • Dólar comercial

    16h59

    1,02
    3,178
    Outras moedas
  • Bovespa

    17h20

    -0,90
    67.976,80
    Outras bolsas
  • Hospedagem: UOL Host