UOL Notícias Notícias
 

11/09/2006 - 10h44

EUA insistem na suspensão plena do programa nuclear iraniano

Viena, 11 set (EFE).- Os Estados Unidos rejeitaram hoje a suposta proposta do Irã de interromper temporariamente seu programa de enriquecimento de urânio e exigiram uma "suspensão plena" como condição para voltarem à mesa de negociações.

O embaixador americano na Agência Internacional de Energia Atômica (AIEA), Gregory Schulte, afirmou em Viena que uma suspensão temporária, como a que o negociador nuclear iraniano, Ali Larijani, teria oferecido no último fim de semana, não seria aceitável para Washington.

Antes do início de uma reunião do Conselho de Governadores da AIEA, Schulte disse que, na resolução 1696, adotada em 31 de julho, o Conselho "não pediu ao Irã uma suspensão por um ou dois meses, mas uma suspensão plena".

"O que está claro é que o Irã deve suspender suas atividades de enriquecimento de urânio. Se o fizesse, seria uma boa notícia. Isso nos permitiria continuar com as negociações e suspender as ações do Conselho de Segurança", afirmou.

Além disso, o diplomata rejeitou a possibilidade de que o Irã continue operando suas centrífugas vazias, sem introduzir urânio em gás para enriquecer este material.

"Medidas pela metade não servem. Queremos uma suspensão plena, porque estamos preocupados com o fato de o Irã aprender a dominar essa tecnologia. E operar as centrífugas vazias também ajudará a dominar essa tecnologia", afirmou.

Ainda hoje, um diplomata europeu confirmou que Larijani teria oferecido uma interrupção de enriquecimento de urânio por dois meses, durante suas conversas com o responsável pela Política Externa da União Européia (UE), Javier Solana.

No entanto, essa fonte, que pediu para não ser identificada, também disse que uma suspensão temporária não seria suficiente, já que o pacote de incentivos nucleares apresentado pelas cinco potências do Conselho de Segurança mais a Alemanha prevê uma "suspensão a longo prazo, por vários anos".

O enriquecimento de urânio está no centro da disputa sobre o programa nuclear do Irã, já que esse material tem aplicações tanto civis como militares.

EUA, Rússia, China, França, Reino Unido e Alemanha propuseram ajudar o Irã em seu desenvolvimento nuclear e comercial em troca da suspensão do enriquecimento e outras garantias que assegurem a natureza pacífica de suas atividades atômicas.

O Irã respondeu a proposta em 22 de agosto, mas sem esclarecer totalmente se a aceita ou rejeita.

O diretor-geral da AIEA, Mohamed ElBaradei, expressou hoje sua "séria preocupação" com a falta de cooperação do Irã, mas também qualificou de "encorajador", o diálogo entre Solana e Larijani.

Em todo caso, ElBaradei advertiu que "esta janela de oportunidade não é muito ampla" e que as partes deveriam voltar o quanto antes às negociações para evitar uma escalada da crise.

Siga UOL Notícias

Tempo

No Brasil
No exterior

Trânsito

Cotações

  • Dólar comercial

    16h59

    0,40
    3,181
    Outras moedas
  • Bovespa

    17h20

    2,01
    70.011,25
    Outras bolsas
  • Hospedagem: UOL Host