UOL Notícias Notícias
 

22/11/2006 - 06h52

China inaugura primeira linha de ajuda psicológica a lésbicas

Pequim, 22 nov (EFE).- A China inaugurou sua primeira linha de atendimento psicológico a lésbicas, que no país asiático sofrem uma grande pressão das famílias para se casarem com homens, segundo informou hoje a agência oficial "Xinhua".

A linha telefônica, na cidade de Xangai, conta com o apoio de uma fundação de Hong Kong e deu formação a profissionais também lésbicas (conhecidas na China como "lala") para aconselhamento.

Segundo a socióloga Li Yinhe, muitas lésbicas chinesas sofrem pressões para se casarem com homens, o que acaba levando à depressão.

"Tanto a sociedade quanto as famílias e os amigos das lésbicas deveriam ser mais compreensivos e tolerantes", explica a socióloga e sexóloga, que há mais de uma década luta pela abertura sexual na China.

A fundação Chi Heng, dirigida por Chung To, um homossexual assumido, espera que o serviço seja útil para seu público.

"Contratamos lésbicas porque elas compreendem suas pressões", explicou.

Embora a China não disponha de estatísticas oficiais sobre a homossexualidade, o Ministério da Saúde avalia que até o fim de 2004 havia até 10 milhões de homens homossexuais no país. Alguns especialistas elevam o número para 30 milhões.

A maioria dos gays e lésbicas chineses não se atreve a revelar publicamente a sua orientação sexual. Eles são obrigados a recorrer à prostituição ou a situações em que se expõem mais ao vírus da aids e a doenças sexualmente transmissíveis.

Segundo as estimativas oficiais, 1% dos homossexuais chineses contraiu o vírus da imunodeficiência humana (HIV).

Nos últimos anos foram criadas linhas de atendimento telefônico para homossexuais em cidades como Pequim, Xangai e Cantão. A maioria foi criada por voluntários gays, especialistas locais e organizações de planejamento familiar.

Xangai foi também cenário, no mês passado, da criação da primeira associação chinesa de gays e lésbicas. A iniciativa criou uma grande polêmica, já que até 2001 o Governo comunista considerava os homossexuais como doentes mentais, uma postura ainda comum na sociedade.

Siga UOL Notícias

Tempo

No Brasil
No exterior

Trânsito

Cotações

  • Dólar comercial

    16h59

    0,12
    3,283
    Outras moedas
  • Bovespa

    17h21

    -0,05
    63.226,79
    Outras bolsas
  • Hospedagem: UOL Host