UOL Notícias Notícias
 

14/12/2006 - 11h22

Investigação conclui que morte de Diana foi "um trágico acidente"

Londres, 14 dez (EFE).- O ex-comissário-chefe da Scotland Yard John Stevens, responsável pela investigação policial britânica sobre a morte da princesa Diana de Gales, assegurou hoje que esta ocorre devido a um trágico acidente e que as alegações de que houve um complô para assassiná-la "não tem fundamento".

Após três anos de investigações, o veterano policial concluiu que a princesa não estava grávida quando morreu nem prometida para se casar com Dodi, como se especulava.

A ex-esposa do príncipe Charles, de 36 anos, e seu amante, de 42, morreram em 31 de agosto de 1997 quando o Mercedes no qual viajavam bateu contra uma coluna do túnel Alma em Paris.

Stevens confirmou que o motorista do casal, Henri Paul, que também morreu no acidente, conduzia em grande velocidade e estava alcoolizado.

Em seu relatório de 832 páginas, que será publicado na internet, Stevens afirma que "não há provas" que sustentem as teorias de conspiração, feitas sobretudo pelo pai de Dodi, Mohammed Al Fayed, de que o choque em que o casal morreu foi provocado.

"Isto foi um trágico acidente. Não houve nenhuma conspiração para matar nenhum dos ocupantes do carro", assegurou o policial.

Siga UOL Notícias

Tempo

No Brasil
No exterior

Trânsito

Cotações

  • Dólar comercial

    16h59

    1,02
    3,178
    Outras moedas
  • Bovespa

    17h20

    -0,90
    67.976,80
    Outras bolsas
  • Hospedagem: UOL Host