UOL Notícias Notícias
 

07/05/2007 - 13h14

Governo de Olmert enfrenta várias moções de censura no Parlamento

Jerusalém, 7 mai (EFE).- O Governo do primeiro-ministro israelense, Ehud Olmert, enfrentará hoje várias moções de censura no Parlamento (Knesset) devido aos erros supostamente cometidos no conflito no Líbano, em 2006, contra a milícia xiita Hisbolá.

Entre os partidos que apresentarão estas moções está o Likud, da direita nacionalista, cujo presidente, o ex-primeiro-ministro Benjamin Netanyahu, exigiu hoje eleições antecipadas.

O debate foi solicitado pela oposição devido ao relatório da Comissão Winograd, que investigou os erros do conflito e responsabilizou pessoalmente Olmert, o ministro da Defesa, Amir Peretz, e o ex-chefe das Forças Armadas, general Dan Halutz.

Os observadores dão como certo que a coalizão que respalda o Governo, com 78 das 120 cadeiras da Knesset, derrotará as moções de censura.

O Partido Trabalhista, presidido por Peretz, associado no Governo com o Kadima, liderado por Olmert, concedeu liberdade de voto a seus legisladores.

Segundo fontes parlamentares, a maioria deles "votará com os pés", isto é, se ausentarão do recinto quando começar a votação das moções de censura.

O ministro das Infra-estruturas, Binyamin Ben-Eliezer, do Partido Trabalhista, advertiu que "é preciso corrigir rapidamente os erros indicados pela Comissão Winograd, mas, se foram realizadas eleições antecipadas, significará o retorno de Netanyahu ao poder".

Também seria um novo adiamento dos programas para alcançar a paz com os palestinos e com o mundo árabe.

Siga UOL Notícias

Tempo

No Brasil
No exterior

Trânsito

Cotações

  • Dólar comercial

    16h59

    -0,31
    3,266
    Outras moedas
  • Bovespa

    17h20

    1,60
    62.662,48
    Outras bolsas
  • Hospedagem: UOL Host