UOL Notícias Notícias
 

03/09/2007 - 12h05

Chefe das Farc ligado a Fernandinho Beira-Mar morre em operação do Exército

(Precisa lugar onde o guerrilheiro foi morto e fontes da informação) Bogotá, 3 set (EFE).- O guerrilheiro Tomás Medina Caracas, conhecido como "Negro Acacio", responsável pelo negócio das drogas dentro das Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (Farc), foi morto a tiros pelo Exército colombiano na região de Vichada, informou hoje a rádio "RCN".

Foi sócio do traficante Fernandinho Beira-Mar, detido em 19 de abril de 2001 nas selvas de Guainía e entregue à Justiça brasileira, onde foi condenado a 30 anos de prisão.

Medina Caracas, chefe da frente número 16 das Farc e que tinha um pedido de extradição contra ele feito por juízes dos Estados Unidos, morreu no fim de semana passado na região de Cumaribo, cerca de 400 quilômetros ao sudeste de Bogotá, segundo um porta-voz militar.

"Negro Acacio" era considerado o cérebro da gestão dos recursos obtidos pelas Farc com o tráfico de cocaína com destino à cúpula do grupo e à compra de armas.

As fontes oficiais confirmaram que, no domingo à noite, a "Força de Tarefa Ômega" - esquadrão de elite do Exército - atacou o acampamento de "Negro Acacio" e manteve fortes combates.

No fim de semana, foi mencionada a possibilidade de que um importante líder das Farc tivesse sido morto pelo Exército, mas a notícia foi divulgada após a comparação das impressões digitais do insurgente que morreu, acrescentaram as mesmas fontes.

"Negro Acacio" tinha pelo menos 17 ordens de captura contra ele e uma circular de detenção internacional emitida pela Interpol.

O guerrilheiro era procurado há mais de dois anos pelo Exército colombiano, que afirmou ter estado perto de detê-lo várias vezes.

Medina Caracas se reunia há seis anos com Fernandinho Beira-Mar nas selvas colombianas de Vichada, limite com o Brasil e a Venezuela, para conduzir grandes negócios de cocaína em troca de fuzis e munição.

"Negro Acacio" conseguiu escapar em 2001 da operação "Gato Preto", lançada para detê-lo e na qual Fernandinho Beira-Mar foi detido.

A morte deste chefe das Farc é considerada a mais importante de um líder da organização nos últimos anos.

Na semana passada, foi descoberto um acampamento na mesma zona na qual estaria Carlos Antonio Lozada, que foi um dos negociadores das Farc nas gestões de paz realizadas no Governo de Pastrana e que teria conseguido fugir, após ser ferido.

Essa operação militar permitiu a descoberta de um computador portátil de Lozada, no qual apareciam importantes informações sobre planos para atentados contra políticos colombianos. Por isso, as autoridades suspeitavam que o guerrilheiro morto fosse Lozada.

Siga UOL Notícias

Tempo

No Brasil
No exterior

Trânsito

Cotações

  • Dólar comercial

    16h59

    -0,84
    3,146
    Outras moedas
  • Bovespa

    17h20

    0,35
    68.594,30
    Outras bolsas
  • Hospedagem: UOL Host