UOL Notícias Notícias
 

07/11/2007 - 23h59

Depoimentos de paparazzi serão usados como provas no caso Diana

Londres, 7 nov (EFE).- O juiz encarregado da investigação sobre a morte de Lady Di, Scott Baker, determinou hoje que as transcrições das entrevistas que a Polícia fez com os paparazzi, que agora se negam a testemunhar, podem ser usadas como prova.

A decisão de Baker permitirá a retomada da investigação judicial para esclarecer a morte da princesa. Ela morreu em 31 de agosto de 1997, quando o carro de seu namorado, Dodi al-Fayed, bateu dentro de um túnel em Paris, quando ela tentava escapar da perseguição de vários fotógrafos.

O juiz encarregado do caso confirmou na terça-feira a recusa das autoridades francesas a obrigar os "paparazzi" a depor na investigação.

A maior parte dos fotógrafos retirou a sua cooperação depois de o motorista Stéphane Darmon, que dirigia o moto na qual viajava o fotógrafo Romuald Rat naquela noite, foi submetido a um novo interrogatório exaustivo e supostamente agressivo, numa audiência em Londres, em outubro.

Michael Mansfiel, advogado que representa o pai de Dodi, chegou a pedir a intervenção do ministro da Justiça britânico, Jack Straw, para forçar os fotógrafos a testemunhar.

Baker admitiu que os advogados do multimilionário Mohamed al-Fayed, pai de Dodi, têm direito de recusar a utilização das transcrições dos interrogatórios policiais. Isso poderia acrescentar mais impedimentos legais ao desenvolvimento do processo.

Diana, de 36 anos, morreu em 31 de agosto de 1997 com Dodi al-Fayed, de 42, e o motorista do veículo, Henri Paul. O carro que levava o casal bateu contra uma coluna de um túnel, situado junto à ponte d'Alma, quando era perseguido por vários "paparazzi".

O júri da investigação judicial britânica deve estabelecer se a morte da princesa foi resultado de uma conspiração ou um acidente.

Mohamed al-Fayed continua convencido de que seu filho e Lady Di foram vítimas de uma conspiração com a participação do marido da rainha Elizabeth II, o duque de Edimburgo, para impedir que os dois pudessem se casar.

Duas investigações policiais anteriores, uma na França e outra no Reino Unido, concluíram que houve apenas um acidente causado porque o motorista dirigia alcoolizado e em alta velocidade.

Siga UOL Notícias

Tempo

No Brasil
No exterior

Trânsito

Cotações

  • Dólar comercial

    16h59

    -0,31
    3,266
    Outras moedas
  • Bovespa

    17h20

    1,60
    62.662,48
    Outras bolsas
  • Hospedagem: UOL Host