UOL Notícias Notícias
 

14/01/2008 - 17h31

Crise do lixo continua provocando protestos em Nápoles

Roma, 14 jan (EFE).- A crise do lixo na cidade italiana de Nápoles (oeste) continua causando protestos, com cortes de estradas, devido as 7.000 toneladas de resíduos sem recolhimento que se acumulam, enquanto em toda a província pelo menos cerca de 100.000 estudantes não vão ao colégio.

Nápoles e sua província é a região mais afetada da região de Campânia, onde há mais de 100.000 toneladas de entulhos pelas ruas, devido à falta de lixões, mas também por causa do envolvimento da Camorra, a máfia local, no negócio de coleta de lixo.

As delicadas condições sanitárias causadas pelos lixos, que se empilham em metros e metros de ruas de Nápoles e das localidades próximas, fez com que cerca de 100.000 estudantes não tenham retornado às aulas devido ao fechamento das escolas em Torre Annunziata, San Giorgio e Boscoreales.

Os colégios e institutos estão fechados nesses lugares, apesar de o primeiro-ministro Romano Prodi ter se oposto à suspensão das aulas decididas por algumas Prefeituras durante as férias do Natal e mandou o Exército limpar os arredores dos centros educativos.

Na localidade de Pollena Trocchia os estudantes se manifestaram hoje contra a reabertura dos colégios, pois asseguram que a acumulação de entulhos torna pouco saudável a volta às aulas.

Um protesto pelos mesmos motivos e contra a acumulação de lixos correu a cargo de pais de alunos em Arzano.

Em Nápoles foi realizada uma reunião plenária municipal extraordinária, presidida pela prefeita, Rosa Russo Iervolino, para falar sobre a emergência originada na cidade por causa de cerca de 7.000 toneladas de lixos de todo tipo nas ruas e estradas da cidade.

A prefeita se manifestou mais uma vez contra a reabertura do despejo de Pisani, cenário de fortes protestos e confrontos entre moradores e policiais, durante as três últimas semanas.

Enquanto isso, técnicos da Asia, a empresa municipal napolitana de higiene ambiental, estão buscando uma solução para recolher todo o lixo do centro histórico, onde podem representar um problema para a circulação.

Além disso, os protestos continuam, embora em menor medida, na ilha de Sardenha, onde começaram na semana passada com a chegada do primeiro navio carregado de lixo, no marco do plano aprovado pelo Governo para que as regiões italianas acolham, de maneira voluntária, uma parte do lixo de Campânia.

Siga UOL Notícias

Tempo

No Brasil
No exterior

Trânsito

Cotações

  • Dólar comercial

    16h59

    -0,54
    3,265
    Outras moedas
  • Bovespa

    17h20

    1,36
    64.085,41
    Outras bolsas
  • Hospedagem: UOL Host