UOL Notícias Notícias
 

05/02/2008 - 15h51

Hamas assume autoria do atentado de segunda-feira em Dimona

Gaza, 5 fev (EFE) - O braço armado do Hamas assumiu hoje a autoria do atentado suicida cometido na segunda-feira em Dimona, que matou uma israelense, e afirmou que seus responsáveis chegaram ao local do ataque provenientes da cidade de Hebron, na Cisjordânia.

Em uma mensagem de celular enviada à imprensa em Gaza, a milícia As Brigadas de Izz al-Din al-Qassam, identificou os terroristas como Mohammed Herbawi e Shadi Zghayer.

Um deles detonou os explosivos segunda-feira de manhã, na entrada de um centro comercial de Dimona (sul de Israel) e outro foi baleado minutos depois por um policial israelense quando estava ferido no chão.

O braço armado do Hamas indicou hoje que os terroristas saíram de Hebron, cidade separada de Dimona por cercas e um muro de concreto com cerca de oito metros de altura, que reduziu notavelmente o número de atentados em Israel nos últimos anos.

Horas antes de as Brigadas Ezzedin al-Qassam reivindicarem a autoria do atentado e informarem que seus autores vieram de Hebron, o ministro da Defesa de Israel, Ehud Barak, já tinha advertido de que as forças de segurança israelenses suspeitavam de que os dois terroristas haviam partido da cidade cisjordaniana.

A princípio, as forças de segurança israelenses pensaram que os dois suicidas tinham chegado a Dimona vindos do Sinai, aonde teriam chegado durante os onze dias em que a fronteira entre Gaza e Egito esteve aberta após a derrubada da cerca fronteiriça.

Inicialmente, fontes do Hamas negaram envolvimento na ação.

No entanto, no fim da noite de segunda-feira o movimento islâmico reconheceu sua participação no ataque, que previamente foi atribuído às Brigadas dos Mártires de Al-Aqsa, braço armado do Fatah, movimento nacionalista liderado pelo presidente da Autoridade Nacional Palestina (ANP), Mahmoud Abbas.

Esta "dupla reivindicação" fez com que as forças de segurança elevassem o nível de alerta em três distritos de Israel.

O alerta se encontra agora no nível três (um anterior do máximo) em Jerusalém, Tel Aviv e no deserto de Neguev, onde está Dimona, palco do ataque que matou também uma mulher de 74 anos e feriu outras nove pessoas.

Fontes policiais citadas hoje pela rádio pública israelense calculam que "a rapidez com que várias organizações palestinas assumiram a autoria do atentado causa o temor de que haja outros suicidas a caminho".

A Polícia israelense busca em particular dois moradores de Gaza, cujas fotografias e nomes foram divulgados pelas Brigadas dos Mártires de al-Aqsa pouco depois da explosão.

O grupo também assumiu a autoria do ataque em coordenação com as milícias da Frente Democrática para a Libertação da Palestina (FDLP) e a Frente Popular para a Libertação da Palestina (FPLP).

Siga UOL Notícias

Tempo

No Brasil
No exterior

Trânsito

Cotações

  • Dólar comercial

    16h59

    -1,03
    3,146
    Outras moedas
  • Bovespa

    17h20

    1,09
    68.714,66
    Outras bolsas
  • Hospedagem: UOL Host