UOL Notícias Notícias
 

27/02/2008 - 13h02

Assessor de Abbas afirma que pode haver outro conflito entre Israel e Líbano

Redação central, 27 fev (EFE).- Nabil Amr, assessor do presidente da Autoridade Nacional Palestina (ANP), Mahmoud Abbas, acusou hoje Israel de estar agindo contra os acordos da Conferência de Paz de Annapolis (Estados Unidos) e advertiu que "talvez haja outra guerra no Líbano e em Gaza".

"Não estamos otimistas", disse Amr em entrevista à Agência Efe, ao afirmar que Israel está indo contra o acertado em Annapolis, em novembro, sobre a reativação das negociações de paz árabe-israelenses para fechar um acordo ainda este ano.

Atualmente "não há negociações, existe uma grande disparidade entre as promessas" do presidente americano, George W. Bush, em Annapolis e "o que está acontecendo na região", afirmou.

O assessor de Abbas se referia aos contínuos bombardeios e incursões do Exército israelense nos territórios palestinos da Cisjordânia e de Gaza.

"Bush está sonhando e tem que ver a realidade", disse Amr, que acaba de ser nomeado embaixador palestino no Cairo.

Após dizer que a atuação de Israel corresponde à atual situação da política interna, afirmou que a ANP continua pressionando para continuar com as negociações de paz porque, segundo ele, "outras opções serão desastrosas para todos".

Para Amr, "os assentamentos judaicos são o principal obstáculo" para a continuidade das negociações entre a ANP e Israel.

Ele também acusou Israel de estar "usando o Hamas para pressionar Abbas" porque as autoridades israelenses mudaram seu discurso e "agora estão dizendo que o Hamas é parte do problema".

O Hamas, movimento islâmico que rejeita os Acordos de Oslo e de Annapolis, tomou o controle de fato da Faixa de Gaza em junho, após sangrentos combates com o movimento nacionalista Fatah, o partido do presidente palestino, que governa a Cisjordânia.

Após reconhecer que a situação em geral "é complicada", Amr disse que "o Hamas seqüestrou Gaza" e que, apesar de o Irã e a Síria negarem que apóiam o grupo islâmico, o que realmente fazem é utilizá-lo para seus próprios interesses.

"Necessitamos do apoio internacional. (...) Não podemos ser abandonados", disse Amr, que destacou que a ANP respeita as leis internacionais e os acordos assinados com Israel, que, por sua vez, viola todos eles sistematicamente, assim como as resoluções da ONU.

Perguntado sobre as afirmações de alguns membros do Governo da ANP de que uma declaração de independência palestina ao estilo do Kosovo poderia ser uma opção a ser considerada, Amr se mostrou cético e acha que essa proposta não vingaria.

Nesse contexto, o assessor de Abbas disse que os EUA têm uma política de "dois pesos e duas medidas" e que, enquanto apóia a independência do Kosovo, "nunca tomaria a mesma atitude" em relação aos palestinos, porque o Oriente Médio é "um assunto de política interna" para os americanos.

Amr disse que, apesar de todas as dificuldades para avançar nas negociações com Israel, a ANP "não romperá com Israel".

Siga UOL Notícias

Tempo

No Brasil
No exterior

Trânsito

Cotações

  • Dólar comercial

    16h59

    0,13
    3,270
    Outras moedas
  • Bovespa

    17h21

    -0,51
    63.760,94
    Outras bolsas
  • Hospedagem: UOL Host