UOL Notícias Notícias
 

29/03/2008 - 19h52

Hillary Clinton rejeita pedidos para deixar a campanha

Washington, 29 mar (EFE).- A senadora por Nova York e pré-canditada democrata à Presidência dos Estados Unidos Hillary Clinton rejeitou hoje os pedidos de alguns líderes de seu partido, que apóiam seu rival, Barack Obama, para que abandone a campanha eleitoral.

"Tenho a profunda convicção de que é preciso escutar as vozes de todos e de que todos os votos devem ser contados", disse Clinton à imprensa em Indiana.

Sexta-feira, o senador Patrick Leahy, uma das pessoas mais influentes da Câmara Alta tendo em vista que preside o Comitê Judicial, pediu à antiga primeira-dama que atire a toalha, argumentando que não há mais possibilidades de ganhar.

Hillary recebeu ontem outro golpe com o anúncio, por parte do senador Bob Casey, de que apoiará Obama. Casey representa o estado da Pensilvânia, um dos poucos que ainda falta votar nas primárias e onde Hillary tem uma ampla vantagem nas pesquisas.

Outras figuras democratas expressaram sua preocupação com a possibilidade de a campanha se prolongar até a convenção democrata, em agosto, e divida irremediavelmente o partido.

No entanto, Hillary não vê assim. "Teremos um partido unido em torno de quem seja o candidato", disse.

Também saiu hoje em sua defesa seu marido, Bill Clinton, que está fazendo campanha em seu favor. "Temos que relaxar", disse Clinton aos que pediam a sua esposa que abandonasse, em um parada eleitoral em Girardville, na Pensilvânia.

Sua filha Chelsea também assumiu a tarefa de pedir votos para sua mãe. Ontem, em uma sessão de perguntas e respostas em Allentown, também na Pensilvânia, a jovem de 28 anos disse que sua mãe "seria uma melhor presidente" que seu pai.

Siga UOL Notícias

Tempo

No Brasil
No exterior

Trânsito

Cotações

  • Dólar comercial

    16h59

    0,59
    3,276
    Outras moedas
  • Bovespa

    17h21

    -1,54
    61.673,49
    Outras bolsas
  • Hospedagem: UOL Host