UOL Notícias Notícias
 

29/03/2008 - 08h06

Pyongyang acusa Seul de "provocações" em fronteira marítima

Seul, 29 mar (EFE).- A Coréia do Norte advertiu hoje a Coréia do Sul que deixasse de perpetrar "ações provocadoras" na fronteira no Mar Ocidental que os dois países disputam desde 1953, ao final da guerra intercoreana, informou a agência sul-coreana de notícias "Yonhap".

"A chamada Linha Limite do Norte (NLL, na sigla em inglês) não tem nenhum significado para nós. Não toleramos as ações provocadoras dos navios militares sul-coreanos em nossas águas territoriais", informou a "Agência Oficial de Notícias da Coréia do Norte", segundo a "Yonhap".

De acordo com Pyongyang, a cada dia cinco ou seis navios militares sul-coreanos ultrapassam sua fronteira marítima.

As declarações acontecem um dia depois de a Coréia do Norte lançar vários mísseis de curto alcance no Mar Ocidental, e dois dias depois de Pyongyang expulsar os funcionários sul-coreanos que trabalham no complexo de cooperação econômica da cidade norte-coreana de Kaesong.

"As provocações imprudentes da Coréia do Sul no Mar Ocidental aumentam as tensões. Não se pode evitar que aconteçam conflitos militares se a Coréia do Sul mantém sua postura firme sobre a NLL", acrescentou a "Agência Oficial Norte-coreana".

A NLL é a fronteira marítima entre o Norte e o Sul, mas não está claramente delimitada desde que foi estabelecida em 1953 pelas tropas da ONU lideradas pelos Estados Unidos.

Pyongyang, que não chegou a um acordo com Seul para o estabelecimento de uma zona pesqueira comum, declarou a nulidade desta fronteira em 1999 e exige uma nova delimitação mais ao sul.

Seul considerou "indigno" o descontentamento de Pyongyang sobre a fronteira, que a Coréia do Norte afirma que foi "delimitada de maneira injusta".

"O Governo não sente a necessidade de continuar discutindo esta questão, porque sua postura sobre a NLL continua firme", disse Kim Hyong-ki, porta-voz do Ministério da Defesa sul-coreano, segundo a "Yonhap".

Alguns oficiais sul-coreanos acreditam que a denúncia de Pyongyang é motivada pelo anúncio da mudança de atitude do presidente da Coréia do Sul, Lee Myung-bak, que afirmou que condicionará a política de seu país em direção à Coréia do Norte à desnuclearização do regime comunista.

Em 1999 e em 2002, as marinhas dos dois países se enfrentaram para proteger os navios pesqueiros que trabalhavam no local, conflito que gerou diversas baixas em ambos os lados. EFE ce/mh |K:POL:POLITICA,MULTILATERAL| |N:C| |R:

Siga UOL Notícias

Tempo

No Brasil
No exterior

Trânsito

Cotações

  • Dólar comercial

    16h00

    0,85
    3,154
    Outras moedas
  • Bovespa

    16h08

    -1,32
    74.392,55
    Outras bolsas
  • Hospedagem: UOL Host